Tendências 2015 – Empreendedorismo

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Após o primeiro artigo sobre tendências, a segunda onda identificada foi Empreendedorismo.

Empreendedorismo: Disposição ou capacidade de idealizar, coordenar e realizar projetos, serviços, negócios. Iniciativa de implementar novos negócios ou mudanças em empresas já existentes, geralmente com alterações que envolvem inovação e riscos (definição do Google).

Imagem via Shutterstock

Imagem via Shutterstock

A criação do próprio negócio é uma tendência impulsionada, principalmente, pela própria vontade do brasileiro de abrir uma empresa (3 em cada 4 brasileiros querem empreender [8]), e em menor escala por programas do governo como o MEI (Micro-Empreendedor Individual), SEBRAE e editais (e.g. Subvenção Econômica, Empresas Iniciantes, etc). Em 2010, 17,5% da população com idade entre 18 e 64 anos – 21,1 milhões de brasileiros – exerceram alguma atividade empreendedora em negócios com até três anos e meio de vida. Em 2000, a taxa era de apenas 13,5% [9]. Entre os setores que terão destaque  em 2015 estão[1]:

Idosos: Com o aumento contínuo da expectativa de vida, que já foi de 30 anos (1900) e hoje passa dos 73 [1], o mercado para essa faixa da população tende para:

  • Agências de Viagens (pacote para idosos)
  • Cuidadores de idosos
  • Loja Retrô
  • Condomínio residencial
  • Empresa especializada em adaptação residencial para idosos
  • Academia de ginástica para melhor idade
  • Loja de roupas para idosos – atendimento em domicílio

Trabalho e Qualificação: Falta de mão-de-obra qualificada é um problema de longa data em outros países, como o Canadá e Austrália, e que vem piorando no Brasil nos últimos anos. Treinamentos Remotos (Ensino à Distância, e-learning), Presenciais – inclusive in company – além de outras formas de capacitar as pessoas, principalmente com objetivo de especializar e formar lideranças serão muito procurados.

Sustentabilidade: Necessidade surge devido a criação de Leis e conscientização geral da população.

  • Empresas de Logística Reversa (Transportadoras, empresas de reciclagem e de destruição de produtos)
  • Consultoria para empresas quanto a Certificados de Garantia, Selos e Sistemas de Qualidade
  • Empresa de soluções sustentáveis: gerar desenvolvimento e preservar o meio ambiente ao mesmo tempo, adotando políticas e hábitos sustentáveis nas empresas, incluindo virtualização de documentos (para diminuir impressão)
  • Produtos e serviços ligados à preservação do ambiente
  • Fair Trade (Comércio Justo) – consumo de produtos de fair trade, que estabeleçam vínculos com organizações humanitárias, permitindo ao consumidor participar de causas sociais, bem como de produtos que destinam uma porcentagem da receita para determinadas causas
  • Lojas de roupas com conceito Slow Fashion – conceito de reaproveitamento e reutilização
  • Créditos de carbono [10]: Por esses projetos, comunidades e empreendimentos das mais diversas áreas podem neutralizar as suas emissões de carbono através de negociações que levem ao estabelecimento de compensações para captação desse carbono emitido. Dessa forma, uma indústria que tenha um alto índice de emissões de carbono pode “comprar créditos” de projetos sociais ou empresariais que visem retirar esse carbono do ambiente; como empreendimentos de reflorestamento, por exemplo
  • Produtos orgânicos [11]

Pet: Crescimento nos mercados de “Pet sitter” (babá), Adestradores, Táxi e Hotel para cães

Internet:

  • Novas profissões ligadas à internet que podem ser exercidas por meio de prestação de serviços: Como consultor/analista de redes sociais, Blogger profissional e Especialista em otimização de sites
  • Desenvolvimento de aplicativos (apps) [1][7]: Aplicativos principalmente voltados para smartphones (em geral Android e iPhone), cujo faturamento em 2013 foi de US$ 29,5 bilhões. De aplicativos para pedir pizza, alugar imóvel e planejar viagem até controlar empresas e videoconferência
  • Desenvolvimento de jogos eletrônicos
  • Soluções para implantação e manutenção do sistema de e-commerce: Um comércio que faturou mais de R$ 31 bi em 2013 (crescimento de 29% em relação a 2012) [11], com destaque para Moda & Acessórios, Cosméticos/Perfumaria/Cuidados Pessoais/Saúde e Eletrodomésticos. Existe a necessidade de integrar estoque físico e online

Modelo de Negócio

O modelo de negócios é como a empresa cria valor para seus clientes. Isso inclui a sua estratégia, canais de comunicação, custos, receitas, etc. Um dos principais objetivos de um modelo de negócio é ser escalável com baixo custo, o que hoje é viabilizado, mas não limitado, via ecossistema virtual. O aplicativo Instagram, por exemplo, tinha apenas 13 pessoas na equipe [7] quando foi vendido por R$ 1,8 bi [9]. Para ilustrar essa ideia de escalabilidade a baixo custo, veja a frase de Jack Ma, fundador do Alibaba (e-commerce) e homem mais rico da Ásia [8]:

“Se o Walmart quiser ter 10 mil novos clientes, ele terá que construir toda uma estrutura. Eu preciso apenas de dois servidores”.

