E-commerce: De onde vêm seus clientes?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Uma das maiores dificuldades nesta jornada de um projeto de loja virtual é conhecer exatamente o perfil de cliente desejado, ou o tipo de cliente que realmente quer comprar aquele determinado produto ou serviço. Mas em um contexto amplo de lojas virtuais – não estou falando de prestadores de serviços ou vendas de produtos específicos, estou comentando sobre varejistas – lojas de departamentos – não se tem um perfil tão alinhado, tão característico. Nesses casos é possível até mesmo segmentar somente pelos itens básicos de pesquisa como sexo, idade, localização, classe social e onde localizá-los.

Para esse grupo específico de projeto (lojas de departamentos) podemos direcionar esforços para entender de onde vêm os clientes. No Google Analytics é possível ter esses dados de uma forma interessante e precisa, portanto, quando falamos de planejamento temos que entender que se perguntarmos de onde eles vêm, podemos compreender também que eles estão nesse determinado local (lógico) e com isso fazer perguntas tão simples como essa nos possibilita agir de forma positiva. Claro, estou comentando aqui de questões básicas – nada muito além disso.

De fato, seus clientes podem chegar até você das mais diversas formas, até mesmo de onde você nunca espera – daquele local que você se quer imaginava que existia um link seu.

Portanto, vamos para uma abordagem mais interessante, porque loja virtual não depende somente de novos clientes e sim do retorno de seus clientes base – a conquista de clientes.

Seus clientes podem chegar até você por:

  • Indicação de amigos: Boca-a-boca, campanhas virais, redes sociais…
  • Publicidade: Investimento em campanhas, links patrocinados, blogs…
  • Recompra: Clientes que já estiveram na loja e tornaram-se clientes, fazem o acesso direto a loja…
  • Credibilidade: Marcas que mesmo que não sejam indicadas por amigos próximos e parentes o cliente sente confiança porque grande parte do seu circulo social está comprando ali. Muito parecido com indicação, mas não é indicação é o reflexo de ações alheias, ou seja, o ato de comprar na sua loja que dá a credibilidade. Não é por menos que sempre quando perguntamos se alguém conhece tal loja – logo vem a pergunta seguinte – você compra lá?

Observe, todas as formas de como seus clientes podem chegar até você são, na verdade, consequências, ou seja, quando existe a publicidade um cliente por meio dela conhece a loja, após a boa experiência de compra ele decide retornar e faz um nova compra (recompra), nesse momento cria-se a credibilidade, a confiança na loja e em seguida a indicação como resultado de gratidão pelo esforço em satisfazer o cliente.

Novamente venho bater na mesma tecla – Projeto de loja virtual requer esforço, tudo está interligado – não é possível fazer uma coisa bem feita e outra nem tanto, essa outra não feita da forma correta é o que vai dar a fama da sua loja, poucos lembram das coisas boas – isso é do ser humano, somos ‘programados’ instintivamente para lembrar do que é ruim, afim de nos proteger e evitar os mesmos erros. Por isso temos a tendência de uma memória boa para coisas ruins e fraca para coisas boas, não fazemos de propósito – somos assim por natureza.

Invista na experiência positiva de compra para seu cliente, esteja bem posicionado nas buscas, tenha conteúdo relevante, preste serviço ao invés de somente vender produtos, invista em credibilidade, comunique-se e tenha sucesso. Seus clientes no ambiente digital, no final das contas, surgem do esforço em prol da competência e não da mera coincidência que muitos imaginam.

Um grande abraço a todos.

Luiz Castro Jr.
Alpisconsultoria.com

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Luiz Castro Junior

Mais artigos deste autor »

Diretor da Alpis Consultoria.
Consultor Certificado 8 Ps - Marketing Digital, Planejamento Estratégico digital, Gestor de Projetos.


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">