Como calcular preços para trabalhos freelance?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Algumas pessoas por vezes me questionam como eu faço para calcular os preços que cobro para trabalhos freelances.

Por ser algo relativamente recorrente resolvi escrever aqui minha dica sobre criação de preços, já que acredito ser uma dúvida de tantos outros.

Imagem via Shutterstock

Imagem via Shutterstock

Antes de tudo precisamos ter duas coisas em mente:

  1. Este cálculo é o que eu, Fernando, sigo. Não quer dizer ser o ideal ou único e nem mesmo o obrigatório para todos aqueles que desejam realizar trabalhos como freelancer;
  2. Lembrem-se sempre que um freelance é um trabalho executado fora do seu expediente comum. Parece básico, mas muitas pessoas esquecem disso. Você entenderá o motivo mais adiante.

Como calcular preços para freelances

Como disse acima, um freelance é um trabalho executado fora do seu expediente comum, ou seja, para ser considerado um trabalho freelance você provavelmente deve ter algum vínculo empregatício com uma empresa. Em minha fórmula eu considero isso um fator necessário.

Primeiro precisamos saber quanto vale a sua hora extra na empresa em que trabalha (para fazer isso, você precisará saber quanto é o adicional de hora extra da sua empresa e a sua jornada mensal. Depois é só usar sites como o Calculador), isso é necessário por que você executará este trabalho fora do seu expediente, certo? Em nossa fórmula chamaremos esta variável de HE.

Em segundo, você precisa atribuir em cima da HE mais um percentual que considera justo por suas atividades e/ou pelo serviço que está calculando o preço. Aqui é o ponto mais complexo em que devemos ser sensatos e sinceros com nós mesmos e com nossos clientes. Pense em questões como: Eu quero fazer este serviço? Eu sou capaz de executá-lo? O cliente tem fôlego financeiro para custear este trabalho? Qual a real necessidade do cliente com este serviço? Cada resposta terá um peso importante neste percentual e deve ser analisada com calma. Para esta variável, daremos o nome de PE (percentual de esforço).

Por último, você precisa avaliar o tempo em que concluirá todo o serviço. Outro item em que precisamos de atenção e sinceridade com nós mesmos. Até por que eu não conheço outro profissional mais procrastinador do que desenvolvedores. Então analise com cuidado todos os requisitos do serviço e quando chegar a uma quantidade de horas que ache ideal, aumente mais 10% nestas horas. Este aumento é preciso, pois quase sempre calculamos horas erradas e por que um trabalho concluído é um trabalho realizado, testado, publicado e, se for o caso, dado o devido treinamento aos seus usuários. Para esta variável, daremos o nome de HR.

A fórmula

Com todos estes dados em mãos, basta aplicarmos um cálculo simples:

PR = HE + (HE * (PE/100)) * HR

Para exemplificarmos melhor, vamos considerar um programador que tem um emprego com jornada mensal de 176 horas numa empresa que paga adicional de 50% na hora extra, recebe por isso R$ 2.000,00 e foi solicitado que avaliasse um freelance em que estimou 80 horas de trabalho e que seu percentual de esforço é 20%. Teremos então: HE =  17,05 (calculado anteriormente), PE = 20 e HR = 100. Aplicando a minha fórmula, temos:

PR = 17,05 + (17,05 * 0,20) * 100

PR = R$ 2.046,00

Como percebemos, para este trabalho o desenvolvedor selecionado cobrará R$ 2.046,00 para realizá-lo.

Minha consideração

Eu cheguei a esta fórmula depois de conversar com vários amigos da área que também realizam trabalhos freelances. Já disse anteriormente que esta não é a fórmula ideal para todos, mas acredito ser uma forma coerente para aqueles que não sabem calcular um preço com base em informações concretas e acabam atribuindo preços de olhos vendados para o trabalho e enxergando apenas o cliente solicitante. Então, se você é um desses, talvez seja uma boa praticar seus preços com esta fórmula. Se já tiver uma fórmula que usa, que tal compartilhar aqui para vermos se estamos com a mesma linha pensamento?

* Texto originalmente publicado em Fernando Bagno no dia 21 de fevereiro de 2015.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Fernando Bagno

Mais artigos deste autor »

Brasileiro, brasiliense, casado, pai, programador, amante de psicologia e, recententemente, de literatura também.


7 Comentários

Julio Cezar Borges
1

Muito bom Fernando, gostei da fórmula, com ela fica muito mais fácil de identificar os valores para este tipo de serviço, só me bateu uma dúvida… acho que ficou faltando colocar uns parêntesis na fórmula, da forma que você colocou PR = HE + (HE * (PE/100)) * HR a multiplicação deve ser realizada antes da soma daí o resultado fica 362,65, o correto seria PR = (HE + (HE * (PE/100))) * HR.

Claudio Santhiago
3

Boa fórmula, mas não sei se esta se ajustaria no meu caso, pois não trabalho com programação, minha área está voltada para hardware, software, telecomunicação e rede, possuo clientes domésticos, profissionais liberais e pequenas empresas.
Funcionário full time (8h00 – 17h00) em uma empresa, atendo meus clientes após meu expediente e considero como cálculo de trabalhos de freelancer o meu salário base na empresa em que trabalho (Mesmo que não ache este justo, rsrs), acrescido de percentual de 50% da hora normal + um percentual relativo aos encargos sociais (INSS, FGTS, Férias + 1/3, 13º. Salário) + Deslocamento (R$ 0,50 por km rodado). Alguns clientes reclamam do valor, pois acham caro, mas eu os convenço com o bom trabalho realizado.
Acho que independente se o valor é justo ou não, penso que o profissional tem que se valorizar.

Fernando Bagno Autor do Post
4

Cláudio, se considerarmos as áreas em que atuamos a ideia é a mesma. Seu salário base + 50% da hora normal equivale ao praticado como hora extra (50% e 100% em cima do valor da hora normal) e seus encargos e custo de locomoção equivalem ao que chamo de “Percentual de Esforço”.

Por fim, todo cálculo é válido quando considerado estas variáveis. O que vejo acontecendo e não acho muito interessante é cobrar o mesmo preço de sua hora normal em trabalho fichado quando se trabalhará fora do expediente padrão de 8h diárias.

Ps.: sobre o preço ser caro, é isso mesmo. Garanta qualidade no serviço prestado que o preço é justificado por si só. Afinal, quantas vezes já perdemos um cliente por causa de preço e no futuro este mesmo cliente retorna a nós pois o profissional contratado anteriormente não deu conta do trabalho?

Abraços!

Fernando Bagno Autor do Post
7

Olá Fábio, tranquilo?

O valor de R$ 17,05 foi tratado como exemplo no que escrevi nesta parte do texto: “Para exemplificarmos melhor, vamos considerar um programador que tem um emprego com jornada mensal de 176 horas numa empresa que paga adicional de 50% na hora extra, recebe por isso R$ 2.000,00 e foi solicitado que avaliasse um freelance em que estimou 80 horas de trabalho e que seu percentual de esforço é 20%.”

Ou seja, R$ 17,05 é o valor da Hora Extra (HE) que este profissional receberia da empresa na qual trabalha. Se ainda tiver dúvidas sobre isso, entre neste link http://www.calculador.com.br/calculo/hora-extra e calcule lá sua hora. Assim conseguirá ter uma noção melhor do que sugeri.

Espero ter ajudado.

Abraços!

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">