Curso gratuito para formar programadores de softwares

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

A Assesspro – RJ, Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação, Software e Internet do Rio de Janeiro, em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia e a Prefeitura do Rio de Janeiro, irá promover, no segundo semestre de 2011, o Forsoft.

O Forsoft é um curso profissionalizante gratuito de formação de programadores de softwares, cujo objetivo é suprir a demanda desse profissional no mercado.

A meta desse ano é formar 150 novos programadores que já sairão empregados em uma das empresas patrocinadoras do projeto.

O curso terá duração de seis meses e é voltado para profissionais de baixa renda que tenham completado ou estejam cursando o último ano do ensino médio.

As inscrições serão feitas no site da Prefeitura do Rio de Janeiro, mas ainda não há data definida.

Com informações de Olhar Digital

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Marcelo Alves

Mais artigos deste autor »

Marcelo Alves, graduado em Desenho Industrial com habilitação em Programação Visual pela Universidade do Estado de Minas Gerais. Atua como Webdesigner e Diretor de Criação desenvolvendo projetos de comunicação para web.


12 Comentários

Daniel
1

Lutamos para a criação do conselho de informática e eles prostituem mais a nossa profissão… em vez de forma 150 em 6 meses, que mal terão uma noção de arq., eng. de software e tantos outros âmbitos que abrange o desenvolvimento de uma ferramenta, o que vocês acham de gastar esse dinheiro pra melhorar o ensinos nas faculdades… garanto que sai bem mais do que 150 formados desempregados por ano…

@Aramati_
2

Em Blumenau tem 2 projetos parecidos:
-O Entra21, voltado para os jovens carentes e encaminha para um emprego, verba publica.
-O Fortic, não precisa ser carente, garante emprego pros aprovados, verba das empresas.

@Daniel de onde se formam + d 150 em Computação num mesmo ano? Que faculdade é essa? Aqui somando SIS com BCC nao deve dar 50/ano … isso pq são entre 100 e 200 novas vagas por semestre.
O Fortic, q é mais caro do q o Entra21, custa R$5.000 no pacotão atacado mais parateavel possivel, me diz em q lugar desse pais da para melhorar meia faculdade de computação com CINCO MIL POR ALUNO?!?!?!?

wendell palazzo
3

A idéia pode ser até boa, em partes, por ex: a inclusão digital, um plano de carreira para futuros profissionais e/ou para quem não tem baixa renda para cursar uma faculdade.

Mas em contra partida, será que seis meses é capaz de determinar que o profissional está preparado?
Sabem que o profissional de TI vai morrer estudando (rsr)?
E a qualidade do software, como fica?

Como profissional na área de web, o que mais vejo são aqueles “sobrinhos” ou “aqueles que fazem sites por R$ 100″, o que gera um desconforto para o profissional qualificado e que tem de criar várias formas de mostrar ao cliente que esta solução (a do sobrinho) não é qualificada.

Porque a questão maior é que, o profissional de TI não é valorizado.

E boa sorte aos novos profissionais, e fiquem sabendo que esta vida vai te gerar muitas horas sem dormir, pode ficar gordo e careca (rsrs), vai estudar até morrer e no final não poderá ganhar muito.

Gilmar
4

Prostituição…. A galera rala, estuda tem anos de experiência e mesmo assim já é difícil de se achar bons profissionais…. Que dirá em seis meses… E sair empregado? Ok… Nada contra empregos, mas lutamos para ser valorizados a cada dia…

Maycon Santos
5

E se esses estudantes de seis meses estudarem muito mais de uma só linguagem como Java, e sairem de lá como especialistas e com formação mais atual do que uma faculdade de 4 anos? Se for um curso de 6 meses só ensinando uma linguagem talvez seja muito mais lucro para as empresas que nessecitam e trabalham só com essa tecnologia.

Maycon Santos
6

Não sou contra a universidade, só acho que também é valido começar ou terminar com um curso de especialização.

Carlos Machado
7

Que tal um curso de formacao em medicina de 6 meses? ou um de engenharia civil de 6 meses? 6 meses com certeza nao forma um profissional adequadamente e no caso da medicina e engenharia civil pode ate matar pessoas. Ops, na informatica, mao de obra nao preparada tb pode matar e a questao nao e somente queda de qualidade em software, a questao e que programadores e analistas de sistemas estao sim envolvidos em atividades que podem ate matar pessoas…quer exemplo? Sistemas para avioes, sistemas para cirurgia, sistemas pra operacao de maquinas de radiacao para tratamento de cancer, etc……..

Alyson
8

6 meses??? Realmente não dá! Impossível! Eu estou fazendo Ciência da Computação, 2° Periodo, na PUC Minas. Realmente o curso aqui é tenso, mas tem que ser! Do que eu vi até agora que realmente é disciplina de base seria AED I e II e Matematica Discreta I e II e Arquitetura de Computadores. 5 disciplinas que nao tem como realizar em menos de 6 meses! E olha que ainda falta Engenharia de Software (que aqui é I, II e III), Sistemas Operacionais, Banco de Dados, isso pra ficar só no mínimo dos mínimos de disciplinas, fora a questao de aprofundar mais nas linguagens de programação, interface grafica, analise de desempenho, etc. Quem sabe se o curso fosse de 1 ano e meio ou 2 anos, aí sim valeria a pena, tanto para o aluno quanto para o mercado. Se não..só vai dar software bugado por aí!

BrunoMartins
9

Por esse tipo de curso que ninguem dá valor a profissão de Analista e Programador. Quem daria valor a uma profissão que não tem necessidade nem de uma Graduação. Pra mim esse tipo de curso “formado” pessoas que depois se acham profissionais de TI .. tem que acabar. Senão numca terá valorização. No minimo teria que ter uma Graduação. No minimo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">