Abaixo estão alguns dos modelos de negócio a despontar em 2015, que podem inclusive ser agregados ao seu negócio atual:

Franquias: Sistema onde o franqueador cede ao franqueado o direito de uso da marca, patente, infraestrutura, know-how (processos, estrutura, etc) e direito de distribuição dos produtos e/ou serviços. Geralmente surge após um empresário encontrar uma forma (processo) de administrar uma empresa de forma lucrativa, e vende esse processo para outros empresários (franqueados), com o objetivo de lucrar e/ou expandir a marca.

Startups: uma startup é um grupo de pessoas à procura de um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza. Geralmente tem base tecnológica, apesar de não ser uma obrigatoriedade.

Assinaturas: Usado tanto por jornais e revistas quanto TV: garante-se a receita previamente ao vender informação em pacotes, dando um desconto para seu consumo repetido. A novidade aqui é o cruzamento dessa idéia com a venda de produtos que não são vendidos tradicionalmente no modelo de assinatura, tais como sapatos, filmes, roupas, comida para cachorro, cuecas, lâminas de barbear, suporte técnico e muito mais. Entre alguns exemplos [12]:

  • ShoeDazzle, Sapatos por assinatura
  • Netflix, Filmes por assinatura
  • H.Bloom, Flores por assinatura
  • PetFlow, Comida para Cachorro por assinatura
  • The Honest Company, fraldas eco-amigáveis por assinatura
  • Clube dos Vinhos, Vinhos por assinatura
  • MokaClube, Café por assinatura

Uma das formas de criar um modelo de negócios é utilizando o Canvas (business model canvas), uma ferramenta que permite desenvolver e esboçar modelos de negócio, representado por um quadro dividido em áreas que permitem chamar atenção aos pontos críticos do empreendimento, como no exemplo abaixo do Canvas de um Café dentro de uma Livraria:

Canvas de um Café na Livraria [10]

Canvas de um Café na Livraria [10]

Tendência

O aumento de procura nos setores identificados acima, aliado aos novos modelos de negócio, permitem de forma mais barata e rápida a abertura e prosperidade do próprio negócio. Se o seu serviço/produto permitir um público mais amplo, soluções da Internet como landing pages (páginas únicas contendo um “caminho” que leve o usuário a se tornar cliente, geralmente mostrando benefícios, cases, funcionalidades, preço e contato, às vezes incluindo vídeo explicativo), redes sociais – como Facebook e Twitter – e o Google com as ferramenta Adwords e a própria pesquisa orgânica (conteúdo do seu blog, por exemplo) podem ser utilizadas como ferramenta de marketing mensurável, uma vez que pode-se contabilizar a quantidade de acessos ao seu site através dessas soluções, o que também possibilita o cálculo do ROI (Retorno do Investimento), cruzando as vendas fechadas em uma campanha com o valor investido nela.

Lendo o livro “Antecipando o Inevitável”, de Frederico Porto, ele cita que um então chamado “problema”, em muitas vezes, nada mais é que uma oportunidade. Um aumento de responsabilidade e tarefas no trabalho pode resultar em um cargo de liderança, as reclamações ou questionamentos “emocionados” de pessoas podem ser solucionados através de um processo repetitivo que pode resultar em uma nova empresa. Creio que o brasileiro está enxergando melhor essa relação de causa-efeito e empreendendo através dela.

