Um bom Currículo faz toda a diferença!

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

O objetivo deste artigo é apresentar algumas dicas e opiniões para aumentar as chances de conseguir um emprego em TI, através de um currículo bem estruturado, para os profissionais que estão iniciando ou buscando uma recolocação na área de TI.

Nos últimos anos, venho escrevendo diversos artigos de como iniciar nas carreiras de TI e como é o dia a dia da TI nas organizações. Tenho visto muitos Curriculum Vitae (CV) confusos, sem as informações necessárias ou ainda genéricos, para qualquer tipo de vaga.

contratacao-entrevista-mercado-carreira

Imagem via Shutterstock

A seguir, serão apresentadas algumas dicas que irão contribuir para melhorar seu CV e, consequentemente, aumentar as chances de participação em entrevistas e dinâmicas.

  • Mantenha sempre seu CV atualizado, com os novos cursos, experiências e contatos.
  • Crie o CV para aquela área que deseja atuar. Se você irá atuar com suporte técnico em TI, destaque o objetivo, qualidades, cursos para aquela área. Não há necessidade de informar que você é especialista em Programação Java se a vaga não pede este conhecimento. Pode passar a impressão, para quem está recrutando, que você está buscando qualquer vaga na área (o que não é uma boa estratégia).

É importante entendermos que os recrutadores buscam profissionais com o perfil para a vaga específica, e possuem rejeição de contratar alguém mesmo que capacitado e qualificado, mas com foco em outra área ou objetivos divergentes.

  • No topo do CV coloque seus dados pessoais e de contato (Nome completo, telefone, endereço, e-mail, estado civil e idade) e também é muito importante destacar o perfil do LinkedIn.

Não possui perfil no LinkedIn? Atualmente esta é a maior e melhor rede de contatos profissionais e muitas empresas buscam profissionais através desta rede social. Portanto, faça um perfil no Linkedin (você encontra muitos artigos de como fazer um perfil profissional no Linkedin na Internet).

  • Objetivo do candidato: Qual o seu objetivo profissional? Lembrando que deve ser condizente com a vaga que está buscando! Destaque que você está buscando uma oportunidade de evolução profissional e de aprendizado, e que irá contribuir com a empresa para a evolução da área, melhorias, entre outros.
  • O próximo tópico, se você possuir conhecimento na área, recomendo destacar, em poucas linhas, quais são estes conhecimentos. Qual atividade você domina e conhece? (Lembrando sempre de manter o foco na vaga que está enviando seu CV).
  • Formação acadêmica: Se você possui formação de nível superior (não é necessário informar sua formação no nível secundário), informe apenas o nome da faculdade, curso realizado e a data que realizou ou está realizando. Se possuir curso técnico na área é também interessante destacá-lo (desde que esteja aderente ao perfil da vaga). Outras informações neste tópico somente se for pós-graduação ou acima dela.
  • Neste momento do seu CV, devem ser destacadas as experiências profissionais, lembrando que, sempre da experiência mais recente para as mais antigas (no máximo três), evidenciando o nome da empresa – data de início e desligamento e uma breve descrição das suas atividades na mesma.

Se você apoiou para gerar algum novo processo, melhorou alguma operação, participou na implementação de algum sistema ou serviço, apoiou para reduzir algum custo operacional, entre outros, é neste campo que você deve destacar. Não há necessidade de apresentar tudo o que você desenvolvia, apenas as principais atividades ou contribuições.

  • Certificações: Se possui certificações relevantes para a área de atuação é necessário informar neste campo, com a data que conquistou e o número do certificado.

É importante destacar que certificados de cursos não são considerados “Certificação”. Na área de TI, as certificações são provas que o candidato realiza para atestar seu conhecimento em algo específico. Exemplos de certificações: ITIL, COBIT, ISO 27002, Oracle, PMI, LPI, Microsoft, Java, entre outras.

  • Idioma: Recomendo colocar algum idioma somente se você possuir um nível intermediário ou avançado, do contrário remova este campo. Pode ser destacado cursos de idioma que realiza ou já realizou.
  • Este último campo está relacionado a cursos que você realiza ou realizou nos últimos anos que sejam interessantes destacar para esta vaga.

