E se os “menino(a)s da informática” resolvessem parar?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Com todo o respeito à classe dos caminhoneiros que, durante os últimos 8 dias de paralisação mostraram o quão frágil é nossa estrutura governamental e de logística e o quão forte e importante é a categoria, tenho que confessar que isso me provocou certos devaneios e trouxe à tona uma outra questão:

E se nós, profissionais de TI, ou “menino(a)s da informática”, resolvêssemos parar?

A ideia é simples, mas, como tudo em nossa área, segue um algoritmo lógico. Não faríamos bloqueios em vias públicas, não sairíamos às ruas com cartazes e caras pintadas, entoando palavras de ordem, não bateríamos panelas e nem vandalizaríamos nenhum estabelecimento público ou privado, apenas ficaríamos em casa, no aconchego de nossas camas e, o mais importante, com os telefones e computadores desligados. 

greve-carreira-informatica-profissional

Como? Meu algoritmo talvez tenha bugs, por isso, conclamo a todos um crowdsourcing.

1º Dia:

O Suporte Técnico não estaria lá para trocar computador de lugar, substituir um monitor ou mouse com defeito, fazer ou restaurar um backup, atualizar antivírus, instalar um programa “essencial”. Wi-fi lenta? Vai ler um livro!  Desatolar papel ou trocar o tonner da impressora, ajudar aquele usuário que, apesar de trabalhar com o Word há 10 anos, não sabe formatar um texto, corrigir o problema do celular daquele cara que acha que manja tudo e baixou um app novo que viu no Facebook e agora tá travando ou que formatou seu computador pessoal e agora quer o “crack” do Windows ou do Office.  Essas são situações que só o valente guerreiro que está na linha de frente conhece. Pronto, 40% das estações de trabalho das empresas e particulares absolutamente inutilizadas.

2º Dia:

A “Informática” já toma evidência e começa a fazer parte das rodas de conversa no cafezinho. Agora é a vez dos bravos Analistas de Sistemas e Gestores de Banco de Dados, deixando de lado os roolbacks de documentos ou informação inserida indevidamente no sistema. Sabe aquele botãozinho que o usuário quer tanto que se coloque em uma tela? E daí? E aquele acesso privilegiado que o Diretor insiste que sua estagiária tenha, nem pensar. Sem contar aquela dúvida que vem à tona pela milésima vez sobre em qual campo inserir determinada informação ou aquele prazo vital para entregar determinada parte do projeto, ficou pra depois.  Pronto, mais 30% dos postos de trabalho e 70% dos projetos totalmente parados.

3º Dia: 

A cereja do bolo, o estabelecimento do Caos e uma provável Guerra Civil, tem como protagonista os Administradores de Redes. Sim, aquele que muita gente nem sabe que existe e para que serve. Esses sim terão que levantar de suas camas, caminhar, ainda de pijamas até o seu notebook, acessar remotamente seus servidores e apenas digitar um comando: Shutdown -s now!

Haverá combustível nas bombas, remédios nos hospitais, comida nas prateleiras dos mercados, merenda nas escolas, mas…..  

Deixo a cargo de cada um dos profissionais estabelecerem o tamanho do caos proporcionado que, aliás, nem será noticiado pelas TVs, pois, afinal, sem computadores, redes e internet, como veicularão qualquer tipo de informação? Ah, e não adianta nada mandarem o Exército atrás de nós, pois, afinal, estamos quietos em nossas casas, dormindo com as luzes apagadas por que o setor elétrico não funciona sem computador, apenas isso.

Quanto às reivindicações, além das básicas como melhores condições salariais e de trabalho, reconhecimento da nossa atividade como vital para o funcionamento de um mundo altamente automatizado, etc, poderíamos pedir o que desejarmos:

  • uma máquina de café só nossa;
  • o direito de mandar para onde quisermos aqueles que nos chamam de “garotos da informática”,;
  • folgas no final de semana;
  • o direito de ir a um churrasco de família sem sermos molestados por perguntas idiotas;
  • dentre outras várias.