Por último, a pressão do mercado por especialização em vários setores – em busca de qualidadeinovação, praticidade, beleza e outros atributos – trará o aumento da terceirização de certas áreas do negócio – pois sairia muito caro ter dentro da própria empresa a melhor Contabilidade, o melhor departamento de Desenvolvimento de Software, o melhor Centro de Pesquisa & Desenvolvimento, o melhor Instrutor, etc. Com objetivo de melhorar os atributos citados a pouco – agregar valor – as empresas tendem a terceirizar determinados serviços; Lembrando que nem tudo pode ser terceirizado, como o negócio principal da empresa (vide legislação). Hoje grandes marcas de automóvel, como Fiat e Chevrolet (GM) são, na verdade, montadoras, ou seja, utilizam produtos e serviços de outras empresas para gerar e entregar um produto de maior valor agregado, para um segmento específico de clientes. O que é importante notar é como (a “forma”) que é disponibilizado uma “utilidade” (serviço/produto): a Fiat, por exemplo, já utilizou o motor 1.8 da GM. Se esse motor somente funcionasse na GM, ou se a forma de utilização dele em outro veículo fosse extremamente trabalhosa, esse motor não seria facilmente vendido para a Fiat. Assim, para o empreendedor é interessante ao idealizar o produto/serviço ter em mente se o mesmo pode ser comercializado para outras empresas, pois pode ser uma fonte considerável de receita. O aplicativo Instagram, por exemplo, possui parceria com outro aplicativo, o Foursquare (agora Swarm) – o primeiro é bom em imagens, o segundo em localização: dessa forma, é possível marcar a localização das imagens através do Foursquare (Swarm) e através deste também é possível enviar imagens para o Instagram (benefício mútuo).

Publicado originalmente no blog TI&Gestão

Referências

[1] SEBRAE. Estudo de Tendências e Oportunidades de Negócios em Goiás. Acessado em 15/12/2014, disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/ufs/go/sebraeaz/Estudo-de-Tend%C3%AAncias-e-Oportunidades-de-Neg%C3%B3cios-em-Goi%C3%A1s?codUf=10

[2] Endeavor. Infográfico: Estatísticas de Empreendedorismo no Brasil. Acessado em 03/01/2015, disponível em: https://www.endeavor.org.br/infografico-estatisticas-de-empreendedorismo-no-brasil/

[3] SEBRAE/PR. Acessado em 03/01/2015, disponível em: http://www.boletimdoempreendedor.com.br/boletim.aspx?codBoletim=582_Brasil_S/A

[4] UBS Escola de Negócios. Novos rumos do varejo: tendências para 2015. Acessado em 04/01/2015, disponível em: http://ubs.edu.br/varejo/novos-rumos-varejo-2015

[5] Comendo com os olhos. Confira as principais tendências gastronômicas para 2015. Acessado em 03/01/2015, disponível em: http://comendocomosolhos.com/confira-as-principais-tendencias-gastronomicas-para-2015/

[6] BizRevolution. 15 Incríveis Modelos de Negócios por Assinatura. Acessado em 04/01/2015, disponível em: http://www.bizrevolution.com.br/bizrevolution/2012/05/15-incr%C3%ADveis-de-modelos-de-neg%C3%B3cios-por-assinatura-.html

[7] Cezar Taurion. Tendências tecnológicas para 2015 e o CIO. Acessado em 20/01/2015, disponível em: http://www.tiespecialistas.com.br/2014/10/tendencias-tecnologicas-para-2015-e-o-cio/

[8] Época Negócios. Acessado em 24/01/2015, disponível em: http://glo.bo/1GHROwi

[9] IG Empresas. Facebook anuncia compra do Instagram por R$ 1,8 bilhão. Acessado em 24/01/2015, disponível em: http://economia.ig.com.br/empresas/facebook-anuncia-compra-do-instagram/n1597736735082.html

[10] Leo Umberto. Canvas de um Café na Livraria. Disponibilizado ao TI&Gestão em Dezembro/2014. Contato do autor: http://www.linkedin.com/pub/leo-umberto-barbosa/13/252/533

[11] E-commerce news. E-Commerce Brasileiro fecha com R$ 31,11 bilhões em 2013 e deve faturar 39 bilhões em 2014, diz ABComm. Acessado em 25/01/2015, disponível em: http://ecommercenews.com.br/noticias/pesquisas-noticias/e-commerce-brasileiro-fecha-com-r-3111-bilhoes-em-2013-e-deve-faturar-39-bilhoes-em-2014-diz-abcomm

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Danilo Teodoro

Mais artigos deste autor »

Graduado em Administração com Ênfase em Análise de Sistemas (CRA-GO: 10094), possui MBA em Gestão de software e mais de doze anos de experiência em desenvolvimento de aplicações utilizando banco de dados, sendo a maioria dos sistemas voltados à área comercial (automação) e agrícola. Possui três certificações na linguagem de programação Delphi, sendo uma delas como instrutor oficial Borland, função na qual atuou por três anos. Trabalha com Java (Spring, JPA/Hibernate e JSF), BSC (Balanced Scorecard) e, atualmente, atua como Arquiteto de Software / Consultor em Desenvolvimento. Autor do blog TI & Gestão: www.tiegestao.com.br


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">