Cloud Computing: a terceirização do computador

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Um dia desses me perguntaram o que exatamente é a tal de Cloud Computing ou Computação na Nuvem.

Uma imagem que me vem imediatamente à cabeça resume o conceito: Computação na Nuvem é a terceirização do computador. Vejamos o porquê.

Atualmente, a esmagadora maioria dos programas que você usa tem que ser instalada em seu computador. Então, todo o processamento feito pelo programa demanda o uso de recursos quase exclusivamente desse seu computador. Por exemplo, ao abrir uma planilha Excel, é o seu computador que fará os cálculos embutidos nela, consumindo tempo da CPU e memória – além do espaço no disco rígido que ela ocupará quando você salvá-la.

cloud-computing-terceirizacao-computador

Do ponto de vista do usuário, a ideia central da Computação na Nuvem é que você precisará ter em seu computador apenas o navegador de internet para realizar as suas tarefas. O processamento dessas tarefas e o armazenamento dos resultados será feito “na nuvem”, isto é, numa coleção de computadores espalhados na Internet, numa configuração que lembra uma nuvem. Veja o diagrama publicado no Wikipedia:

Computação nas NuvensPara o usuário, não importa onde a execução do programa é feita ou onde os dados estão de fato armazenados. Para ele, basta que tudo isso seja acessível de qualquer lugar (o próprio computador, um celular, um PDA, etc). Alguns exemplos disso são os WebMails (Hotmail, GMail, etc) e o Google Docs (onde é possível criar planilhas e documentos texto).

A primeira coisa que chama a atenção nesse arranjo é a que a informação deixa de estar presa a um computador específico. De qualquer lugar e com qualquer equipamento é possível acessar a informação – tanto para o usuário corporativo quanto para o doméstico. Como o grosso do processamento é feito em outro computador, o computador do usuário também não precisa mais ter grande capacidade de memória, de processamento e nem de disco – ele precisará apenas de um navegador (web browser) e de uma conexão com a internet. Um movimento na indústria de computadores aponta para essa tendência : são os netbooks, computadores mais baratos mas com menor capacidade de processamento e acesso à internet, talhados para fazer uso de serviços na nuvem.

Uma decorrência direta desse fato é que o usuário deixa de ter que se preocupar com detalhes de infraestrutura de TI, tais como fazer cópias de segurança dos dados (backup), atualização de softwares antivírus, proteção contra ataque de hackers, etc. Isso tudo passa a ser responsabilidade de quem está fornecendo o serviço na nuvem, normalmente um data center (mesmo que associado a uma outra empresa).

Para uma empresa cujo foco de negócio nada tem a ver com informática, isso significa redução de custos. Conforme aumenta a necessidade de processamento e de armazenamento da Empresa, é o fornecedor do serviço na nuvem quem terá que se preocupar com escalabilidade (garantir um tempo de resposta razoável mesmo com aumento do número de acessos), disponibilidade (ter mecanismos para garantir a continuidade de acesso mesmo quando houver falha em um dos computadores na nuvem). Também é este fornecedor quem terá que resolver problemas de obsolescência, substituindo equipamentos velhos demais. A empresa Cliente desse tipo de serviço demorará mais para ter a necessidade de trocar seus computadores pois eles apenas acessam a internet e, portanto, estarão menos sujeitos à obsolescência.

O termo Computação na Nuvem é relativamente recente mas a solução tecnológica por trás dele já existe há algum tempo e é fortemente calcada em acesso a computadores via internet. Houve uma tentativa anterior de alavancar negócios nesse tipo de modelo e que foi chamado de ASP (Application Service Provider). Na computação na Nuvem, o modelo equivalente é chamado de SaaS (Software as a Service), onde o usuário normalmente paga por transação executada, por tempo de uso do processador, pela quantidade de informações armazenadas ou uma combinação de tudo isso.

Ainda assim, o Google tem um serviço que permite a hospedagem gratuita de softwares Java na nuvem. O serviço chama-se Google App Engine e é gratuito até uma determinada cota de acessos. A Microsoft também possui sua própria plataforma na Nuvem, chamada Azure – mas neste caso, as aplicações tem que ser desenvolvidas usando o framework .NET da Microsoft.

Embora me pareça ser uma tendência irreversível, há ainda alguns pontos a serem resolvidos – principalmente no Brasil – antes da computação na nuvem se tornar totalmente realidade. O primeiro ponto é o da infraestrutura da rede que dá acesso a internet. No Brasil, essa rede ainda é bastante capenga e certos serviços, como transmissão de filmes em alta qualidade, demandam um uso muito intenso de banda. Como a banda não comporta um fluxo tão volumoso, um serviço assim ainda teria qualidade menor do que o aceitável.