Sim, realmente todas as categorias tem seu valor e sua importância na grande máquina que é a sociedade e que, quando uma engrenagem para, toda a máquina sente. Mas, certamente, no mundo de hoje a chave de on-off para essa engrenagem rodar são os “meninos da informática“.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Anderson Maggio

Mais artigos deste autor »

Graduado em Sistemas da Informação, com diversos cursos de extensão e mais de 25 anos de experiência profissional em Tecnologia da Informação e Comunicação, certificado Ethical Hacker, ITIL v3, ambos pela EXIN, ISO 9001 pela WeyExcel, PMBok pelo PMI e CCNA Cisco. Desenvolvedor web Full Stack, Gestor de diversos projetos de implantação de Softwares. Gestor/Coordenador de departamentos de TIC de diversas empresas. Perito Forense Digital no Ministério Público da União e Ethical Hacker em diversas empresas como consultor autônomo. Professor de Cursos Técnicos e Palestrante. Autor de um livro publicado pela Ed. Ciência Moderna e de diversos artigos publicados na web.


26 Comentários

Felipe
1

Eu tive um professor que era um veemente defensor do “Shutdown Day” em que todos os administradores de bancos, sistemas e redes do Brasil alterariam as senhas e desligariam todos os servidores da nação….

Eliton Maymone
2

Excelente reflexão. Só uma dúvida, como unir uma classe vital como a nossa e juntos lutarmos por um cenário melhor?

Thomaz
5

Falta união da categoria. Mercado é prostituído. Profissionais TI se vendem facilmente por um melhor salário e se alguém oferecesse grana, seria fácil comprar um time inteiro… Só perdem para os políticos em matéria de propina, seguidos pelos policiais rodoviários federais e fiscais da receita…

Só vejo uma solução: envolver o Anonymous…

;)

cleyton santos
6

Achei irônico seu texto.
Se pessoal da Ti parar o Brasil para também.
Sefaz, tj, tse, dentre outros órgãos se tornariam o caos. Sem falar os bancos, isso não acontece pois a classe mais desunida, mesquinha e ordinárias somos nós TI.

Gabriel P. Martins
7

Texto excelente, apoio a causa, e acredito que já deveríamos ter iniciado a nossa paralização, quem sabe não sejamos os próximos, depois dos petroleiros ou até mesmo junto com eles.

Djonathas Cardoso
8

Quer um caos ainda maior? Pede para todos os DBA’s dar um DROP DATABASE em tudo ao mesmo tempo, ai sim você vai ver voltarmos pra idade da pedra…

Fabio
9

Texto interessante porem ainda tem uma area de TI que faria muito pior e criaria uma guerra civil e pararia brasil no ato,seriamos nos da area de telecomunicações em resumo INTERNET.Seria muito engraçado ficar um dia sem ,pra ver o caos se instalando em poucas horas.

Arlindo Schumann
11

Sem voos, sem bancos, sem máquinas de cartão de crédito. O caos seria bem maior e em menos tempo. Em três dias tudo para.

Felipe Pardim
12

Excelente texto. Reflete com clareza o que aconteceria se os profissionais de TI parassem. Só fazendo uma correção o comando correto para desligar o servidor é shutdown -h now.

randal machado
13

Tem dois pontos ai que são de extrema importância:
-Ninguém substitui um caminhoneiro parado, pelo simples motivo que comprar um caminhão e se dispor a trabalhar nele não é para todos, é caríssimo.
– Toda a classe que envolve de algum jeito trabalhos em computador, é completamente desunida, se os funcionários de uma empresa aderissem a suposta greve, a empresa contratariam no dia seguinte temporários para resolver qualquer problema, e provavelmente por salário menor… a realidade é essa!

