12 características do SAFe (Scaled Agile Framework)

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá, pessoal!

No artigo passado, sobre ROAM, fiz breves menções sobre o SAFe. Você o conhece ou já ouviu falar?

O framework Scaled Agile Framework (SAFe) foi uma proposta criada por Dean Leffingwell com o objetivo de expandir o Desenvolvimento Ágil a nível organizacional e, diga-se de passagem, a proposta deu certo! Acompanhe o artigo para conhecer algumas das características deste framework.

O cenário de desenvolvimento de softwares evoluiu muito nos últimos anos. A demanda por aplicações cada vez mais sofisticadas incentivou a formação de equipes com dezenas ou centenas de desenvolvedores, dificultando o gerenciamento de tarefas, a dependência e integração entre módulos, riscos e prazos de entrega. Algo definitivamente tinha de ser feito.

Como o Scrum e o XP sempre foram metodologias sucedidas em projetos de software, surgiu uma questão: seria possível criar uma forma de estender as dimensões das metodologias ágeis para abranger toda a organização? Através desse mindset, o SAFe surgiu.

Ao invés de detalhar as definições deste framework, decidi enumerar 12 características que identifiquei ao trabalhar com o SAFe em uma equipe de desenvolvimento. Confira a seguir:

1) Finalmente uma metodologia escalável!

Como mencionei no início do artigo, o SAFe foi elaborado para expandir o Agile em toda a empresa, e não somente na equipe de desenvolvimento. Portanto, a gerência, os analistas de negócio, analistas de sistemas e gestores também passam a fazer parte da metodologia ágil, utilizando ferramentas e seguindo práticas que antes eram só desempenhadas por desenvolvedores, projetistas e analistas de testes. Agora, toda a organização fica integrada em uma única estrutura. Era o que o mercado ágil atual estava precisando.

2) Toda a metodologia é traduzida em uma única imagem

Na página oficial do SAFe, há um diagrama definido como The Big Picture, que aborda todos os fluxos, papéis e atividades, facilitando um entendimento “macro” do framework. Ao visualizar a The Big Picture pela primeira vez, por exemplo, já é possível observar que a metodologia propõe três níveis na escala organizacional: Portfolio (gerencial), Program (estratégico) e Team (operacional). Cada nível é responsável por um conjunto de funções e tarefas necessárias para a condução das funcionalidades a serem desenvolvidas em cada ciclo.

3) É free!

Pela sofisticação, alguém pode pensar que o SAFe exige uma “licença” para ser utilizado. Errado! Qualquer empresa pode estudar e implantar a metodologia sem custo algum. Todo o material de apoio (muito bem detalhado!) está disponível no site ScaledAgileFramework.com. A The Big Picture, assim como outros gráficos, também podem ser baixados gratuitamente.

4) Não exige meses ou anos de estudo para entendê-lo

A The Big Picture é totalmente interativa. Cada figura representa um link que leva à uma página com definições mais detalhadas sobre o conceito. Sendo assim, em 1 semana (ou até bem menos), é possível acessar todos os links e compreender plenamente o funcionamento do framework.

Além disso, o menu “Guidance”, na página principal, também apresenta um tutorial sobre a aplicação do Desenvolvimento Ágil em escala.

5) Incorpora métodos ágeis já consolidados no mercado

O SAFe unifica os conceitos das metodologias Scrum e XP e cria um termo literalmente definido como ScrumXP. Isso mesmo, tudo junto! Este “novo” termo engloba tanto os procedimentos do Scrum para gerenciamento de equipes, como as práticas do XP para a qualidade de código. O resultado dessa união também é representado em um gráfico bem interessante, disponível na página de downloads.

6) Dá boas-vindas a novos papéis, equipes e definições no contexto ágil

Já ouviu falar em um evento chamado Release Planning, onde todas os Agile Teams (equipes ágeis) se unem para discutir as funcionalidades que serão desenvolvidas no próximo PI (Program Increment)?

E no RTE (Release Train Engineer), papel responsável por conduzir as equipes de desenvolvimento durante um ART (Agile Release Train) e ministrar eventos como o I&A (Inspect & Adapt)? Conhece também o System Team, equipe alocada para homologar as user stories concluídas no ciclo DBT (Define/Build/Test) e apresentá-las no evento System Demo?

Estes e outros conceitos (como o ROAM, apresentado no artigo anterior) foram elaborados ou customizados para viabilizar o Desenvolvimento Ágil em escala. Quem já vem de outras metodologias ágeis, como o Scrum, se identificará bastante com este conteúdo “inédito”.