Para finalizar o CV é interessante que o mesmo não ultrapasse duas páginas, e mantenha uma estrutura clara e de fácil compreensão. Revise 2, 3, 4 vezes antes de enviar. Certifique-se de que não existam erros de português. Envie para algum conhecido na área avaliar e solicitar melhorias.

É importante destacar que o CV é a principal imagem do candidato antes da entrevista, portanto, o mesmo deve estar perfeito, sem erros e principalmente: NUNCA coloque inverdades no CV. Não coloque frases ou situações que possam gerar duplo sentido ou ficar muito vago ao que está querendo transmitir. Seja 100% verdadeiro e fiel com as informações (afinal, é seu nome e carreira que estão em jogo).

Quando for enviar o CV, via e-mail ou sites de recrutamento, coloque uma descrição da importância desta vaga para sua carreira. Informe que você tem disponibilidade de contato e entrevista. Informe que você está à disposição para maiores esclarecimentos ou dúvidas. Uma simples mensagem antes de enviar somente o CV faz toda a diferença, visto que demostra o seu interesse na vaga e disponibilidade de contatos.

Caso você já saiba a empresa que está disponibilizando a vaga, estude, busque informações sobre a mesma antes de receber o primeiro contato. Conhecer a missão, valores, site da empresa, ramo de atuação, dentre outras informações, darão tranquilidade e propriedade para falar com o recrutador

No próximo artigo irei apresentar dicas e situações que possam ajudar a se destacar nas entrevistas e dinâmicas quando o seu CV for selecionado para a vaga.

Fiquem a vontade para comentar, compartilhar e complementar as informações que constam neste artigo.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Gustavo de Castro Rafael

Mais artigos deste autor »

Fundador da PDCA TI - Consultoria & Treinamentos.
Site: www.pdcati.com.br
Consultor com mais de 7 anos de experiência nas áreas de Tecnologia da Informação e Segurança da Informação.
Palestrante em diversos fóruns, empresas e universidades.
Professor dos cursos online e presenciais promovidos pela PDCA TI.


6 Comentários

Sandro
1

Será que computadores e programação ”””dá dinheiro””” hoje em dia? —-Olá meu nome é Sandro e sou técnico em manutenção de computadores e tenho uma loja de informática. —-Até o ano passado eu ainda estava otimista para entrar no ramo de TI e me aprofundar mais em linguagens etc pra oferecer serviços para grandes empresas resolver seus pepinos. Mas vejo alguns movimentos do mercado que são desanimadores. Por exemplo: Migração de serviços e softwares que eram executados em servidores e desktop para Nuvem de armazenamento. Outro movimento foi os indicativos que empresas fabricantes de Hardware estão demitindo em massa Tipo a (IBM quase falida). Empresa que não precisa de computadores não precisa de funcionários de TI, e gastos com logística, energia e manutenção… Tenho contato direto com representantes de fabricas e importadores de componentes eletrônicos. Posso dizer que ouve uma queda acentuada nas vendas de componentes para Computadores que usam processadores x86, x64 em 2014. Do outro lado ouve um aumento na manutenção de aparelhos que usa a arquitetura ARM. Daqui alguns anos todos os aparelhos moveis serão apenas tinyclientes acessando aplicações remotas. Meu coração se enche de tristeza quando me aparece aqui na minha loja um profissional formado com curriculo de dar inveja ao Bill Gaytes, pedindo emprego temporário para pagar as contas e poder comer até achar uma empresa que o contrate. Se você pretende fazer uma faculdade de ciência da computação. Eu recomendo que não faça. Porque o mar não esta pra peixe e vai ficar pior. –Desculpem os erros de português. Sou melhor escrevendo em cobol, php, python e java.

Renato
2

Apesar dos erros de português do Sandro, concordo com ele.
O mercado de TI está muito ruim. Acredito que uma das causas seja a supervalorização do papel (diplomas e certificados). As empresas estão olhando muito pros títulos dos profissionais – e não para os profissionais em si -, sendo que hoje, em qualquer esquina você encontra uma faculdade/universidade gerando diplomas e se esquecendo de gerar bons profissionais.
Já cansei de ver “profissional” formado e cheio de cursos “disso e daquilo”, mas na hora de pôr a mão na massa, só sai porcaria. A verdade é que a maioria dos brasileiros estão mais preocupados com a hora de voltar pra casa do que com a solução para os problemas que são de responsabilidade dele. Está faltando pessoas apaixonadas por TI. É claro que existem as exceções, mas estão cada vez mais raras. Outra coisa é a falta de regulamentação na área. Qualquer um que assiste um vídeo no youtube já se acha capaz de trabalhar com TI e acaba contribuindo para a desvalorização dos profissionais sérios.

