O potencial do 3D está se tornando realidade

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

* Christian Zaharic

A capa 3D da Playboy que está nas bancas é uma pista de como os recursos tridimensionais vão explodir nos próximos anos, sobretudo entre computadores – do que pouco se comenta. Mesmo sem ter planejado, a modelo paraguaia Larissa Riquelme inaugurou um marco na indústria editorial brasileira: a popularização da tecnologia 3D para visualizar fotografias. O que pode parecer apenas uma ação de marketing inteligente é, na verdade, a ponta do iceberg da revolução que a experiência dos consumidores com quaisquer tipos de conteúdo está prestes a ocorrer.

De um lado, a indústria de televisores não pára de produzir modelos para essa nova tendência. Para citar apenas as principais, Samsung, LG e Panasonic estão entre as que já lançaram TVs com recursos 3D. Nos EUA, a venda de aparelhos 3D deve representar 10% do mercado neste ano e a previsão para 2011 é de que esse percentual suba para 30%. Do outro, falta conteúdo para ser exibido. Embora alguns testes em transmissões esportivas tenham sido feitos e redes como a ESPN e a Discovery já tenham anunciado a produção de conteúdos tridimensionais, ainda não há perspectivas de eventos de grande porte, como o Super Bowl norteamericano ou o Campeonato Brasileiro de Futebol serem transmitidos massivamente em 3D. Em uma iniciativa pioneira – e piloto, pois o projeto envolverá apenas as cidades ao redor de Stuttgart -, a empresa alemã de TV por assinatura, Sky Deutschland, anunciou que a partir de outubro transmitirá gratuitamente parte de sua programação em 3D. Será que não há conteúdo por ausência de público que o consuma ou não há público por ausência de conteúdo que o motive?

Nas salas de cinema, o estardalhaço costuma ser maior, por envolver as maiores somas publicitárias. Enquanto apenas 15 filmes foram produzidos em 3D entre 2005 e 2008, somente neste ano serão 70. Muitos deles, contudo, não conseguirão chegar à sala de exibição mais próxima do espectador por falta de estrutura técnica. E é claro, vale ressaltar que para conquistar o cliente e o fidelizar nesse momento inicial é importante que a experiência proporcionada seja realmente impactante, senão ele não volta. Filmes de ação e ficção, via de regra, justificam mais o preço elevado do ingresso do que outros gêneros, por exemplo. Assistir, onde quer que seja, no cinema ou em casa, a tramas românticas com casais passeando no parque em tecnologia 3D é um desperdício high-tech e uma questionável jogada comercial.

O segmento de computadores, por sua vez, parece ser o que está mais bem preparado e equipado para atender as expectativas dos consumidores, mesmo os que nem mesmo se consideram geeks ou gamers. O PC 3D vem crescendo na surdina, sem tanto barulho quanto as demais plataformas, mas com um êxito que chama atenção. Programas de edição de imagens ainda esse ano oferecerão aplicativos para o tratamento de fotos 3D. Sites de hospedagem e visualização de fotos em breve anunciarão seus dotes na transformação de fotos comuns em mídias tridimensionais. Isso sem falar nos sites de vídeo, que não tardarão a anunciar suas novidades.

Segundo dados recém-divulgados pelo IBGE, mais de um terço dos domicílios brasileiros já possui um microcomputador e as perspectivas de crescimento deste mercado são cada vez maiores. As vendas de PCs portáteis deverão subir 19% ao ano até 2014, segundo a In-Stat, e as vendas de smartphones aumentarão 55,4% em 2010, de acordo com a consultoria IDC. E não há dúvida de que a tecnologia 3D poderá pegar carona nessa boa maré digital. O preço, hoje, de um PC 3D completo gira em torno de três mil reais, valor não muito distante dos aparelhos convencionais. Além disso, “tridimensionalizar” seu PC ficou simples. Basta adquirir o monitor adequado, óculos especiais e uma boa placa de vídeo.

Além disso, o conteúdo 3D disponível para computadores é infinitamente maior do que aquele destinado às demais interfaces. Só os games 3D para PC disponíveis no mercado são mais de 500. E os títulos devem se tornar cada vez mais numerosos, se levarmos em conta que o setor cresce a uma taxa média de 10% ao ano no mundo. Só no Brasil a expectativa é de que a indústria de desenvolvimento de jogos cresça mais 50% em 2010. Com tamanha ascensão do segmento e o lançamento progressivo de máquinas compatíveis com a tecnologia, não surpreende que os atuais gamers do país se multipliquem rapidamente. O 3D é um caminho sem volta, assim como aconteceu com as câmeras digitais em relação às analógicas, pois os consumidores retornam da experiência com níveis mais elevados de exigência.

* Christian Zaharic é diretor de Marketing da NVIDIA no Brasil.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Profissionais TI

Mais artigos deste autor »

Eventos, cursos, livros, certificações, empregos, notícias e muito mais do mundo da TI (Tecnologia da Informação).


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">