Andrey G SantosAndrey G Santos
14

Excelente texto! A ideia de parar não precisa ir tão longe. Somos pessoas lógicas então sabemos onde vai doer mais. Basta mirar a parada no fechamento do mês e o recado será muito bem dado, concordam?
Profissional de TI é como um médico de plantão. Isso pelo simples fato de que o mundo precisa de TI 24h por dia, assim como o ser humano precisa das suas funções vitais 24h por dia. Qualquer outra área pode ter um final de semana ou feriado completamente em paz.
As reivindicações poderiam ser diversas mas poderíamos começar por uma tributação mais justa, que tal? Acabei de escrever sobre isso aqui no PTI
https://www.profissionaisti.com.br/2018/05/ti-super-tributada-nao-ha-muito-o-que-entender-apenas-a-pagar/

Sinceramente, eu concordo com um dia de protesto do pessoal de TI. Estamos nos bastidores cuidando para que o mundo não pare. Bolsa de Valores sem TI? Aeroportos sem TI? Transportes sem TI? Receita Federal sem TI? Judiciário sem TI? TV, rádio e internet sem TI? Trânsito sem TI? Polícia sem TI? Bancos sem TI?

Não precisaríamos chegar em 11 dias de paralisação. Acredito que 1 dia de amostra seria um recado e no segundo dia passaríamos a ser um pouco mais respeitados.

Parabéns pela sacada!

Norbs
15

Discordo. Sou de TI e acredito que a analogia com a paralisação (com s, por favor…) é inadequada.

Primeiro porque TI é muito mais automatizada.
Segundo porque todo mundo “dá um jeito” na formatação do texto, na rede, no wifi, enfim em qquer parte de ti.

Sim, iria perturbar, sem dúvida. Mas daí ao caos… Hummm… Exagero.

Edilson Rubert
16

O filme Duro de Matar 4.0 dá uma ideia do caos que seria criado com uma queima total! Hoje em dia todo mundo está conectado, quando você fica sem eletricidade em casa já é um problema, imagine se parar tudo!

Jonas
17

Particularmente e a cada greve dos caminhoneiros esta impressão é reforçada, não considero a categoria deles tão unida assim, pois na verdade é uma pequena parcela que toma a frente de parar e obriga a todos os outros. Ou seja, nada diferente da nossa ou de qualquer outra categoria. Se os caminhoneiros fossem realmente unidos não estariam se matando com os valores dos fretes.

Marcelo Akira
18

Apesar de alguns afirmarem que somos desunidos, não somos. Somos Honestos, Honrados, Corretos e Amamos o que fazemos, além disso, pensamos no próximo. Tudo bem, posso falar por mim, mas eu acredito que meus amigos, colegas, alunos e tantos outros são assim. É absurdo uma sugestão como essa, mesmo que em ironia. Há muitas outras forma de se manifestar, protestar, requerer, pedir, enfim, somos exatos…. e não há sentido algum em prejudicar a si próprio, quanto mais a outras pessoas.

Otávio
19

Gostei bastante do texto, principalmente do modo cômico como foi escrito!
O que me entristece, é ler comentários falando sobre desunião da classe etc.

Tenho algumas considerações a respeito:

1º) o marcado de TI é tão amplo, que, estamos beirando 1/4 do século 21 e ainda não temos órgãos regulamentadores, leis coesas e sindicatos sérios a quem possamos recorrer, ou que representem de fato cada uma das “sub-áreas (infraestrutura/suporte, desenvolvimento, negócios em TI, banco de dados, redes, projetos em TI etc)” da TI.

2º) quando o colega diz que o mercado é “prostituto”, fico imaginando como ele paga suas contas… com ideologia? Não só em TI, mas como em qualquer outra área, as empresas que pagam bem, fazem investimentos em qualificação e tem uma boa política de meritocracia, detém os melhores profissionais. E se aceitar melhores propostas visando crescer intelectualmente e por consequência profissionalmente, a ponto de estar em uma dessas empresas é ser “prostituto”, acabo de descobrir que além da classe de profissionais de TI, também pertenço a classe de uma das profissões mais antigas do mundo!

3º) atuo na área de TI a cerca de 12 anos, no início de minha carreira não tínhamos internet boa como temos hoje, não tínhamos ferramentas de comunicação robustas como temos hoje, não tínhamos a facilidade de nos relacionar com colegas de trabalho como temos hoje… Mas aonde quero chegar com isso? Bom, acredito que a desunião existe somente para àqueles que não se movem para que isto não aconteça. Existem hoje vários grupos de estudos e relacionamentos formados por estudantes e profissionais que buscam interagir, trocar ideias, informações e bos práticas de um modo geral, seja a partir de encontros, dojos, palestras ou até mesmo, em encontros informais em botecos tomando um bom chope!