7) Quebra alguns paradigmas do Agile

No Scrum, sabemos que as user stories são desenvolvidas em uma Sprint e, ao seu término, um novo incremento do software é disponibilizado para o cliente, certo? No SAFe, este ciclo acontece de uma forma um pouco diferenciada: o incremento final do programa é entregue a cada 75 dias! Mas, calma, isso não significa que tudo é feito em uma única “super” Sprint. Na realidade, são 5 Sprints de 15 dias que, no SAFe, representam um “trem”, ou um Agile Release Train.

Esse time-box foi introduzido para facilitar a integração de vários times ágeis e permitir que o produto, com todas as implementações do ciclo, seja testado por uma equipe específica antes de ser disponibilizado para o cliente.

Antes que surjam as dúvidas, já aproveito para esclarecer que esse time-box pode ser ajustado conforme as negociações da empresa. Por exemplo, o ciclo pode ser estendido para 90 dias (3 meses) ou reduzido para 60 dias (2 meses). Vale citar também que a última Sprint de cada “trem”, chamada de Innovation and Planning, é exclusivamente utilizada para treinamentos, inovações e capacitações dos colaboradores como forma de melhoria contínua.

8) Permite a sustentabilidade da arquitetura

Na The Big Picture, pode-se notar que alguns itens dos backlogs estão em vermelho. Estes são chamados de itens arquiteturais, criados para refinar a arquitetura do projeto (através de refatorações, por exemplo), ou prepará-la para receber futuras funcionalidades de negócio. Por meio destes itens, é possível manter a sustentabilidade do projeto, evitando o código legado, módulos obsoletos e restrições técnicas.

9) Possui um grupo movimentado no LinkedIn

O framework já conta com um grupo de discussões no LinkedIn, composto por profissionais com um excelente background em Agile. Assim que me certifiquei como SAFe Practitioner, procurei entrar e participar do grupo para acompanhar as dúvidas, dicas e orientações, com o objetivo de aprimorar cada vez mais o meu know-how, não somente sobre o framework, como também em Desenvolvimento Ágil em geral. As discussões geralmente são muito produtivas e estimulam novos insights sobre questões comuns do Agile. Vários artigos publicados no blog foram baseados nessas discussões.

10) Oferece certificações

A Scaled Agile Academy atualmente promove 5 certificações em SAFe, descritas neste link. No entanto, cada certificação tem um custo, e todas exigem a participação de um treinamento ministrado por um consultor SAFe.
Ao meu ver, uma das maiores vantagens da certificação é adquirir um conhecimento sólido – e reconhecido – sobre escalabilidade ágil. Outra vantagem é que, ao estudar sobre SAFe, o profissional estará automaticamente assimilando os fundamentos do Agile, já que o framework não deixa de cumprir com o Manifesto Ágil.

11) Estimula novas ferramentas no mercado

O SAFe incentivou a criação de novas ferramentas no mercado para que as empresas tirem o máximo de proveito do framework. A IBM, por exemplo, oferece o RTC (Rational Team Concert), que proporciona um conjunto de recursos para a manipulação dos itens de cada backlog existente no SAFe (Epics, Features, User Stories, Tasks, Spikes, Defects), além de um controle eficiente das Sprints de cada incremento do software.

A VersionOne e a Rally, por sua vez, também oferecem soluções exclusivas para trabalhar com o SAFe.

12) Está em constante evolução

A instituição Scaled Agile é responsável por manter o SAFe atualizado, trabalhando em novas versões conforme feedbacks, críticas e melhorias são sugeridas por profissionais e usuários. Atualmente o SAFe se encontra na versão 3 e uma prévia da versão 4 já está disponível no blog do framework. De acordo com o que acompanhei em algumas discussões, a quarta versão traz a figura do cliente (customer) na The Big Picture em um novo nível definido como Value Stream (Fluxo de Valor), envolvendo o gerenciamento de releases.

Gostaram? :)

Não esqueçam de dedicar um tempo para navegar no site do SAFe. Garanto que vocês irão identificar outros benefícios não mencionados aqui.

Grande abraço, leitores!

Publicado originalmente em Blog André Celestino

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

André Luis Celestino

Mais artigos deste autor »

Desenvolvedor de software há 7 anos e autor do blog AndreCelestino.com. Graduado em Sistemas de Informação e pós-graduado em Engenharia e Arquitetura de Software com ênfase em Desenvolvimento Ágil. Atualmente trabalha como Analista Implementador Delphi em Florianópolis.


1 Comentários

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">