Procura-se meio milhão de profissionais de TI

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Empresa de Tecnologia da Informação procura profissional com ou sem experiência, formado ou estudante de cursos na área de TI para contratação imediata. Remuneração: a combinar. Benefícios: ambiente de trabalho moderno, flexibilidade de horários, possibilidade de aprendizado e participação em projetos que estão ajudando a transformar a sociedade.

Parece um anúncio de emprego ideal, não? Pra muita gente, uma vaga dessas é daquelas oportunidades únicas, que não se repetem e precisam ser agarradas imediatamente – e ainda será disputada por muitos concorrentes. Mas isso é só impressão.

Esse anúncio é fictício, mas poderia estar em qualquer lugar que ofereça vagas e dificilmente seria retirado pelo preenchimento dela. O motivo, surpreendente para a maioria dos profissionais de áreas distantes do mundo da tecnologia, seria a demanda por mão de obra com um perfil raro de se encontrar: o profissional ultraqualificado.

Para termos uma ideia do tamanho do buraco na lei da oferta e da procura no RH das empresas de TI, o estudo Network skills in Latin America, desenvolvido pela consultoria IDC a pedido da multinacional Cisco, mostra que até 2019, faltarão quase 450 mil profissionais para preencher postos de trabalho abertos na região. O problema atinge o Brasil, enquanto maior país do continente, que já apresentou déficit de trabalhadores na área em 2015: faltaram 195 mil pessoas capacitadas e empregadas em tempo integral.

Mas por que isso acontece?

Enquanto recrutadores, percebemos que a maior dificuldade para encontrar profissionais é a justamente a falta de qualificação.

No passado, para trabalhar com tecnologia era fundamental que o candidato a uma vaga tivesse bagagem acadêmica exclusivamente na área de TI. Hoje, há muitas opções que, por conta da evolução da sociedade e do mercado de trabalho, acabam convergindo ou dependendo da tecnologia, o que dá uma sensação equivocada de que isso é suficiente para ser contratado como um especialista no segmento.

É preciso compreender que as soluções avançaram muito e, apesar de as redes serem cada vez mais ubíquas – isto é, estarem invisíveis e onipresentes -, o conhecimento para ser um profissional desejado tem que ser mais profundo. É preciso reunir várias habilidades: bom relacionamento, comunicação, autonomia e criatividade são alguns deles.

Entender as mudanças que já estão acontecendo por meio da cloud computing, internet das coisas e big data também é fundamental. O mundo de hoje tem pouca semelhança com o de dez ou vinte anos atrás, mas a busca constante pelo conhecimento nunca fica desatualizada.

Qual sua opinião sobre o assunto? Concorda, discorda? Deixe seu comentário abaixo para complementar e enriquecer a discussão.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

12 Comentários

Marcelo Almeida
2

Olá Vandriani,

Ótimo artigo.
Que bom que alguém tocou nessa ferida.
A história diz que, para trabalhar com telefonia, os pioneiros funcionários de Graham Bell eram engenheiros! Para montar os telefones e trabalhar com as linhas telefônicas, era necessário ter graduação em engenharia!
Aí eu pergunto: E hoje? O que é necessário para trabalhar com telefonia?

Esses tempos estão voltando! Ontem, no data center que estou ajudando a montar, chegaram dois estudantes de engenharia, para instalar um simples arcon spilt de 10000BTUs… Um deles, inclusive, está terminando o curso!

Precisamos entender e acompanhar as mudanças, não só em nossa sociedade, no mundo mas também no mercado de trabalho!

Conforme salientou o Vandriani, o acesso à faculdade é fácil! Então, já virou default! Nos anos 70, muitos poucos conseguiam realizar esse sonho… E tinham emprego para toda a vida… Isso acabou! Mesmo com doutorado, se vc não consegue fazer marketing pessoal, não faz networking e não se atualiza, vc vai ficar obsoleto e esquecido!

Planejamento de carreira é feito muito tardiamente pelos profissionais brasileiros. Aqueles que começam cedo tem mais chance de sucesso! Precisa ser fiel ao próprio planejamento…

Vamos estudar, galera! O mercado precisa de gente qualificada! Vamos preencher essas vagas e melhorar nossa sociedade!

DanielDaniel
4

Sou Pós-graduado, em desenvolvimento de software, sempre estou estudando e me atualizando, melhorando cada vez mais para preencher umas dessas vagas que estão sempre pedindo profissional qualificado.

O que seria esse profissional qualificado ? é N certificações ?, N experiencia em diversas áreas , PHD em TI ?

Estou desempregado, fiz inúmeras entrevistas e provas(passo em algumas provas) para depois ser descartado, não receber nenhum feedback da empresa, mesmo ligando e cobrando uma resposta.

Na quarta-feira fiz uma entrevista aqui no RJ na empresa Lar Tecnologia, tivemos uma conversa técnica normal bem rápida , ele falou sobre a empresa, me perguntou minha pretensão salarial, sobre minha experiencia,etc .