Clayton
3

Atuo na área de TI há quase 10 anos e durante esse tempo e pelo o pouco que aprendi em vista a imensidão que é a nossa área, pude observar alguns pontos que creio que nem todos da nossa área observam.

Fazendo uma análise do mercado é visível que a TI está mudando para outro patamar ( cloud computing ) sem contar com a mobilidade, smartphones e tablets que fazem muitas coisas que um desktop e notebook fazem.

Concordo que há uma imensa desvalorização da nossa área e que somos muito exigidos para o que remuneram. Durante muito tempo fui veementemente duro em criticar a falta de uma regularização, a necessidade de diploma, certificados, entre outros para se ter uma remuneração um pouco mais digna.
Observei também que sim, existem boas vagas para o nosso mercado, mas a pergunta que não quer calar, aonde elas estão? Como podemos ocupá-las?

A primeira resposta vai ser consequência da segunda, que é, temos que nos qualificar. Sofro muito todo mês para pagar minha faculdade, além das despesas mensais, mas se não fizermos o esforço de termos qualificação em graduação, pós graduação, certificações, principalmente o inglês ( fluente ) o caminho fica mais distante….

O custo é alto? Claro que é, eu não tenho grana para pagar tudo isso, mas temos que manter nossos objetivos e correr atrás deles, de degrau em degrau chegaremos lá! Se não dá pra começar a faculdade agora, faça uma certificação ou um curso de inglês. Sou desde pequeno vidrado em tecnologias, gosto do que faço e não me vejo fazendo algo diferente. O nosso mercado é muito competitivo. Levo um pensamento comigo para tudo, que consiste em que, se você quer alcançar seu objetivo, não seja mais um no meio da multidão, faça a diferença, sempre entregue o seu melhor sem prejudicar ninguém que a recompensa virá ali na frente….

Fernando Bagno
4

Na verdade eu percebo que a tendência da área é exatamente a questão que o Renato levantou sobre a falta de regulamentação. Estamos chegando a um nível em que não dá mais pra ser como é hoje e é exatamente isso que está deixando algumas pessoas fora do mercado. Eu particularmente, com a visão de mercado que tenho aqui de Brasília, não vejo uma decadência, sim um crescimento. Um profissional formado em qualquer faculdade, que não seja capaz de realizar uma prova simples e que não conhece coisas básicas da área de fato ficará fora de tudo, mas já aquele que se empenha em aprender, se dedica e é, antes de tudo, honesto com seus defeitos e qualidades com certeza conseguirá seu emprego.

Willen Silva de Jesus
5

Bom currículo é aquele também que tem suas habilidades, cursos, e que seja bem original e ousado (mas não tanto).

Gustavo Rodrigues da Silva
6

Particularmente eu sou contra a regulamentação levantada pelos amigos acima. Nesta área você só estimula a reserva de mercado, o corporativismo tacanho, a burocracia sem sentido e exclui quem não se encaixa nas regras inventadas por quem quer “proteger a categoria”.
A dinâmica da tecnologia é tanta que o cara já sai da faculdade desatualizado, de um curso técnico com várias coisas que ele vai ter de dar um jeito de aprender. Conheço profissionais incríveis que nunca fizeram um curso, NUNCA, só leem livros, pesquisam, ajudam a comunidade open source e fazem acontecer.
Agora vai fazer um cara desses perder oportunidade para um mediano que fez a faculdade XYZ e tem meia dúzia de certificações e se encaixa nas regras da associação ou convenção coletiva dum sindicato de profissionais de TI? Ridículo. Como comparar o currículo de um e outro, como comparar na mão de um recrutador do RH que tem que pensar em resultados?
Os mercados e as empresas já tem os seus planos de carreira, as suas regras, as suas políticas que quem é qualificado simplesmente aceita ou não. Se a empresa resolver colocar alguém distoante na equipe, time não vai gostar e gente qualificada vai ir embora, simples.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">