Vamos Planejar? #15: Planejando o Gerenciamento dos Riscos

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Leia também: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4Parte 5, Parte 6, Parte 7, Parte 8Parte 9Parte 10Parte 11Parte 12Parte 13Parte 14

Não Adianta Fugir!

Todos os projetos possuem riscos! Não se iluda. Você terá, sim, de gerir os riscos no seu projeto. Como Gerente, precisará planejar, identificar e elaborar resposta aos riscos do projeto. O gerenciamento dos riscos inclui os processos de planejamento, identificação, análise, planejamento de respostas, monitoramento e controle de riscos de um projeto. De forma geral, você deve entender a gestão dos riscos como uma forma de aumentar o impacto positivo das oportunidades e reduzir o impacto negativo dos riscos.

gestao-projetos-serie-artigos

Os processos de gerenciamento de riscos encontram-se na etapa de planejamento e execução, sendo eles: planejar o gerenciamento dos riscos do projeto, identificar os riscos, realizar a análise qualitativa dos riscos, realizar a análise quantitativa dos riscos, planejar as respostas aos riscos e controlar os riscos.

Entendendo Melhor O Gerenciamento de Riscos

Durante a identificação, registramos os riscos que identificamos. Este é um processo contínuo, pois sempre devemos manter a nossa antena “ligada” para perceber novos riscos e oportunidades. Fazemos então uma análise qualitativa, subjetiva, para logo em seguida analisar de forma quantitativa os riscos para sabermos quanto teremos de gastar, investir e desembolsar para sanar ou aproveitar a oportunidade/risco. Tendo feito as análises, partimos para a elaboração das respostas aos riscos. Controlamos, por fim, os eventos de riscos e avaliamos de forma geral os planos e as respostas que elaboramos, assim como ativamos as mesmas caso seja necessário.

Apenas conhecendo os processos podemos planejar o gerenciamento dos riscos, tendo em vista também os propósitos do projeto, fatores ambientais e ativos de processos organizacionais. Planejar o gerenciamento dos riscos é oprocesso de definição de como conduzir as atividades de gerenciamento dos riscos do projeto, por meio de uma abordagem bem pensada para os processos que farão parte da gestão dos riscos. O plano de gerenciamento de riscos tem de se encaixar ao projeto, orientação estratégica e o escopo do projeto. No plano, temos de apontar recursos, até onde estamos dispostos a ir para aproveitar oportunidades e o apetite à riscos da organização.

As Entradas

Como entradas para o plano de gerenciamento dos riscos temos o plano de gerenciamento do projeto, o termo de abertura do projeto, registro das partes interessadas, fatores ambientais da empresa e os ativos de processos organzacionais. Já falamos bastante em outros artigos sobre algumas destas entradas, mas no caso do plano de riscos é importante focar no termo de abertura e no registro das partes interessadas – assim como no plano de gerenciamento do tempo como plano auxiliar ao plano de gerenciamento do projeto, pois a partir destes documentos poderemos apoiar nossa identificação de riscos e também planejar as respostas aos riscos.

As Técnicas

As técnicas, mais uma vez, são genéricas. Temos técnicas analíticas, que nos permite avaliar a posição do projeto na organização, o apetite por riscos, qual nível de exposição queremos explorar dentro do projeto e a tolerância aos riscos que o projeto deve adotar. A opinião especializada é utilizada em frentes diferentes da gestão dos riscos, assim como reuniões, e ambas são comumente aplicadas em conjunto.

A saída do processo de planejamento do gerenciamento de riscos é a criação do plano em si, que deve conter diversos elementos, tais quais (extraído diretamente do PMBoK®):

  • Metodologia: definição das abordagens, ferramentas e fontes de dados que serão utilizadas para realizar a gestão dos riscos;
  • Papéis e responsabilidade: papéis e responsabilidades para as atividades de gestão dos riscos;
  • Orçamento: como serão aplicadas as reservas contingenciais e gerenciais, caso necessário. Isso deve ser registrado na linha de base dos custos;
  • Prazos: definir a periodicidade da execução dos processos da gestão de riscos;
  • Categorias de riscos: por meio da EAR – Estrutura Analítica dos Riscos – mapear as áreas de riscos para melhor organização dos mesmos;
  • Matriz de probabilidade e impacto: rede de mapeamento de probabilidade de ocorrência de determinado risco e impacto no projeto. Esta matriz deve ser estruturada antes de ser preenchida;
  • Tolerâncias e apetite: estipular limites e a tolerância aos riscos.

Para maior profundidade, consultar o guia PMBoK® 5ª edição. 

A partir daqui, é com você! Aproveite e comece agora o curso preparatório para a certificação PMP  que oferecemos no Site Campus.

Leia também: Parte 1, Parte 2, Parte 3, Parte 4Parte 5, Parte 6, Parte 7, Parte 8Parte 9Parte 10Parte 11Parte 12Parte 13Parte 14

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

4 Comentários

Pedro
1

Olá Frederico, tudo bem? No segundo parágrafo do texto você diz: “Os processos de gerenciamento de riscos encontram-se na etapa de planejamento e execução, …”. Porém o processo controlar os riscos se encontram na etapa de monitoramento e controle, correto? Abraços, Pedro

Wong
4

Prazos e Orçamento se encontram no plano plano do gerenciamento de riscos ou , respectivamente, plano de gerenciamento de cronograma ou plano de gerenciamento de custo, ou em ambos?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">