Inovar na Gestão é URGENTE! – Parte 2

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Continuação parte 1…

O que será essa nova Era e qual a sua Arquitetura?

Cada empresa deveria desenhar uma Arquitetura, um Plano Mestre, que pudesse incluir:

  • o principal indicador de desempenho
  • o retorno sobre o investimento ou a rentabilidade por empregado ou empregado-parceiro
  • aplicar o modelo de processo “stage-gate” de etapas sucessivas, no qual cada etapa deve ser superada com sucesso antes de passar para a próxima
  • e administrar os riscos de Inovar!

Porque, o que realmente freia a Inovação, é o Risco!

Os CEO´s costumam se aterrorizar diante da possibilidade de uma ruptura organizacional.

Por que? Quais os riscos iminentes?

  • -Como garantir a capacidade de alcançar os objetivos de lucros no período determinado?
  • -Como se defender da ameaça na continuidade da sua gestão no cargo/empresa?
  • -Como ampliar a Inovação sem assumir riscos excessivos?

Reinventar a Gestão exige coragem para fincar objetivos aparentemente ambiciosos. Mas a tarefa de redesenhar as velhas práticas da administração será mais evolutiva do que revolucionária. Ninguém pega uma empresa grande e complexa e muda tudo simultaneamente.

Mas, é só coragem e desenho de nova arquitetura? É suficiente?

Acima de tudo, é preciso disciplina e trabalho para migrar de um modelo de gestão para outro.

A maioria dos pesquisadores não acredita que as empresas considerem óbvio que seja preciso experimentar com a Gestão. Não é só uma experiência científica, então é necessário estabelecer limites muito claros, e que tipos de riscos estamos dispostos a assumir, e termos capacidade para controlar, e a parte mais complicada é motivar as pessoas a embarcar nessas experimentações, entender rapidamente os efeitos, corrigir e mudar o rumo rapidamente também.

Para colocar em jogo qualquer Inovação, e acompanhar seu desenvolvimento, são necessários alguns recursos.

Inovação só vai gerar riqueza quando se estender a toda a organização, ou seja, permear o operacional e o estratégico.

As idéias sobre como nos organizar para o século 21, já chegaram à maturidade. Se há dez anos atrás, tínhamos dúvidas sobre globalização, hoje a maioria das empresas e pessoas estão potencialmente preparadas para Inovar.

Mas, temos algumas perguntas a fazer, mesmo que o CEO leve a Inovação muito a sério, e essas perguntas devem ser feitas de baixo para cima:

  • de que maneira você foi treinado como inovador nos negócios?
  • que investimentos fez a empresa para ensiná-lo a Inovar?
  • se você tem uma idéia nova, quantas barreiras/burocracia você tem que vencer para conseguir um pequeno aumento de verba para as experimentações?
  • quanto tempo você tem que dedicar das suas horas de trabalho para conseguir levar sua idéia de Inovação à prova? Considera fácil conseguir a aprovação?
  • está medindo isso por seu desempenho na Inovação, ou pela Inovação da sua equipe de trabalho? Da sua empresa?
  • e tem certeza de que se analisar os processos de gestão da sua empresa, oferecendo algum plano de Inovação, receberá ajuda para esse trabalho?

As respostas a essas perguntas definirá o quão disposta está a atual administração em realmente Inovar, ou até mesmo descobrir uma brecha entre a retórica da Inovação e a

Inovação genuína.

Resumindo:

Houve mais integração economica nos últimos 30 anos, do que em 10 mil anos de história da humanidade.

E a organização das empresas ficou um passo atrás, bem atrás de acompanhar essa evolução mundial, até porque a mudança é uma transformação que ainda não sabemos a real dimensão, ou seja, não temos comparativos.

Porém, é evidente que criará riqueza, mas não é mais só feita de capital e trabalho.

O que é diferente?

As idéias estão sendo monetizadas e as condições são mais propícias para gerar produtos e serviços que antes não existiam.

Concluindo:

O exemplo, dos dois maiores executivos da Li & Fung, empresa de Hong Kong, uma das maiores exportadoras do mundo, explicam os benefícios de um novo tipo de Arquitetura organizacional, ágil e confiável, desenhada em torno da idéia de “orquestrar” recursos alheios.

