Quem é Peter Anvin e sua importância para o mundo livre (Linux)

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Já reparou que sempre que vai instalar um sistema operacional baseado no Unix, no boot aparece o nome de Peter Anvin?

E já se perguntou quem seria o tal Peter Anvin?

Pois é, este artigo foi escrito para esclarecer esta pergunta e não tem a mínima pretensão de citar uma biografia do programador, hacker e geek H. Peter Anvin, mas podemos citar que ele é um especialista em programação de baixo nível, um tipo de programa à nível de hardware (instruções que exigem o acesso direto ao hardware, por exemplo: o boot de um sistema operacional exige este tipo de acesso). Ele atuou como arquiteto e diretor técnico da Transmeta, trabalhando na arquitetura de CPU e Software Código Morphing, e como arquiteto de processadores, é responsável pelo desenvolvimento de processadores para uso pessoais (usuário doméstico), além de  trabalhar em aplicações de software para Linux.

Nascido em 1972, na Suécia, mudou-se para os Estados Unidos e desde 1992 tem se dedicado ao código aberto. Um excelente colaborador do Linux, foi ele quem convenceu Linus Torvald, em 1997, a mudar-se para a Califórnia e aceitar um emprego na Transmeta, uma fabricante de processadores (Crusoe e Efficeon) para uso em notebooks.

Atualmente é co-mantenedor do Kernel unificado (que une as plataformas x86 e x64) e é autor de diversos projetos de código aberto, incluindo o famoso bootloader presente em todas as distribuições Linux e outros sistemas/aplicativos baseados no GNU/Linux (e: Mikrotik, entre outros), além da Suite SysLinux e o Assembler Netwide (NASM), klibc (biblioteca nativa na linguagem C), e tftp-hpa (protocolo de transferência de arquivos – muito utilizado por quem já precisou acessar ou restaurar configurações de equipamentos de rede). Ele também é o fundador e presidente da organização Kernel Linux, que mantém os servidores kernel.org em todo o mundo.  Atualmente ele vive em San Jose, Califórnia, trabalhando para o Centro de Código Aberto da Intel Technology ( Intel’s Open Source Technology Center). Em seu tempo livre, ele gosta de lógica programável hacking, mergulho, e coelhinhos de pelúcia.

Peter Anvin também dá uns pitacos na área de segurança. Recentemente, em seu perfil no Google Plus, citou que o Fedora (e outras distribuições) contém um serviço (serviços ou “daemons” são programas que executam funções úteis em um sistema, mas não são normalmente iniciados pelo usuário) que contém uma vulnerabilidade que pode permitir ataques DoS (usando o computador infectado como zumbi).

E na mesma rede, disparou que o “o novo Google Plus deixa a impressão de que tudo está errado no Facebook“.

Onde eu achei isto!

Gostou? Comente! Sugira!

Siga-me no Twitter, Facebook ou visite meu blog.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

José Ferreira Netto

Mais artigos deste autor »

Bacharel em Sistemas de Informação pela ULBRA - CEULJI - CAMPUS DE JI-PARANÁ/RO, Usuário desde o MS-DOS 6.10 - Fã de Tecnologia e de Sistemas Windows e Linux - Gosto de compartilhar conhecimento, idéias - Atua como Administrador Técnico de Depto. Informática para Serviço Público.


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">