Essa empresa me garantiu que iria me enviar um e-mail para está fazendo a prova, mas esse e-mail não chegou, perdi dinheiro de passagem, acordei cedo, cheguei 1 Hora adianto. Para depois ser sacaneado sem nenhuma resposta segue da empresa.

Para a vaga eu tinha conhecimento, mesmo não tendo muito experiencia, me esforço para atingir o objetivo, corro atrás,sempre sou honesto na entrevista . Desde que comecei a faculdade em 2011 venho tentando entrar para Desenvolvimento/TI e sempre levo porta fechada na cara, não me dão uma única oportunidade.

descrição da vaga :

Descrição: FORMAÇÃO ACADÊMICA:
• CURSO SUPERIOR NA ÁREA DE TI CURSANDO A PARTIR 3° PERÍODO
. CONHECIMENTOS:
– JAVA, SPRING , REST
– JQUERY
– SQL

DIFERENCIAL:
– ANDROID

Se eu pude-se processava cada empresa em que fiz entrevista.
Estou muito desanimado, estou me sentindo um inútil. A pessoa estuda, investe em seu futuro. Antes era melhor te parado de estudar e ter continuado no supermercado.

{ },s.

Roberson
5

Ótimo.
Concordo com que foi dito e em um dos comentários também. Faculdade hoje ficou default e com cursos fracos, não posso julgar todos os cursos de inúmeras instituições, pois só posso relatar aquilo que presenciei. Curso de especialização que esta quase finalizado creio que 95% foi um curso muito teórico e o mercado exige pratica, que você saiba.

Tenho acompanhado muitas vagas das quais me candidato, exigem inúmeras skills, certificação que não minha opinião também não aprova que o cara e um expert, pois só se fica realmente expert, atuando diariamente, aprendendo constantemente com os problemas que surgem. As vezes o cara é expert naquela determinada ferramenta ou área, mas se surge um outro problema e ele não tem a pratica ou a vivencia, não irá saber resolver determinado empecilho. Creio que cada qual, é um especialista em determinados campos ou área.

O que vejo também são, vagas querer que o profissional tenha uma gama de experiência. Umas exigências em algumas vagas que é absurda de se notar, e o salario R$ 1.800,00. Para mim isso é abuso do profissional e o mesmo acaba que aceitando por conta da situação atual. Só que, esse valor que não chega a ser fictício, muitas vezes só dá para você sustentar a casa com família e comer. Ou você come, ou estuda, a pontuação é, não dá para você pagar um curso de ótima qualidade ganhando salários que apenas é para você sobreviver.

Em minha situação atual, não estando desempregado, esta difícil encontrar uma boa proposta, ou você aceita o salário de 1800 ou fica sem emprego, com contas a pagar, aluguel. Enfim, aquelas despesas que todos brasileiros tem no fim do mês, contas e mais contas.

Alguém vem e diz, “ah mais hoje temos facilidade e inúmeras qualificações online” concordo, temos muitas que chega a ser tentador. Temos muitos treinamentos online, só que digo, não é a mesma coisa que o presencial. “Ah mas hoje temos o EAD” concordo, mas cada um tem uma forma de aprender, uns tem facilidade em estudar online e aprender adquirir uma gama de conhecimento, já outros não.

Eu mesmo sou um que insisto na minha qualificação mesmo sem poder financeiramente, tenho um english bem avançado, continuo estudando sozinho, lendo, assistindo séries em english com legenda em english, escutando radio etc. Também gostaria de poder aprender mais, apesar da idade e ser considerado velho pra começar aprender novas coisa, assim penso e muitas vezes você percebe isso em uma entrevista. Não só o english venho estudando, assim como quero obter minha certificação RHCSA enfim, muitas outra futuras que tenho em mente que ainda quero aprender, partindo para o lado Cloud Computing. Também tem o fator logística, onde resido atualmente, fica incapaz de se deslocar ao um centro de treinamento para realiza-lo de forma presencial, mas como já tenho em mente, para haver mudança de endereço (Cidade) isso não me impede.

Creio que falei demais, bem é isso. Gosto dos artigos publicados no PTI.

Take care!

Eduardo
7

O problema é que, muitas empresas de TI, pedem que o candidato tenha graduação, certificação disso, daquilo, especialização nisso, naquilo e experiência nisso e nisso, só que quando você olha para o salário oferecido, parece até piada, é uma ofensa e um desrespeito com o profissional que estudou, se formou, correu atrás, se especializou em “N” coisas, aí fica difícil né.
Tenho comprovado por experiência própria, se você é da área de TI, busque vagas em empresas que não são de TI, mas que são empresas que necessitam de profissionais de TI, fazendo um comparativo, verá que essas empresas pagam muito melhor ao profissional do que uma empresa de TI.
Uma outra coisa, o estudo é muito importante, a graduação é importante, no entanto, há casos e casos, sei de um cara que não tem graduação, no entanto fez muitos cursos na área e hoje, por conta de saber fazer na prática, é chefe de quem tem graduação,também sei de outro cara que não tem graduação, mas se especializou em Linux, conclusão, o cara trabalha em uma equipe que cuida de um portal conhecidíssimo de todos nós; e detalhe, ambos ganham muito bem, pois as empresas em que trabalham não são de TI, então, como eu disse, há casos e casos.

