Controle de acesso à internet nas empresas, o que bloquear e o que liberar?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Controlar o acesso à internet durante o trabalho é uma prática comum nas empresas e cada vez mais necessária, considerando os riscos que a internet apresenta em relação a segurança da informação e principalmente o tempo desperdiçado pelos profissionais em atividades não relacionadas ao trabalho, como redes sociais, e-mail pessoal, comunicadores instantâneos, sites de entretenimento e outros.

A definição do que será bloqueado e o que fica liberado para acesso deve partir de uma análise das atividades realizadas pelas equipes, definindo quais tipos de conteúdos e serviços fazem parte das atividades da empresa e quais contribuem para o desperdício de tempo da equipe. Também é importante, antes de definir o que será bloqueada, obter relatórios de acesso para identificar o que os profissionais costumam acessar e então, criar filtros de acesso que evitem o acesso a sites que não tenham relação com o negócio da empresa.

Imagem via Shutterstock

Imagem via Shutterstock

Na definição da política de acesso é importante ter bom senso e coerência, há tipos de conteúdo que inevitavelmente devem ser bloqueados, porém, temos alguns sites que podem ser liberados para alguns setores ou em horários específicos, de acordo com as responsabilidades de cada equipe e até mesmo como alternativa para descanso e relaxamento em pequenos intervalos durante o trabalho.

Veja os principais tipos de conteúdo que devem ser avaliados para a definição de uma boa política de controle de acesso à Internet na sua empresa:

Sites nocivos

A internet está repleta de ameaças e sites que podem causar problemas de segurança para sua empresa. É comum o recebimento de spam com links para sites maliciosos que podem instalar vírus e malwares nos computadores, esses programas são nocivos e podem causar sérios problemas, desde lentidão nos computadores e na internet, até perda de informação e captura de dados sigilosos, como senhas de banco e acesso a sistemas. Por isso, é fundamental evitar o acesso a esses sites na sua empresa.

Redes Sociais

De longe o acesso às redes sociais é o fator que mais contribui para o desperdício de tempo no trabalho. No Brasil, 90% dos usuários de internet possuem perfil em ao menos uma rede social e pesquisas apontam que 72% dos profissionais acessam seus perfis sociais durante o trabalho. Uma alternativa é liberar o acesso em alguns horários ou somente para os colaboradores que utilizam as redes sociais para atividades da empresa, como atendimento a clientes ou marketing.

E-mail pessoal

Semelhante às redes sociais, a maioria dos profissionais costumam acessar o e-mail pessoal durante o trabalho, para troca de mensagens com familiares, amigos, estudos e outros. É recomendada o bloqueio do e-mail pessoal, ficando como alternativa a liberação do acesso em horários específicos de intervalo.

Pornografia, violência, drogas e bebidas alcoólicas

Você pode imaginar que esse tipo de conteúdo não é acessado pelos seus colaboradores, mas a realidade pode mostrar o contrário, por isso é importante o bloqueio irrestrito para qualquer tipo de conteúdo impróprio como pornografia e violência.

Também é importante acompanhar os relatórios de acesso para verificar quem está acessando ou tentando acessar conteúdos impróprios, nesse caso o recomendado é informar o colaborador e no caso de reincidência, aplicar notificações e penalidades.

Áudio, vídeo e entretenimento

Serviços de vídeo como o Youtube ou rádios on-line, são os maiores vilões na perda de concentração durante o trabalho e também contribuem muito para a lentidão da internet, pois consomem muitos recursos da rede. Além disso, é comum os profissionais acessarem sites de entretenimento, como esportes, novelas ou outras áreas de interesse pessoal. Considerando isso, é recomendado haver algum tipo de restrição para esses sites, principalmente em horários ou períodos de maior utilização da internet, como início de turno e dias do mês que concentram a execução de atividades importantes da empresa, como o envio de guias de impostos em um escritório de contabilidade.

Comunicadores via internet

Mais um tipo de serviço que contribui para o desperdício de tempo são os comunicadores instantâneos, como Skype, WhatsApp, Facebook Messenger e outros. Para esses serviços, também é recomendado algum tipo de restrição, podendo ser liberado caso utilizado para atendimento a clientes ou vendas, também pode haver liberação em horários específicos de intervalo.

