Novato ou Experiente? O mercado de trabalho não está fácil para ninguém…

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá leitores! Seguem minhas considerações sobre o assunto “Mercado de Trabalho”.

Depois de ler o texto “De volta ao mercado, mas não voltei a mesma“, resolvi voltar a redigir. A cada novo emprego em que passamos temos que voltar a aprender como se comportar e atuar no novo local de trabalho, mas, muitas vezes nos assustamos quando encontramos os mesmos problemas que muitas vezes nos irritava no emprego anterior.

Para o profissional que está em busca de novos desafios, ao encontrar os mesmos problemas dos quais já estava acostumado, nem sempre é uma tarefa fácil, pois pode cair em desanimo por mais que diga que não. Neste caso, o profissional deve aprender a superar tais problemas, pois, com o tempo observará que o que muda na verdade é apenas a cultura da organização.

A boa ou má noticia é que, quando o profissional começa a transitar por diversas organizações como consultor, observa que os problemas existentes nas empresas são sempre os mesmos: falha de comunicação, falta de documentação, retrabalho, brigas de poder entre os funcionários por interesses próprios e outros temas que, supostamente, alguns garantem serem resolvidos por meio da gestão por processos ou projetos.

Mas na verdade o mercado de trabalho não está fácil para ninguém, seja para um profissional novato ou experiente. A cada ano que passa os contratantes exigem mais conhecimentos dos candidatos para preencherem suas vagas. Geralmente inicia-se o processo de seleção por meio de um teste teórico para, posteriormente, ir para uma entrevista ou teste prático.

É comum encontrar pessoas de todas as idades concorrendo para uma mesma vaga. Os iniciantes sofrem pela falta de experiência, enquanto os experts passam aperto pelo excesso de experiência.

Possuir certificações ou outros títulos acadêmicos não garantem que o profissional tenha toda aquela experiência, afinal, temos o conteúdo, mas poucos são aqueles que, de fato, utilizaram boa parte do conhecimento que estudaram.

Para as empresas diferenciarem quem é quem no mercado não é uma tarefa fácil também, e ela tem que definir critérios para selecionar os muitos candidatos disponíveis ou interessados na vaga.

Além da expertise, os veteranos sofrem com o quesito salário, pois muitas empresas ficam com medo de contratá-los se a remuneração anterior era maior do que se deseja pagar. Imaginam que, se o profissional tinha uma remuneração muito boa antes, ele tende a ficar pouco tempo na empresa devido a insatisfação salarial.

As empresas menores também não contratam por medo do profissional qualificado sair devido à baixa remuneração, ao mesmo tempo a empresa grande pode não contratar porque ainda deseja alguma outra qualificação por parte do empregado.

Nestes casos, o profissional fica vendido ao mercado numa situação complicada, pois suas contas aguardam a sua recolocação. Um bom filme que descreve esta situação é o Amor Sem Escalas. Para quem não assistiu, assista e reflita as conversas com os demitidos e pense sobre seus sonhos e carreira.

Outro grande desafio é mudar de área. Muitas vezes os recrutadores não veem isso com bons olhos. Mas, sem percebermos, o tempo passa muito rápido e as vezes a troca de tecnologia passa a impressão de estarmos evoluindo, mas na verdade, talvez, estejamos apenas batendo o mesmo prego com um martelo diferente.

Agora conhecendo um pouco mais do mercado, qual é o seu plano B para enfrentar uma longa jornada na busca de recolocação profissional? Será que as certificações são o caminho? Uma nova pós-graduação? Um novo curso? Um novo plano de carreira em um mercado globalizado? Afinal, o que se precisa para agradar os senhores de engenho?

Se você é empregado, tenha em mente que se você não está motivado, outros estão, e estes querem a vaga ao qual você não está satisfeito. :)

Que o mercado de trabalho está concorrido eu até concordo, mas será que ele mudou?

Obrigado aos que chegaram até o final deste texto.

Deixe seu comentário! Aceito sugestões para continuar o debate em textos futuros.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Fernando C. G. D. Guerra

Mais artigos deste autor »

Mestre em Administração Profissional pela Faculdade de Estudos Administrativos de Minas Gerais (FEAD), Especialista em Gestão Estratégica da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), MBA em Gestão de Projetos e Graduado em Administração de Sistema de Informação pelo Centro Universitário UNA (UNA).


16 Comentários

Hugo Patricio
1

Fernando,

muito bom seu artigo. Levantou diversos aspectos tanto do mercado quanto dos profissionais. Mostra que tão ou mais importante do que responder as questões é preciso saber formulá-las adequadamente.

Abraços,

Hugo

Pablo Ferreira
2

Parece que o mercado de T.I. não está tão abarrotado de vagas assim como andam dizendo os veículos de comunicação. Os funcionários ganham 2/3 menos que os americanos, mas também as empresas devem receber 2/3 a menos pelos contratos que pegam aqui no Brasil, enquanto as americanas têm seus serviços valorizados. Não está fácil para ninguém!!!

Edilson
3

Muito bom seu artigo, até penso em sair da Area de Analista de Suporte para alguma de desenvolvimento, porem para no empecilho de salario e se algum recrutador iria me contratar.

