Desenvolvimento de Software: Custo da Qualidade

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Segundo a American Society for Quality a qualidade é o “grau até o qual um conjunto de características inerentes satisfaz as necessidades”. No contexto de qualidade temos duas visões:

  • Visão do Produtor: a qualidade do produto está totalmente relacionada com os requisitos estabelecidos.
  • Visão do Cliente: a qualidade está relacionada a “adequação ao uso” ou as necessidades do usuário.

Os times destinados a trabalhar neste meio devem encurtar o gap existente nestas duas visões. Para tal objetivo trabalha-se na Garantia da Qualidade e o Controle da Qualidade.

A Garantia da Qualidade são todas as atividades com o intuito de prover uma confiança adequada para os produtos e serviços de acordo com os requisitos especificados. O time da Garantia da Qualidade deve definir políticas e seguir modelos para desenvolver de forma contínua melhorias no processo de desenvolvimento. Metodologias de desenvolvimento, estimativa do processo, processos de manutenção, processos de definição de requisitos, processos de teste, padrões de desenvolvimento, treinamentos, documentação são exemplos de ações que um time de garantia pode realizar. Lembre-se que a qualidade do produto está relacionada a qualidade do processo.

Todo o trabalho e/ou ações que são produzidos na Garantia da Qualidade devem ser controlados. Com este objetivo definimos atividades para o processo de Controle da Qualidade. O foco do Controle da Qualidade é identificar defeitos nos produtos ou artefatos produzidos. Teste de software é uma atividade do Controle da Qualidade. A atividade de teste pode ser incluída em todas as fases do desenvolvimento de software, através de inspeções, revisões e execução de casos de teste.

Todas estas atividades têm um custo associado, sendo que, para que possamos calcular o custo da qualidade devemos considerar três elementos: o custo da falha, o custo da prevenção e o custo da avaliação, sendo cada um deles apresentados abaixo:

  • Custo da falha: custos associados com produtos defeituosos entregues ao cliente. Podemos associar a este custo os reparos, a utilização da equipe de help desk, bem como, os danos causados por um defeito.
  • Custos da prevenção: são todos os custos associados com atividades que objetivam evitar defeitos. Podemos citar treinamentos, definição de métodos e procedimentos e aquisição de ferramentas. Observe que praticamente todas as atividades do time de Garantia da Qualidade estão associadas a este custo.
  • Custo da avaliação: por fim, são todos os custos associados com a detecção de defeitos. Neste elemento podemos citar as atividades de teste de software, tempo gasto na automação de scripts de teste, revisões e inspeções.

Obviamente que o custo irá variar de uma organização para outra considerando a atividade que cada uma delas está disposta a fazer. A equipe de Garantia da Qualidade deve ser a responsável por identificar os custos destes três elementos, bem como, prover ações para minimizar o custo da falha.

Normalmente as organizações focam no custo de avaliação, porém, se o investimento for maior na prevenção ao longo do tempo o custo da falha e da avaliação tende a diminuir.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Tocchetto

Mais artigos deste autor »

André Tocchetto. Meste em Computação Aplicada, CSTE e ITIL v2 Foundation.
Atualmente atua como Coodenador da TI, Professor e Coodenador de Curso Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas.
Twitter: @tocchetto


4 Comentários

Ederson
2

No segundo parágrafo está muito bem descrito um dos pontos chaves que mais atrapalham as empresas, mesmo com tantos anos de prática, experiência, estudo e conhecimento que é “encurtar o gap existente nestas duas visões” do produtor e do cliente.

Me impressiono ainda com o que se observa hoje em dia de problemas por causa desse verdadeiro abismo, não apenas um “gap” e poucos tentam ao menos “construir uma ponte” entre cliente e o produtor.

Qualidade de Software ainda é colocada de lado, não é só no Brasil, mas é de apavorar o que se vê aqui.

Patricia
3

Penso que para “encurtar o gap existente” entre a visão do produtor e a visão do cliente seria interessante envolver membros da equipe de controle de qualidade no processo de desenvolvimento do software desde o início, ou seja, desde a análise dos requisitos.

Felipe Tocchetto
4

A qualidade atualmente de fato deixou de ser um ‘opcional’, é um requisito mínimo para qualquer produto, falando de TI, tanto em software como infraestrutura. Esta percepção que a qualidade do produto está relacionada com a qualidade do processo também é um grande ganho, visto o investimento que as empresas tem feito em Gorvernança, por exemplo, buscando as melhores práticas de tecnologias associadas a potencialização do negócio.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">