ISO 20.000 – Vale a pena investir?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá Caros leitores!

Escrevo este post inspirado em uma matéria da ótima revista de TI “InformationWeek” do mês de Janeiro, com a capa: “ISO 20 mil, vale a pena investir para tirar a certificação?”, onde a reportagem destaca a obtenção do selo ISO 20000 pela TI do Brasil com um investimento abaixo de 100 mil reais.

Primeiro, vamos nos localizar sobre o assunto. A ISO 20000 segundo a Wikipédia:

“É a primeira norma editada pela ISO (International Organization for Standardization) que versa sobre gerenciamento de serviços de TI (Tecnologia da Informação).

A ISO 20000 é um conjunto que define as melhores práticas de gerenciamento de serviços de TI. O seu desenvolvimento foi baseado na BS 15000 (British Standard) e tem a intenção de ser completamente compatível com o ITIL (Information Technology Infrastructure Library). A sua primeira edição ocorreu em Dezembro de 2005.”

Esta norma é baseada na versão 2 da ITIL, que é de 2001. Para quem conhece os processos e conceitos da ITIL, facilmente se identifica com ela. Os processos da norma podem ser vistas na figura abaixo:

ISO 20000 - processosISO 20000 – processos

A ISO 20000 é dividida em dois documentos: a Parte 1 – A Especificação e Parte 2 – Código de Práticas.

Parte 1: Especificação

  1. Escopo – Requisitos para o provedor de serviços entregar serviços gerenciados com qualidade aceitável.
  2. Termos e definições
  3. Requisitos para um sistema de gestão
  4. Planejamento e implementação do gerenciamento de serviço (PDCA)
  5. Planejamento e implementação de serviços novos ou modificados
  6. Processo de Entrega de serviço
  7. Processos de relacionamento
  8. Processos de resolução
  9. Processos de Controle
  10. Processo de Liberação

Parte 2: Código de Práticas

  1. Escopo – Esta parte da ABNT NBR ISO/IEC 20000 fornece orientação para auditores e assiste fornecedores de serviços no planejamento de melhorias dos serviços, ou para serem auditados na ABNT NBR ISO/IEC 20000-1.
  2. Termos e definições
  3. O sistema de gestão (Responsabilidades, documentações, desenvolvimento profissional, educação, treinamento)
  4. Planejamento e implementação do gerenciamento de serviço (PDCA)
  5. Planejamento e implementação de serviços novos ou modificados
  6. Processo de Entrega de serviço
  7. Processos de relacionamento
  8. Processos de resolução
  9. Processos de Controle
  10. Processo de Liberação

Em relação aos processos da versão 2 da ITIL, podemos notar algumas diferenças: os processos relato de serviço, relacionamento com o negócio e relacionamento com fornecedor. Os processos de “relato do serviço” e “relacionamento com o negócio”, podemos traçar um paralelo na versão 2 da ITIL com atividades dentro do Gerenciamento de Nível de Serviço, como relato do serviço sendo os relatórios reportando os níveis de serviço fornecidos pelo provedor de serviços que são repassados e revisados com os clientes, e o relacionamento com o negócio sendo a gestão do relacionamento com o clientes que é feito no processo de Gestão de Nível de Serviço. O gerenciamento de fornecedor virou um processo dentro da ITILV3, no estágio Desenho do Serviço.

Voltando a reportagem citado no início deste post, a mesma não destaca claramente os benefícios obtidos pelo Banco do Brasil com a obtenção do “selo”. A reportagem menciona somente que diferente do ITIL, com a ISO é reforçado o compromisso da melhoria continuada, devido à necessidade de se seguir os processos documentados, sendo eles periodicamente auditados interna e externamente para a manutenção do selo. Lembrando que a “perda” do selo é um dano a imagem da empresa. E qual papel da ITIL além de ser o “modelo” onde a ISO 20000 foi baseada? A reportagem cita que o início da preparação aplicou os processos no modelo ITIL. Isso ajudou com certeza a criar uma cultura voltada a gestão de serviços de TI e melhoria contínua, e também facilitou a adequação dos processos para obtenção do selo.

Além de certificar empresas, a ISO 20 mil tem através do EXIN uma prova foundation para certificar profissionais em seus conceitos. Os assuntos da prova e o simulado oficial pode ser encontrado em http://www.exin-exams.com/exams/exam-program/iso-iec-20000/is20f.aspx.

A reportagem citada no post pode ser acessada através do site http://www.informationweek.com.br/.

Qual sua opinião sobre o post? Qual tem mais custo/benefício na sua opinião? Aplicar ITIL ou a ISO 20 mil? Deixe seu comentário.

Um grande abraço e até mais!

Fonte: Blog Governança de TI

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Emerson Dorow

Mais artigos deste autor »

Experiência de 10 anos na área de TI. Coordenador de suporte de serviços de infraestrutura e cloud computing. Mantenedor do site http://www.governancadeti.com.

Certificado em ITILv3 Intermediate, Cobit v4.1 Foundation, HDI-SCM, Linux Professional Institute (LPI) Nível 1 e IBM Tivoli Monitoring Deployment V6.2 Professional. É graduado em Sistemas de Informação pela Uniasselvi Blumenau e pós-graduando em Governança de TI pelo Senac Florianópolis e MBA em gestão de TI pelo INPG.

Entusiasta de assuntos relacionados a gestão de serviços em TI, governança de TI, Gestão de Projetos, liderança, gestão de equipes e negócios.


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">