Armazenamento de arquivos e download de software

Esses tipos de sites também contribuem em prejudicar o desempenho da internet, pois serviços de armazenamento de arquivos costumam ser utilizados pra transferência de arquivos pesados. Além disso, sites de download de software podem oferecer arquivos maliciosos que venham a instalar programas indesejados nos computadores. Para evitar riscos, também é recomendado o bloqueio desses sites, ficando liberados somente em casos onde são necessários para atividades da empresa, como troca de arquivos pesados com clientes, como pode ser a necessidade de uma agência de publicidade ou uma gráfica.

Jogos e apostas

Mais um tipo tipo de conteúdo que você pode pensar que seus colaboradores não acessam durante o trabalho, mas acessar sites de jogos pode ser mais frequente do que você imagina. Como esse tipo de conteúdo raramente terá relação com as atividades da sua empresa, o recomendado é bloquear o acesso sem nenhum tipo de liberação por horário ou setor.

Outros

Ainda temos alguns outros tipos de sites que devem ser considerados na definição da política de acesso a internet da sua empresa, veja abaixo:

  • Compras e e-commerce
  • Empregos
  • Esportes
  • Governo e política
  • Moda e beleza
  • Religião e esoterismo
  • Viagem e turismo

É importante ressaltar que em cada um dos tipos ou categorias de conteúdos, podem haver exceções, por exemplo, você pode bloquear o acesso às redes sociais deixando liberado o acesso somente ao LinkedIn, porque é usado pelo setor de recursos humanos para recrutamento, ou pode bloquear comunicadores instantâneos, mantendo o Skype liberado na sua equipe de vendas para atendimento aos clientes.

Novamente, a definição de uma política de acesso eficiente passa pelo bom senso e equilíbrio. Podendo haver serviços liberados em alguns horários de descanso e intervalos e ao mesmo tempo permitindo aos colaboradores acesso a alguns conteúdos do seu interesse até mesmo pessoal. Afinal, é importante haver momentos de descanso durante o trabalho, para que os colaboradores possam relaxar e com isso retomar suas atividades com mais concentração e foco.

Para implementar o controle de acesso à internet na sua empresa, existem diferentes alternativas, como soluções tradicionais de firewall/proxy Linux fornecidas por empresas especializadas, que demandam maior investimento com servidores, mão de obra especializada e manutenção constante, outras opções são Dell Sonic Wall, Fortinet FortGate e semelhantes, ou então soluções mais modernas, que utilizam recursos em nuvem, são mais acessíveis e de fácil implementação e gerenciamento. Esse tipo de serviço é principalmente recomendado para empresas de até médio porte, boas opções são OpenDNS ou Lumiun.

Na escolha da melhor opção para para gerenciar o acesso a internet é importante definir bem as necessidades da sua empresa e comparar os custos, características e benefícios de cada uma das soluções existentes.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Cledison Fritzen

Mais artigos deste autor »

Formado em Sistemas de Informação, com experiência em desenvolvimento de sistemas e gestão de TI. MBA em Marketing e Vendas pela FGV e diretor de marketing e vendas no Lumiun Tecnologia.


18 Comentários

Paulo
2

Achei interessante a abordagem da matéria, e concondo coma proposta de bloqueio a sites de apostas, pornografia, e alguns outros, mas com uma geração de novos empregados que está vindo para o mercado de trabalho, onde o smartphone comanda suas vidas com Whatsapp, Twitter, facebook, Instagran, etc… e, que e-mail é coisa do passado, fazer ligações telefonicas nem pensar, pergunto: Não seria esta uma abordagem retrograda? Qual a formula de retenção de talentos desta geração? e como conquistar estes funcionários?
Na minha opinião as empresas e seus gestores precisam estar atentos às inovações e facilidades que a internt proporciona. o segredo é a ‘dosam’ do controle.

