O que fazer quando a euforia da promoção termina e a realidade assusta?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Acredito que todos os profissionais desejam ter os seus esforços, talentos e resultados reconhecidos. E, como consequência, almejam uma promoção e aumento de salário.

Quem não ficaria feliz em ser reconhecido e promovido? Acho que todo mundo (pelo menos a grande maioria).

Entretanto, nem sempre a promoção vem acompanhada daquilo que se imaginava enquanto essa realidade era apenas um sonho.

carreira-trabalho-profissional-desanimado

De repente a pressão triplica, a jornada de trabalho se prolonga, a demanda por resultado cada vez melhor e em menos tempo se torna constante no escritório. E mediante esse cenário, a primeira pergunta que vem à mente é a seguinte: “Será que vai dar certo? Vou conseguir me manter nessa posição?” e pronto, o medo de perder o emprego se instala no inconsciente do profissional.

Para auxiliar na análise dessa situação, elenco algumas perguntas a serem refletidas por quem vive essa situação:

  • O que me fez chegar até aqui? Fui eu quem buscou por esta posição ou me colocaram nela?
  • Eu tenho os requisitos (habilidades e competências) inerentes a este cargo?
  • Durante toda a minha carreira já passei por outra situação de cobrança e pressão como agora? Se sim, consegui superar?
  • Eu quero continuar nessa posição?
  • O que eu ganho continuando na posição em que estou? O que eu deixo de ganhar? O que eu perco?
  • Tenho orgulho de mim por ter chegado até aqui?
  • Onde exatamente eu gostaria de estar nesse momento (nessa posição ou em outra)?
  • O que está causando esse desconforto em mim: medo, ansiedade, curiosidade, falta de domínio da situação, as pessoas, o trabalho em si ou outro aspecto da minha vida?
  • Me sinto feliz nessa posição? Se não, em qual posição eu me sentiria feliz?

É bem provável que você não consiga responder de prontidão tais questões e isso é proposital. Às vezes precisamos nos distanciar do problema para que possamos observar através de um olhar mais imparcial e racional aquilo que está nos tirando a paz. Portanto, antes de responder a esses questionamentos distancie-se de suas emoções, da sua crítica excessiva e das opiniões de pessoas que não agregam em nada.

Para ajudá-lo, imagine que está ouvindo a história de um amigo pessoal, e, avalie através desta perspectiva (de terceira pessoa).

No final, veja o que recomendaria a esse amigo e decida sobre o rumo certo a seguir em sua carreira.

Boa sorte. Sucesso!!!

Se tiver dúvidas e quiser conversar, escreva para mim, será muito bom trocar experiências e poder lhe ajudar.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Carolina Souza

Mais artigos deste autor »

Especialista em Gestão de Carreira Empresarial, em Gerenciamento de Projetos [PMP] e Engenharia de Requisitos [CPRE-FL] com 14 anos de vivência no mundo corporativo, atua como consultora, palestrante e mentora nas áreas de gestão, liderança, processos operacionais e desempenho de equipes. Colunista de revista e site especializados em TI.


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">