Desafios na construção de frameworks de desenvolvimento

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá pessoal, tudo certo?

Esses dias estive com algumas empresas falando sobre frameworks de desenvolvimento e o impacto na arquitetura de soluções. Sempre que percorro esse assunto, muitas questões são recorrentes, como:

  • Qual é a maturidade do framework em produção na empresa, se já existir algum?
  • O que se espera realmente com a construção do novo framework? Melhor desempenho? Maior produtividade? Melhor testabilidade? Padronização?
  • Qual é o envolvimento dos times de desenvolvimento na orientação do novo framework?
  • Qual é a maturidade da equipe usuária do framework?
  • Qual é a maturidade da equipe de arquitetura responsável pelo framework?
  • Existem templates e bons exemplos de código utilizando o framework, servindo para divulgação e learning?
  • Qual é a maturidade do processo de desenvolvimento de software e ALM – Application Lifecycle Management da empresa?
  • Qual é a arquitetura de referência escolhida, para o framework e para as aplicações alvo?
  • Quais são as recomendações de desenvolvimento, patterns e templates artefatos do framework?

De um modo geral, existem muitos benefícios prometidos com o uso de um framework, com certeza você já ouviu sobre alguns deles:

  • Maior produtividade;
  • Maior qualidade do software gerado;
  • Redução de escopo;
  • Redução do prazo de entrega;
  • Redução da quantidade de linhas de código;
  • Padronização e manutenção facilitada;
  • Aplicação de padrões adotados;
  • Reuso de arquitetura, patterns e código;
  • Utilização de soluções prontas e testadas;

Pensando nisso, coloquei alguns posts (ao longo do ano) que consolidam idéias sobre blocos de aplicação e frameworks de desenvolvimento, que sempre aparecem juntos nesses bate-papos:

Frameworks de desenvolvimento e blocos de aplicação
Ref.: http://blogs.msdn.com/wcamb/archive/2009/07/15/frameworks-de-desenvolvimento-e-blocos-de-aplica-o.aspx

Evoluindo frameworks domésticos : por onde começar?
Ref.: http://blogs.msdn.com/wcamb/archive/2008/11/06/evoluindo-frameworks-dom-sticos-por-onde-come-ar.aspx

Mais recentemente, temos visto as novidades do .NET 4.0 e mais um passo de evolução no framework da plataforma Microsoft.

.NET 4.0 e Visual Studio 2010 Beta 2, no ar!
Ref.: http://blogs.msdn.com/wcamb/archive/2009/10/28/net-4-0-e-visual-studio-2010-beta-2-no-ar.aspx

De modo geral, o mundo de TI tem evoluído de forma acelerada, com novos recursos sendo oferecidos para desenvolvedores e arquitetos a todo instante. Exemplo disso são times que já começam a avaliar a integração de autenticação/autorização de seus frameworks locais com ambientes de cloud computing. Na plataforma Microsoft isso aparece com a integração de um framework on-premise em .NET com os recursos do novo WIF – Windows Identity Foundation, do projeto “Geneva”. Veja mais por aqui: http://msdn.microsoft.com/en-us/security/aa570351.aspx

Diante dessa evolução constante, vale o comentário: as plataformas e frameworks de fornecedores vão continuar evoluindo, seja na plataforma .NET, seja na plataforma Java. Assim, quando estiver construindo seus frameworks de desenvolvimento, espere sempre por mudanças! Prepara-se para elas!

Isso irá minimizar o impacto de futuras evoluções, além de ajudá-lo a rapidamente combinar as arquiteturas existentes com novas abordagens disponíveis para o mercado, como computação em grid, computação em nuvem, realidade ampliada, redes sociais corporativas, mashups corporativos, aplicações de composição, pervasive computing, entre tantas outras que irão nascer, com certeza! :)

Por enquanto é só!

Um abraço!

Waldemir Cambiucci
Blog: http://blogs.msdn.com/wcamb/
Twitter: http://twitter.com/wcamb/

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Waldemir Cambiucci

Mais artigos deste autor »

Waldemir Cambiucci ([email protected]) trabalha na Microsoft Brasil como arquiteto de soluções, com foco na comunidade de arquitetura e clientes corporativos. É graduado em Engenharia de Computação, mestre em Engenharia Elétrica e Pós-Graduado em Finanças e Administração. Com mais de 14 anos de experiência em TI, atua na Microsoft há 8 anos, tendo participado de projetos importantes no Brasil e no exterior. Waldemir tem sido palestrante em diversos eventos como Tech-Ed Brasil 2007/2008/2009/2010 e Conferências como Software+Service Day 2008/2009, Regional Architect Forum Brasil 2007/2008/2010, SOA Conference Brasil 2008/2009 e muitos outros. É ainda autor de diversos artigos publicados em revistas técnicas e conferências nacionais e internacionais. Seu blog é o http://blogs.msdn.com/wcamb e seu Twitter é http://twitter.com/wcamb/.


2 Comentários

Marcelo Bernart Schmidt
1

Gostei do artigo. O melhor de tudo é quando há encapsulamento de código não-gerenciado ;)
Testei um framework versão beta do grupo AELHIS – SC que conseguiu criar um módulo chamado COMPLUS. O nome acaba sendo sugestivo ;) No mais, parabéns pelo artigo!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">