Governo anuncia programa Start-UP Brasil – Foco inicial na área de TI

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

A competitividade é global e está cada vez mais acirrada. O desenvolvimento de novas tecnologias e novos modelos de negócios passa a ser fundamental para a disputa por novos mercados, trazendo imensos desafios para as empresas globais gerarem inovação no tempo da demanda de mercado (time-to-market). Neste contexto, o Brasil precisa dispor de ambientes propícios ao empreendedorismo de base tecnológica, alavancando a geração de bens e serviços inovadores que sejam competitivos globalmente.

Com o intuito de acelerar o desenvolvimento de empresas nascentes de base tecnológica, o Start-UP Brasil, que se iniciará com o foco em empresas nascentes de software e serviços de tecnologias da informação (TI), ofertará um conjunto de ações coordenadas de apoio à estas empresas, como: acesso à mentores e investidores; financiamento à Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P,D&I); consultoria tecnológica e de mercado; infraestrutura; parcerias com universidades; institutos de pesquisa e incubadoras; contatos junto a grandes companhias nacionais e internacionais; e facilidades de acesso aos mercados nacional e internacional.

Assim, esta ação tem como objetivo alavancar a aceleração de um número crescente de start-ups a cada ano, colocando no mercado local e internacional novos produtos e serviços inovadores, conectando nossas empresas de base tecnológica em contato com tendências e mercados globais, bem como construir uma parceria governo e iniciativa privada para a geração de um ecossistema favorável ao empreendedorismo de base tecnológica.

A ideia geral do programa é financiar aceleradoras e startups, para fomentar o ecossistema brasileiro.

Inicialmente, serão escolhidas as seis aceleradoras, que posteriormente selecionarão até 8 startups (cada uma) – no total, são 40 empresas na edição de 2013 do programa. As aceleradoras serão selecionadas de acordo com critérios como equipe, estrutura, redes de relacionamento e acesso ao mercado.

As candidatas à aceleradora tem até o dia 31 de janeiro para fazer a inscrição.

Após o dia 1º de março, as aceleradoras terão que criar os editais para a seleção da startup. Segundo o ministério, poderão se inscrever empreendedores de outros países. As empresas em estágio inicial que quiserem se inscrever terão que ter menos de 3 anos de atuação no mercado.

Entre os critérios de seleção para as startups estão elementos como equipe, plano de negócios e grau de inovação.

Cada startup escolhida receberá uma bolsa de R$ 200 mil.

“As empresas vão desenvolver o produto por 12 meses com as bolsas e, se der certo, elas poderão receber uma nova rodada de investimentos da iniciativa privada”, disse Almeida. Segundo ele, o governo não ficará com nenhuma parte da empresa.

O Start-Up Brasil é emblemático, pois coloca o governo como participante de um grande mecanismo voltado para o empreendedorismo e a inovação na área de TI (tecnologia e inovação), cuja característica é a rápida evolução tecnológica. As aceleradoras de empresas são um mecanismo catalisador desse ambiente novo, onde estão juntos pesquisa, inovação, investimento de risco, empreendedorismo e tecnologia — disse o ministro de Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp.

Fonte: http://startupbrasil.mcti.gov.br/

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Cesar Augusto Nogueira

Mais artigos deste autor »

Java Developer na Fundação CPqD, Coordenador do Campinas JUG - SouJava Campinas

Estudante de Sistemas de Informação - UFSCar

Presidente do Centro Acadêmico de Sistemas de Informação (CASI) - UFSCar

Estudante de Engenharia de Computação (Veris Metrocamp)


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">