O Gerente de Projetos do Futuro

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá amigos do PTI!

Primeiramente gostaria de desejar um feliz 2015 a todos os leitores, força e paciência p/ mais um ano desafiador no mercado de gerenciamento de projetos de TI.

Abro o ano escrevendo sobre uma palestra muito interessante que tive a oportunidade de assistir no 9o° Congresso Brasileiro de Gerenciamento de Projetos, realizado em Novembro/2014, na cidade de São Paulo.

O palestrante falou sobre o tema “Gerente de Projetos do Futuro” e definiu o triângulo abaixo para definir as características do gerente de projeto considerado completo.

Foto do 9o Congresso Brasileiro de Gerenciamento de Projetos

Repare que são abordadas três características:

1) Técnicas de Gerenciamento de Projetos: O gerente de projetos deve conhecer as ferramentas e técnicas disponíveis para uma boa gestão de projetos, tais como um bom controle de escopo, tempo e custo, prover as documentações do projeto e entender qual o melhor ciclo de vida a ser adotado no projeto.

2) Gerenciamento estratégico e de negócios: Seguindo na contramão de abordagens que dizem que o gerente de projeto não precisa conhecer profundamente sobre a área de negócio que está sendo afetada pelo projeto. A proposta é que ele conheça bem o ambiente de negócio e o alinhamento estratégico da empresa, assim tomará decisões muito mais assertivas com relação ao projeto.

3) Liderança: Algo que constantemente defendo! O gerente de projetos antes de mais nada deve ser um integrador, um conciliador, um inspirador. Para entender o que acredito como fatores cruciais para um gerente de projeto ser um bom líder, recomendo a leitura de alguns artigos que publiquei anteriormente:

Veja também minha apresentação que utilizo em palestras sobre o assunto neste link.

Em resumo, estas características do “gerente de projetos do futuro” servem para demonstrar que, o que carinhosamente chamo de “gerentes de projeto de Microsoft Project” ou, em alguns casos, “gerentes de projeto de planilha Excel” ou mesmo aqueles que defendem algumas literaturas onde é dito que o papel do gerente de projeto ou membro do PMO deve “cobrar, cobrar e cobrar”, estão com os dias contados.

De nada adianta o conhecimento técnico em gerenciamento de projetos e saber “cobrar, cobrar e cobrar” sem ter uma liderança inspiradora e motivadora, além do conhecimento de negócio que está sendo abordado pelo projeto.

Então, vamos começar o ano refletindo se já temos as características do tal “gerente de projetos do futuro” ou em qual aspecto podemos e devemos melhorar para chegar lá!

Abraços! :-)

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Vitor Massari

Mais artigos deste autor »

Profissional com mais de 15 anos de experiência em projetos de software. Sócio-proprietário da Hiflex Consultoria, profissional PMP e agilista, acredita no equilíbrio entre as várias metodologias e frameworks voltados para gerenciamento de projetos.
Lema: "Agilista convicto sempre, agilista obcecado jamais"


2 Comentários

Antonio Landi Borges
1

Estamos com uma vertente muito forte onde Gerenciamento = ferramentas, ali´as ótimas ferramentas. Mas, na minha visão, na realidade, o mais importante é o lide, sem o qual, nenhuma destas ferramentas são eficazes.
Tenho exemplos neste ultimo ano, quando uma empresa foi contratada para executar serviços de terraplanagem em 2 empresas contratantes diferentes, uma no setor de mineração e outra na construção de uma ferrovia. Os gerentes ou supostos “lideres” das contratantes foram absolutamente omissos em relação a informações, orientações, apoios, etc. cobrando e cobrando apenas produção. O resultado foi absolutamente desastroso para ambas as partes. Pelo lado da contratante houve o gasto e não houve resultados satisfatórios e por parte da contratada houve custos excessivos e prejuízo. O diagnóstico principal destes resultados foi devido ao gerenciamento da contratante, onde os gerentes foram “gerentes de crachás”, onde a resposta era sempre, “este problema é seu”.
Enfatizo que a liderança é o principal fator de um gerenciamento. Ferramentas são para orientar.Os resultados finais são consequencias.

Wilson Garperef
2

Acredito que para muitas empresas que hoje em dia não tem o minimo gerenciado, o Gerente de Projetos do Futuro apresentado será visto como um santo milagreiro que colocará tudo em ordem.
Penso que se as organizações não se organizarem, estão com certeza fora do mercado. Mas para que uma destas organizações possa ter um Gerente de Projetos, ela tem que se adequar de forma planejada e gradual.
Já presenciei o desastre de uma empresa sem nenhum tipo de procedimento ou cultura voltada para projetos contratar um gerente projetos. Como disse foi um desastre pois a cultura da empresa era mais forte. O gerente de projetos contratado até que tentou bastante, mas não conseguiu gerir um projeto sequer.
Devido ao fracasso, hoje a empresa capacitou seus gerentes e supervisores para pensarem mais em questões de organização e projetos.
Depois disso é que o gerente de projetos conseguiu desenvolver seu trabalho.
As capacidades que o gerente de projetos deve ter estão claras e concordo, mas de nada adianta se ele cair numa empresa onde a cultura seja do fazer fazendo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">