Tadeu Rocha
3

Infelizmente, a maioria dos profissionais de T.I ainda não conseguem enxergar o todo e visualizam apenas a parte técnica do negócio. Sabe-se que um funcionário satisfeito produz muito mais que um insatisfeito, e que o ser humano é um ser sedente de comunicação. Logo, na maioria dos casos, frustar o funcionário com o bloqueio de e-mails pessoais, acesso à redes sociais e sites de entretenimento, é um tiro no pé. O primeiro motivo é o sentimento de insatisfação que vai gerar no funcionário, e o segundo motivo é que o funcionário provavelmente utilizará seu smartphone para a prática dessas ações.
Entendo hoje que o bloqueio não é a solução, mas o acompanhamento do desempenho dos funcionários. Saber identificar o porquê da queda de desempenho é o segredo do negócio Empresas com soluções inovadoras tendem a crescer mais que com pensamentos tradicionalistas.

Altevir Ferezin Junior
4

A obrigação da área de TI e manter a rede segura de malwares e disponibilizar ferramentas de controle e DLP. O que o colaborador pode ou não acessar na Web é uma definição do RH em harmonia com as definições da alta gestão da empresa. A área de TI não tem prerrogativas para definição de uso de recursos, ela deve fornecer ferramentas e até mesmo participar das definições como conselheiro técnico, mas nunca definir o que um colaborador pode ou não utilizar dentro da empresa.

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
5

Boa noite Paulo,

O controle de acesso à internet nas empresas é sempre delicado, devendo fazer parte de uma política de uso da rede, onde deve ser considerado o perfil dos profissionais, as atribuições e atividades desempenhadas, para que a utilização da tecnologia possa contribuir no negócio e produtividade da equipe.

Por isso não considero um posicionamento “retrogrado”, desde que essa política seja elaborada com bom senso e equilíbrio, visando atender as necessidades de todos.

Abraços,

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
6

Olá Tadeu,

Sem dúvida que restringir totalmente o acesso ao e-mail pessoal, redes sociais e outros sites de entretenimento, pode frustar e desmotivar o colaborador. Por isso é muito importante o equilíbrio nesse controle, podendo haver liberação por horários por exemplo e treinamento aos colaboradores, de forma que não seja necessário restringir totalmente o acesso a serviços do interesse pessoal dos colaboradores, mas garantindo que essas atividades não comprometam a produtividade e entrega de resultados da equipe.

Abraços,

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
7

Olá Altevir,

Concordo totalmente que definições sobre regras de uso da internet sejam responsabilidade das áreas de RH e gestão da empresa. O profissional de TI deve ser responsável por implementar e gerenciar as ferramentas que permitam a aplicação desse controle de acesso, no sentido de atender as exigências dos gestores. Por isso a importância de buscar serviços considerando as necessidades da empresa e avaliando a opção que melhor atende essas necessidades e com melhor custo benefício.

Abraços,

Henrique
8

Acredito que o bloqueio deva ser exceção e não regra…
Existem estudos acadêmicos que apontam justamente o contrário, de que a produtividade aumenta e não decresce com o uso de mídias sociais …
O que se vê são artigos fomentados pela indústria do bloqueio, afinal deve ter alguma justificativa para a aquisição de tais softwares….

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
9

Henrique,

Acredito que a produtividade do profissional independe do bloqueio de acesso a internet e está mais ligada ao perfil e comprometimento de cada um. Mas infelizmente em alguns casos o uso excessivo da rede acaba gerando desperdício de tempo e falta de foco no trabalho.

Por isso é importante para os gestores terem algum tipo de gerenciamento do uso da rede, até porque bloqueios não são somente para redes sociais, mas de sites inseguros, conteúdos impróprios como pornografia, jogos, violência, etc. Estatísticas mostram que o acesso a esses sites é grande no trabalho e a forma mais eficiente de bloquear é através de sistemas, já que em muitos casos somente orientação e treinamento não é suficiente.

Abraços,

Victor Moraes
10

Excelente artigo Cledison!

Trabalho no setor de TI em uma empresa e segurança é nosso desafio diário.
Gostaria de saber se existe alguma configuração a nível de administrador que consiga bloquear determinados resultados de pesquisa nos buscadores como Google, Bing, Yahoo. Me refiro principalmente a imagens. Um dos grandes preocupantes é a pornografia. Gostaria de fazer com que as imagens pornográficas não fossem exibidas. Sabe se existe algo que me ajude com isto?

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
11

Olá Victor!