Vejam, essa é uma nova máxima, que está nascendo nesse novo modelo de Gestão do século 21.

Conectar e Colaborar para INOVAR!

“A convergência da tecnologia, globalização e outras forças transformaram radicalmente a maneira de trabalhar”. Diz Thomas Friedman.

A geografia, ainda que não seja irrelevante, já não representa grande obstáculo, e as empresas podem estender a todo o planeta suas operações de fabricação e outros processos de negócios.

Essa dispersão da cadeia de fornecimento cria enormes oportunidades para as empresas que entendem as vantagens de competir baseadas em Conectar e Colaborar!

Dois verbos, que a Li & Fung conjugou com perfeição.

A empresa produz mais de US$9bilhões em vestuário, brinquedos e outros bens para marcas famosas do mundo, e o faz sem ter uma só unidade fabril!

Qual o segredo? Já que temos uma “orquestra”: Quem são os Maestros?

A nova estratégia consiste basicamente em substituir a infra-estrutura convencional e milhares de funcionários por uma REDE fluida de fornecedores, em condições de fabricar e entregar quase tudo, em qualquer lugar.

O segredo? A habilidade de “orquestrar essa rede!”.

Três papeis estão em jogo:

Combinando escala e agilidade, cada maestro deve deixar de pensar que sua empresa é o centro do universo e colocar o foco na REDE.

E responderá por três papéis:

  1. desenhar e gerenciar a rede;
  2. liderar e controlar pelo empowerment, como não são donos dos meios de produção, os maestros necessitam de um estilo de liderança e condução baseado na combinação de delegação de poder com confiança;
  3. integrar e organizar os recursos da rede (que é o que cria valor) estendendo os limites entre as funções da empresa, quer para transportar o processo de fabricação a outros mercados, quer para identificar novas oportunidades de vendas.

Fornecedores vitais

A concorrência em um mundo plano, não é entre empresas! E sim entre Redes!

A cadeia de fornecimento, cuja superioridade emerge de um sólido conjunto de fornecedores, e tem importância decisiva!

Numa linguagem típica de TI, em outras palavras:

São Equipes multidisciplinares

Se o estilo de gerenciar equipes muda, e já mudou, sabemos disso, a globalização de projetos, o outsourcing, o multisourcing (tendências embora polêmicas, em crescimento) também ditarão a terceirização do gerenciamento, mas precisaremos manter o CONTROLE dessa nova maneira de fazer com que uma equipe (que muitos dos seus integrantes nem se conhecem fisicamente) trabalhem para alcançar um objetivo comum. (Vide ferramentas/plataformas já desenvolvidas, e sendo comercializadas por grandes fornecedores de TI).

Isso é uma realidade, no nosso dia a dia, gerentes de projetos “remotos” que gerenciam projetos de qualquer natureza, sentados em algum lugar no mundo, ou home-office, muitas vezes dotados de um “script” , gerenciando desde pequenos até grandes projetos de grandes empresas que nunca dormem.

Se o estilo de liderança muda, muitos pontos terão que ser revisados, adequados, até mesmo inventados, e não há nada mais perturbador do que uma equipe, seja ela regional, nacional, mundial, fisica ou virtual, mas que não aceitem a liderança estabelecida, um membro desse tipo de equipe derruba um técnico muito mais facilmente, em poucas horas.

Pessoas, Liderança e Tecnologia

O tripé continua vivo!

A Era pode ser Digital, mas o tripé é o mesmo!

O que fazer?

Não se constroem resultados positivos, sem que Pessoas aceitem suas lideranças.

Isso não muda na Era Digital!

Então, qual será o novo estilo de liderar Pessoas num processo Colaborativo pela web? Ou dentro de um espaço físico da empresa? Ou em projetos fragmentados entre empresas pelo mundo, numa rede? Ou um misto disso tudo?

Colaboração, ferramentas auto geridas, o poder da internet e a velocidade das mudanças vão criar uma nova maneira de Liderar!

E é nova mesmo. Não temos modelo de comparação para referência. É experimentação e ajuste.

