Produção musical: Saiba o que é “ChipTune” ou “Chip Music”

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Com o avanço da tecnologia da informação, diversas áreas evoluíram aceleradamente. O mundo digital nos cerca de uma forma tão grande, que é quase impossível se lembrar que um dia nós usamos fichas telefônicas para efetuar uma ligação.

Hoje em dia com apenas um “Send” em seu celular, você pode falar com qualquer pessoa em qualquer lugar do mundo!

E isso é mérito do desenvolvimento da tecnologia da informação. Desde a área da comunicação, comércio, ciência, agricultura entre outras, todas hoje em dia são influenciadas de alguma forma pela informática.

E isso não poderia ser diferente na área musical, que hoje em dia tem diversos softwares especializados para produção de música, seja no estilo erudito, popular, regional ou eletrônico. Existem programas que auxiliam no aprendizado e na escrita musical construindo partitutas digitalizadas ou emulando sons de outros instrumentos através de um dispositivo conhecido como MIDI (Musical Instrument Digital Interface) tecnicamente é um protocolo, o termo é utilizado para se referir a diversos componentes do sistema, como adaptadores, conectores e arquivos por exemplo.

Imagem do site: http://drop1410.com/?p=26Os músicos contam com um variado equipamento digital de ultima geração, destinados a performances ao vivo ou gravações em pequenos ou grandes estúdios. A grande novidade no mercado musical atualmente, vem conquistando amadores e profissionais na área: é a “ChipTune” ou “Chip Music”, estilo musical escrito em formatos de sons onde os efeitos sonoros são sintetizados em tempo real por um computador ou até mesmo um console de vídeo game que simula sons característicos de jogos antigos, que podem ser conhecidos pelo termo técnico “Arcade Music Game” – Música sintetizada em tempo real por chips de som do início da década dos anos 80.

O instrumento mais usado para fazer essa música é o Game Boy. Mesmo com apenas quatro canais, poucas e pobres opções de modulação, ruídos e restrições técnicas, ele virou um grande “ícone” da Chip Music. É vendido na forma de imagem ROM por míseros 2 dólares no site www.littlesounddj.com, o LSDJ é um dos trackers para Game Boy mais utilizados até agora. Pode ser usado tanto em cartuchos regraváveis como também emulado. O outro console usado pra isso é o Commodore 64, lançado em 1982, o C64 tem 64 KB de memória RAM e três canais de áudio mas, seu chip de som consegue alcançar frequências muito maiores que o Game Boy. Amiga e Atari também são usados, só que em uma menor frequência. Já os consoles modernos não fazem mais uso do chip de som, eles emulam.

Na década de 80 até o início dos anos 90, esses sons eram os únicos disponíveis para a criação de música em computadores. Os sons sintetizados por computadores naquela época, eram limitados, distorcidos e com muito ruído. E parece que hoje em dia, este estilo “vintage” de compor está de volta com força total! O maior desafio para um compositor de “Chip Tune” é gerar sons característicos das décadas passadas 80 e 90 com os recursos tecnológicos de hoje, sabendo-se que o principal detalhe da “Chip Tune” é que é um estilo limitado sonoramente, no mais resumido e grosso modo de dizer, tosco!

São usados programas virtuais denominados de “Trackers”, onde são compostas as trilhas e recriados os timbres. Existem diversos compositores e bandas que usam o recurso do novo estilo musical em suas composições, são artistas de variados estilos, que vão da música pop, eletrônica, trance, Techno, trance, rock entre outros estilos.

Formatos mais comuns para compor Chip Music são: .XM .MOD .MP3 .IT .S3M

Alguns sites interessantes para pesquisar a sonoridade Chip Music:

Para os músicos que desejam iniciar nesse mercado, não é necessário que seja um “Expert” em música. É necessário apenas isso: Game Boy Commodore 64, computadores Atari, Amiga, e consoles de videogame como Mega Drive, NES, Master System / Game Gear, até aquele velho PC 386 e baixar plugins para programas como Ableton Live e FLStudio. A partir do seu nível de composição e criatividade isso não tem importância.

“Tracker (também chamado de Tracker music ou MOD-scene), é um termo genérico, atribuído a uma classe desoftwares, que criam sons digitais através de um sistema organizado de notas, separadas por diversos canais de áudio. A palavra “Tracker” pode definir tanto estes softwares, quanto os seus canais de áudio, e ainda pode ser a definição do estilo musical, por vezes bastante característico, feito por estes programas.

Já “MOD” é um nome que é dado devido a um dos formatos de módulo utilizados pelos programas. A interface dos primeiros programas trackers é primariamente numérica; as notas são concebidas através de teclas alfa-numéricas no teclado do computador, sendo que os parâmetros adicionais e os efeitos são adicionados por hexadecimais. Os programas mais avançados também permitem criações baseadas apenas em interfaces mais simples e aceitam a entrada de um teclado musical.” – (Wikipédia).

Para quem está começando na área, fica aí uma boa dica de como iniciar as gravações e produções de áudio, dadas pelo grupo Brazileiro de Chip Music – Chippanze: http://chippanze.org/tutoriais/guia-basico-sobre-chipmusic/.

Eles lançaram mais de 15 EPs e 15 singles de mais de dez artistas em pouco mais de seis meses de existência. 7 mil discos foram baixados do site até o final de 2009. Outra dica sobre Chip Music é este excelente site: http://www.culturanerd.com/chip-music-a-musica-de-8bits

Luciana Guessa – http://www.ruanitas.com.br

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

1 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">