As configurações para esse tipo de bloqueio dependem das ferramentas e tecnologias utilizadas no controle de acesso. Por exemplo, com servidores Linux utilizando proxy/firewall é possível interceptar o acesso e bloquear fotos de conteúdo adulto. Outras soluções como Dell SonicWall e Lumiun também permitem filtros que limitam o acesso a esses conteúdos, mesmo sendo na busca de imagens do Google.

Atenciosamente,

Victor Moraes
12

Além do Sonic Wall, trabalhamos também com o pfSense. Este também permite o bloqueio de resultados de pesquisa?

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
13

Victor, confesso que não tenho conhecimento avançado sobre PFSense, mas imagino que tenha alternativas para o bloqueio em resultados de busca, por palavras chave, termos de pesquisa ou URL de referência dos conteúdos.

Filipe Rodrigues
14

Não concordo com nenhum desses bloqueios. O profissional tem que ser responsável pelo seu tempo. Se alguém quer ” vadiar ” no trabalho, não é bloqueio de internet que vai impedir.

Cledison FritzenCledison Fritzen Autor do Post
15

Olá Filipe,

Entendo sua opinião e concordo que o comprometimento deve partir do profissional. Mas é importante entender o lado dos gestores e responsáveis pelas equipes, que enfrentam baixa produtividade dos colaboradores, muitas vezes devido ao mau uso da internet, nesse caso definir uma boa política de acesso evita esse mau uso e reduz o desperdício de tempo.

Atenciosamente,

Victor Moraes
16

Cledison, agradeço por sua atenção! Espero ter acessos a outros artigos seus sobre segurança e infraestrutura.

Felipe, sobre o bloqueio de resultados de pesquisa. Trabalho em uma universidade e o bloqueio é para que os alunos não acessem sites indevidos.

Abraço a todos!

Andre Luiz
17

Cledison, achei o Artigo super válido e de linguagem simples com boa compreensão, como vc mesmo deixou claro no artigo, as “Regras” de bloqueio ou não, depende exclusivamente da visão de negócio da organização, a área de ti deve sim ter proximidade com todo o corpo organizacional, e atender de forma objetiva o meio fim do negócio. Lembrando que uma boa política de segurança, onde se observa a constante evolução organizacional (Corpo Colaborador), pode e deve-se propor melhoria no intuito de promover mudanças nas famosas regras de bloqueio, entretanto é preciso ter um olhar de dono do negócio e mensurar o valor da informação, que é a própria organização, e avaliar se neste momento a organização consegue promover as liberdade corporativa que tanto se sonha com a segurança necessária para que ela sobreviva.

Márcio França Lima
18

Muito bacana o artigo. Completo e valiosíssimo para empresários. Não é fácil lidar com o tema bloqueio de internet no ambiente de trabalho, porque há vida fora dali.

É preciso entender que existem “momentos” que não dá para bloquear o acesso a esses recursos. Porém, às empresas precisam se proteger e garantir disponibilidade dos recursos para fins de trabalho, senão quando chegar a conta no fim do mês será difícil honrar os compromissos.

Essa linha que separa o permitido do que deve ser bloqueado não é fácil. Obviamente, sites impróprios ou que denigrem e ferem a empresa devem ser bloqueados imediatamente. Algumas raras exceções dependendo de qual ramo de atividade a empresa atua (pornografia, por exemplo) deve ser liberada.

Youtube, facebook e outras redes sociais é preciso ter um limite. Não sou todos os usuários que terá discernimento da hora de fazer uso e quando não acessar para não atrapalhar o restante do pessoal. Falta ainda mais educação nessa área. Às vezes, a culpa nem sempre é do provedor de internet quando a sua rede está lenta. Correr riscos de não fechar uma venda ou “diminuir a produtividade” por causa da internet lenta…

Acabei escrevendo há poucos dias a importância de bloquear sites e seus porquês. Será mesmo maldade com o funcionário? Se puder dá uma olhada:, acessa aí: http://www.marciofrancalima.com.br/bloquear-acesso-a-sites/

Seu conteúdo ficou realmente muito bom e bem detalhado. Já salvei aqui para auxiliar alguns amigos empresários a entenderem mais. Não tem jeito, a única maneira de melhorarmos o ambiente (funcionário e empresa) é educação.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">