Cicero
8

É um prazer interagir…

Olha, é bem melhor fazer um curso técnico de eletricista, entrar em uma indústria qualquer, que vc será bem mais remunerado que a maioria dos profissionais de TI formados, com certificações e etc… Infelizmente, na esfera da TI, na maioria das vezes, esse investimento massivo, permanente e exaustivo em qualificação, não compensa. E para piorar, temos uma validade extremamente curta, ou seja, com 30(um pouco de exagero) anos, já é velho para TI, enquanto que, para certas áreas, a idade maior, mais valor. Outra, passamos e passaremos por infinitas metarmofoses e mudanças, e com ela, o medo de ficar obsoleto, enfim, TI, muito charme e beleza, porém, pouco reconhecimento, comparado ao investimento dispensado.

O meu objetivo em estudar é obter uma boa qualidade de vida e um dia, parar de estudar, e não ficar até o fim da vida estudando nessa proporção por pressão e medo de ficar obsoleto e desempregado.

Hoje, trabalhar para si mesmo, quando possível, é o melhor é mais atual conselho, quando se fala em satisfação e crescimento financeiro.

Luiz Lucena
9

Concordo com o colega Eduardo, empresas de TI são, no geral, consultorias ou seja, o Core Business delas é entregar o melhor serviço possível de TI ao cliente pelo menor custo possível. Logo, nessas empresas a tendência é que se ganhe pouco para muito conhecimento.

Portanto, acho que o Eduardo está certo ao afirmar que empresas não relacionadas ao TI pagam mais tendo em vista que ela não visa apenas o menor custo, ela está interessada na melhor qualidade, no melhor do profissional.

Sobre o que o artigo diz, a definição de “falta de qualificação” acho que é muito subjetiva. Quando o profissional tem todos os skills necessários, a empresa acha muito caro, não contrata porque exige um preço alto ou negocia o valor e o profissional acaba não aceitando (ou aceita para poder pagar as contas). Quando não tem os skills, a empresa fala que falta qualificação no mercado. Na minha opinião a relação Requisitos X Preço do profissional não está muito bem balanceada atualmente.

Elton Gouvea
10

Ok, precisa-se de pessoas formadas na área, mas o texto produzido por este cara é muito subjetivo, ele fala coisas genéricas que só confunde o leitor. Eu sou formado em administração e agora estudo T.I., como sou formado em Adm percebo que tem muitos profissionais como este ai da matéria que só enrolam, por isto cansei da profissão.

Leando Corrêa
11

Retirei o anuncio abaixo de um famoso site de empregos. Segue uma amostra do que está sendo exigindo.

Analista De Suporte Técnico – São José Dos Campos em São José dos Campos – SP
Anova Sistemas
A combinar. Período Integral. Efetivo – CLT
Sobre a vaga
Descrição
Área e especialização profissional: Informática, TI, Telecomunicações – Suporte Técnico
Nível hierárquico: Analista
Local de trabalho: São José dos Campos, SP
Horário de Seg. a Sex. das 08:00 ás 17:00hs
Conhecimentos Sólidos conhecimentos em Linguagem PL/SQL, Delphi, SGDBs Postgree, Interbase e MySQL, Sólidos conhecimentos em configuração e instalação em S.Os Windows 10 e Windows Server, geração de rotinas e scripts de backup, Sólidos conhecimentos em geradores de relatórios como Quick Report, CristalReports ou Ireport. Conhecimentos básicos em troca de registros com Bancos, produtos CNAB 400 e CNAB 240 nas modalidades cobrança.
Nível de escolaridade: Superior em Ciência da Computação, Análise ou desenvolvimento de Sistemas
Exigências
Escolaridade Mínima: Ensino Superior
Banco de dados: Caché, SQL Server, PostgreSQL, Oracle, Sybase, Informix, Firebird, DB2, Interbase
Programação: HTML, R, Python, PHP, MATLAB, jQuery, JavaScript, Java, Erlang, C++, Cuda extensions, CSS, COBOL, Ruby, C+, C#, C, ASP.Net, ASP, Dot Net, VB.Net
Benefícios adicionais
Vale-refeição, Vale-transporte

Henry Roges
12

O problema é simples a Empresa quer um cara ultra qualificado que investiu milhares de reais e alguns mil dólares em sua formação querendo pagar 2.500 por mês para esse cara.
Impressionante, posso mensurar aqui “N” vagas que eu vejo anunciadas em sites de recrutamento fazendo um milhão de exigências e a remuneração baixíssima.
Aí caímos num contra-ponto, como investir na carreira e na qualidade acadêmica com poucos recursos financeiros? Será que o RH já pensou nisso?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">