Então amigos, talvez eu tenha colocado lenha na fogueira, mas uma coisa é fato, e com certeza consenso entre todos nós, cada profissional de TI, seja ele àquele que formata o computador do diretor (que estava cheio de vírus pegos e sites pornô), ou aquele que já amadureceu a ponto de queimar os neurônios pensando em melhores soluções para o ramo de negócio em que atua, tem seu devido valor e importância!

Alex
20

Acabo de me tornar um leitor assíduo desse portal. Meus parabéns pela visão e desenvoltura no texto. Realmente, se houvesse uma paralisação de nós “meninos da informática”, certamente seria um gigantesco problema para todos, mesmo para aqueles que acreditam que não dependem do TI para trabalhar. Não sei nem se precisariam dos 3 dias, acredito que no primeiro Shutdown resolveria, já que a maioria dos( se não todos) usuários não sabem sequer onde fica o botão Power de um servidor.

Reinaldo Padua
23

Otávio, TI precisa de muita coisa, menos de órgãos regulamentadores, esse pessoal só sabe sugar o pouco que produzimos, limitar a atuação da profissão e fazer reserva de mercado. Não sou anarcocapitalista, mas na minha opinião, a lei do mercado (oferta e procura) já atende nossa área muito bem.

Fabio Garcia de Carvalho
24

Caros (as). Boa Noite.

Gostaria de dizer que faço parte de um grupo de WhatsApp e quando fizeram essa mesma pergunta, quando da greve dos caminhoneiros, eu fiz um comentário que, de tão aterrador, não teve resposta. No meu comentário eu fui EXTREMAMENTE CONSERVADOR e disse que o país PARA em 12 horas!

Se os profissionais de TI REALMENTE SE UNIREM E DEIXAREM a TI sem administração/suporte, TODOS os sistemas, VÃO FALHAR. Os principais de imediato e os em cascata, vão falhar na troca do turno.

Sem o nosso trabalho: Telecomunicação PARA! Bancos PARAM! Órgãos públicos PARAM! Serviços de SEGURANÇA PÚBLICA/EMERGÊNCIAS MÉDICAS/FORÇAS ARMADAS/BOMBEIROS, TODOS PARAM!

Imaginem a seguinte situação: Greve de TI e 100% dos profissionais, desunidos, da nossa classe aderem! Quem vai manter os RADARES e sistemas anexos?
Quem vai manter o Backbone de Telecom On-line?
Quem vai garantir os servidores que validam as transações bancárias?

Quem vai manter todos os serviços que mencionei acima, online?

Não meus amigos, me corrigindo: O país PARA em até 8 horas da decretação da greve!

Isso só não acontece, por que nós não exercitamos os nossos músculos. Nós nos deixamos ser empurrados com muita facilidade e também, COM CERTEZA, por sabermos do estrago que podemos causar.

O que infelizmente, me parece que vai precisar acontecer é uma pequena demonstração para que a sociedade REALMENTE ENTENDA o quão dependente dos nossos serviços eles se tornaram.

Por favor, não estou aqui defendendo uma greve ou algo do gênero, mas seria bom alguns IMBECÍS que estão no comando do pais ENTENDAM DE UMA VEZ QUE: Quem manda aqui, SOMOS NÓS, O POVO!

MARCIO
25

Tá aí. O pessoal está muito convicto que nós somos os nerds que resolvem todos os problemas,e que a gente tem que se contentar em aceitar as pressões, salários incompatíveis com a função e aguentar a zoeira dos usuários quando algo dá errado, e ainda ter que fazer cara de feliz.
Igualmente ao caminhoneiros, uma greve dos profissionais de TI iria parar essa carroça de país em segundos. Não somos categoria de serviços essenciais, mas temos que trabalhar como se fôssemos. Que beleza… Temos sim, é que organizar essa categoria e para termos força e requerermos nossos direitos quando necessário.

Geilson
26

Shutdown -s now….
Uruuuhhh… comentei isso já semana da greve dos caminhoneiros com alguns colegas de área… hhahahahah.
Vamos nessa….

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">