Se a hierarquia como conhecemos hoje está em transformação, e parece que nesse ponto há convergência de percepção, qual é o novo modelo? Ainda não sabemos, mas está em construção.

Times globalizados, disciplinarmente conectados, interdependentes, quer sejam cientistas, gurus, analistas, executores, gestores e ainda novas profissões que estão sendo incorporados nesse novo mundo, dia a dia, motivados e dirigidos para alcançar resultados comuns, será um desafio excitante e vai transformar as relações economia-empresa-patrão-empregado em uma equação que não deve demorar mais do que 5 a 10 anos.

Quer dizer, em poucos anos poderemos testemunhar uma organização de pessoas, empresas empregados, totalmente nova, reformulada, ajudando a melhorar a qualidade de vidas das pessoas, das cidades, através de novas tecnologias, nova ordem social, novas redes e novos maestros.

Aqui, já acontecem alguns movimentos como, das parcerias com “funcionários globais”, talentos recrutados em qualquer lugar do mundo e com bagagens, formação e experiências globais e quem sabe, um embrião para resolver o problema das cidades urbanas, metropolitanas, transito caótico, vida “enlouquecida”.

Atenção para não confundir “simplicidade de viver” com tecnologia!

Como já dizia Aristóteles: “Realizamos negócios afim de poder desfrutar do ócio”.

A partir do século XVI, ócio vira problema. (Revolução Industrial).

Ócio = não trabalho = representa entrave no desenvolvimento produtivo.

A dimensão do Lazer na estratégia da humanização vai além da tríade: descanso, divertimento, desenvolvimento: os 3D´s.

Não seremos mais indivíduos estandardizados.

O investimento no singular se torna fundamental para a sobrevivência do indivíduo, e para o desenvolvimento de uma comunicação viva com os outros homens. Não esqueça disso.

Trata-se de um momento de regressão sem precedentes. Falar do SIMPLES, vamos cultuar o SIMPLES. Não tem jeito. Temos que dar alguns passos para “trás”. Se é que podemos chamar de para “trás”.

Fontes e Referências

Victor Fung, William Fung e Yoram Wind: Competing in a Flat World

Gary Hamel e Lowell Bryan: Sobre Inovação e Administração/Gestão

Thomas Friedman: Jornalista, escritor, colunista do jornal The New York Times /Escritor do livro O Mundo é Plano

Rubens Ricupero: Embaixador e ex-ministro da Fazenda / Sobre Crise e Administração

Revista PIB

Trendzoom – Click

IBM – Smart Planet

Nicholas Carr: é autor do livro The Big Switch: Rewiring the World. Foi editor-chefe da revista Harward Business Review

Danilo Santos de Miranda: Diretor do Depto Regional SESC no estado de SP

Dany-Robert Dufour: Filósofo francês autor do “Divino Mercado”

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Miriam Vasco

Mais artigos deste autor »

É administradora de empresas pela FAAP, com pós em análise de sistemas na FAAP e MBA em gestão empresarial pela FGV.

Mais de 20 anos na área de TI, atuando em cargos executivos desde 1987 em grandes empresas do setor de varejo, indústria, petroquimica, automobilistica e depois assumindo cargos executivos em empresas de consultoria, integradoras e fornecedoras de TI.

Hoje é sócia diretora da MV Systems Consultores Associados participando de vários projetos em Governança de TI incluindo projetos para o SOFTEX, Sebrae, APEX, IBM, Oracle e outros.

Também trabalha em desenvolvimento de canais para a EPOKA Brasil.
Milita na SUCESU SP desde 1988 tendo criado e dirigido vários Grupos de Usuários.

Há várias gestões na SUCESU SP é conselheira e Vice Presidente para várias assuntos como Automação Comercial, Comércio Eletronico, Aplicações e Gestão, Responsabilidade Social e outros.

Foi em 2000 Chairman do Active Store (NRF) para a América Latina e Caribe.

Foi Professora do Mackenzie para matérias como Banco de Dados e Negócios Empresariais nos cursos de extensão de Tecnologia.

Presidente da NEXTi - Organização das Executivas de TI www.executivasdeti.blogspot.com


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">