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
5

Pablo Ferreira,
Concordo com você.
Obrigado pela sua contribuição.
Att,
Fernando Guerra

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
6

Edilson,
Tive amigos que fizeram isso, estavam na mesma situação que você. Hoje estão melhores financeiramente.
Att,
Fernando Guerra

warley
7

Muito boa a máteria, me vi nessa situação, não estou feliz onde estou, não há crescimento, quero voltar ao mercado de trabalho mas ao mesmo tempo estou receioso em não conseguir um salário igual ou melhor. A empresa onde estou não oferece benefícios e estou me sentido estagnado. Vou esperar passar esse fim de ano para resolver se volto para o mercado ou até mesmo trabalhar por conta. Sou analista de infraestrutura.
Grato! E Sorte a todos!

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
9

Warley,
Obrigado pela contribuição.
Espero que você encontre o que procura.
Abraços
Att,
Fernando

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
10

Juliancio A Carvalho,
Obrigado pela contribuição.
Quanto encontramos o nosso caminho é nossa essência de fato as coisas caminham aos nossos desejos.
Att,
Fernando

Christopher
11

O mercado está ruim para profissionais ruins, não?
Tenho muitas vagas em aberto e tenho amigos em empresas de pequeno a grande porte, sofrendo para contratar.

O problema ao meu ver, é que 90% dos profissionais não estão preparados, vaga para Sr. e o cara não tem os fundamentos, mas “sabe” falar de conceitos modernos, técnicas modernas, enfim …

Luiz Alberto Carvalho de Pinho
12

Sou contador.+/- 25 anos experiência Contabilidade/Fiscal/Custos/Financeira. Conheço inúmeras formas de processos internos integrados. Fiz academia SAP FI há +/- 10 anos. Trabalhei por 21 anos numa mesma empresa que não investia nada em TI.(Só prometia que iria faze-lo) Estou desempregado.Tenho 67 anos. Inicio em 11/01/22016 treinamento para implementação do Módulo SAP FI e PROTEUS FINANCEIRO,CONTÁBIL E FISCAL. Você vê alguma utilidade nisso ? Nunca trabalhei com nada de TI antes o que é uma pena pois me completaria profissionalmente sem dúvida.

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
13

Christopher,
Eu vejo muita reportagem falando isso, mas hoje em dia no meu ver a empresa tem que contratar alguém que pode ser modelado, porque profissional completo no mercado nunca existiu.
Grato pela sua contribuição.
Att,
Fernando

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
14

Luiz Alberto Carvalho de Pinho,
O ferramental se aprende com a prática, no meu ver você tem o principal que é conhecer as regras de negócio (contabilidade/Fiscal/Custos/Financeira) por trás das aplicações.
Pesquise no site vagas.com.br ou empresas que fornecem treinamento dos produtos que você fez cursos que talvez tenha alguma oportunidades na área.
Avalie a opção de atuar com treinamento em curso profissionalizante, acredito que sua experiência seria útil aos jovens.
Obrigado pela sua contribuição.
Att,
Fernando

Jorge Freitas
15

Olá Fernando, Boa tarde!

Excelente abordagem neste artigo, mas concordo com aluns colegas nos comentários. Vejo na Área de TI um mercado muito amplo, com diversos segmentos. Porém todas as empresas, exigem muito para quem está começando. Diferente das experiências que alguns amigos de profissão passam em outros países, infelizmente a Área de TI no Brasil está se tornando aquela famosa comparação chula de “Severino” ou “X-TUDO”, esta situação se enquadra quando você faz analogia se referindo ao senhor de engenho. E tem outra indagação muito famosa “como o profissional tem a tão sonhada EXPERIÊNCIA exigida pelas empresas, se não oferecem oportunidades para quem não tem?”.
Um destaque importante no seu artigo também, quando você menciona a seguinte situação:
” os problemas existentes nas empresas são sempre os mesmos: falha de comunicação, falta de documentação, retrabalho, brigas de poder entre os funcionários por interesses próprios e outros temas que, supostamente, alguns garantem serem resolvidos por meio da gestão por processos ou projetos. ”
Perfeita colocação e é exatamente isso que acontece!

Me formei no ano passado em Sistemas de Informação, atualmente estou trabalhando como Analista de Suporte, pretendo galgar vôos maiores e melhores, mas a empresa não tem este objetivo no segmento de TI. Com isso, preciso me atualizar e buscar melhores colocações no mercado, mas a pergunta é: Como alcançar esses vôos mais altos, se quando buscamos vagas as exigências são: Noções em diversas linguagens, Inglês intermediário ou fluente e experiência comprovada?

Att,

Jorge Freitas

Fernando C. G. D. Guerra Autor do Post
16

Olá Jorge Freitas,
Primeiro, gostaria de agradecer a sua contribuição no post. Não sei em qual estado você está, mas pelo que percebo em MG eu apostaria em focar primeiro no domínio de idiomas, depois nas certificações (comprovaria sua competência técnica sobre o conhecimento do produto do fabricante) e tentaria aos poucos migrar para as áreas que você tem interesse e/ou afinidade, mesmo recebendo um salário menor. Outra opção para comprovar experiência seria procurar grupos de estudos na internet ou em faculdades para tentar trocar experiências e aprender um pouco mais sobre tecnologia de seu interesse.
Atuar no mercado de tecnologia nunca foi fácil é atualmente percebo estar cada vez mais complexo entrar e se manter nele, pois as mudanças estão cada vez mais ágeis deixando os CVs se deteriorando rapidamente.
Espero ter ajudado de alguma forma.
Abs

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">