O outro ponto, este de cunho cultural, é a resistência que as pessoas têm em deixar seus dados fora de seu controle direto, armazenados num lugar que elas desconhecem. Vai ser preciso doutrinar o usuário a esse respeito, garantindo-lhe (até mesmo por contrato, se for o caso) que seus dados estão mais seguros na nuvem do que permanecendo em um disco rídigo ou DVD, à mercê de um acidente. Na nuvem, ele certamente estará replicado e dificilmente será perdido.

Artigo publicado originalmente no blog Balaio Tecnológico

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Luís Gustavo Fabbro

Mais artigos deste autor »

Bacharel em Ciências da Computação, formado pela Unesp Bauru. Foi responsável pelos módulos da área industrial do ERP da ABC71 Soluções em Informática entre 1993 e 1998. Em 2002, passou a ser responsável pela então nascente área de Pesquisa & Desenvolvimento da empresa. É profissional certificado pela Microsoft, com especialização na arquitetura do Sistema Operacional Windows e mantem o blog Balaio Tecnológico, dedicado a tecnologia.


5 Comentários

Lidiane
1

Adorei o texto, tinha várias dúvidas sobre computação nas nuvens mas consegui sanar com a didática apresentada e com a formulação da idéia, parabéns, continue escrevendo bons textos…

Roberto Lunelli
2

Em relação ao fato de não termos o controle sobre nossos arquivos, não é somente cultural, é lógico, é de fato um FATO. Não coloco fé para esse momento, ainda mais no Brasil, que para termos 2MB precisamos pagar alto, enquanto hoje há países que 2MB nem se usa mais. ¬¬

Benjamim Marcos de Castro Junior
4

Cloud Computing veio para ficar. É ilusão achar que ter um servidor de arquivos dentro da própria empresa é mais seguro, pois eles estarão online de qualquer forma, duvido que terão a mesma redundância que as empresas de Cloud oferecem, links dedicados, verdadeiros especialistas toma conta das máquinas. E se “livrando” de ter que tomar conta de um parque de máquinas, a empresa consegue direcionar seus esforços em melhoria do próprio produto/serviço. Existem vários casso muito interessantes de sucesso no emprego de Cloud Computing, como por exemplo uma empresa chamada Schrödinger que consegue chegar em curas de câncer em algumas horas, e isso só foi possível pois eles utilizam a AWS Amazon para processar bilhões de DNA’s até chegar em um remédio com maior eficácia. Eles comentam, que se precisassem possuir todas aquelas máquinas este projeto levaria muito tempo para se tornar realidade devido ao grande investimento e custo para manter, pois teriam que ter profissionais da área de informática somente para manter a estrutura necessária, e estou falando de profissionais capacitados para lidar com 50.000 CORES, isso mesmo, esta empresa durante uma hora utiliza cinquenta mil cores para cruzar dezesseis bilhões de combinações genéticas . Segue um link com estes e outros casos interessantes de sucesso com Cloud Computing. Link: http://www.powerof60.com/en/

Joscelino de Almeida Morais
5

Realmente a Computação em Nuvem (Cloud Computing) é uma tendência na área de informática, claro de se resolver primeiramente os obstáculos (Escalabilidade, disponibilidade e principalmente segurança), este último o mais importante na minha visão, sem este item dificilmente os usuários, sejam eles domésticos ou corporações abraçarão a nova tecnologia. Nas empresas que utilizam software proprietários os custos deste serviços serão os mesmos das que utilizam Software Livre? Depois das recentes noticias de espionagem no Brasil feita por outros países, muitos acreditam que o Software Livre é a melhor opção, pois permite principalmente as corporações o acesso ao código fonte, permitindo assim as falhas de segurança, o mesmo não ocorre com o software proprietário. Outro ponto positivo que vejo neste serviço diz respeito a obsolescência dos computadores e equipamentos de informática, falamos tanto com que o em proteger o meio ambiente, mas o que se vê na prática é a indústria e a mídia fazendo com que os aparelhos fiquem obsoleto o mais rápido possível. Assim terão maior produção consequentemente maior poluição e exploração dos recursos naturais.

JR-SERVIÇOS DE INFORMÁTICA
Ambiente 100% Linux Ubuntu
Desde 1984 na área de Informática
Há 30 no mundo da tecnologia e 13 trilhando o Mundo Linux

Ribeira do Pombal-Bahia
Skype: jamorais
MSN/E-Mail: [email protected]

http://www.classificadospombal.xpg.com.br/informatica/informatica.html

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">