Diferença e relação entre o Gerenciamento de Programas e Gerenciamento de Projetos

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Antes de tratar da diferença e a relação, é importante conhecer o conceito e objetivo de cada um deles para posteriormente tratar deste relacionamento.

Para falar sobre os significados, é impossível não recorrer ao PMBOK (Project Management Body of Knowledge), referência em gestão de projetos e a Axelos para Prince2 (Gestão de Projetos) e MSP (Gestão de Programa).

O PMBOK, guia elaborado pelo PMI (Project Management Institute), trata projeto como um “esforço temporário empreendido para criar um novo produto, serviço ou resultado exclusivo”. Um projeto tem, entre outras características:

  • Trabalho com prazos predefinidos, com início e fim (Temporariedade);
  • Entrega de produtos ou serviços exclusivos (Exclusividade);
  • Incerteza;
  • Mudança;
  • Geralmente envolve uma equipe multidisciplinar;
  • Relacionado ao nível operacional ao negócio da organização;

O ciclo de vida de um projeto se divide em 5 grandes grupos de processos:

  1. Iniciação: O objetivo fundamental dessa fase é identificar as partes interessadas, justificar um projeto e formalizar o gerente de projetos e dar ao mesmo autoridade dentro do projeto.
  2. Planejamento: Nesta fase é onde se realiza todo o planejamento do projeto, quais processos e áreas de conhecimento serão usadas para gerenciar o projeto.
  3. Execução: Nesta fase é onde de fato começa o trabalho do time do projeto, gerando as entregas e onde o time é mobilizado. Também é onde ocorre os conflitos.
  4. Monitoramento e Controle: Ocorre paralelamente com a execução e o foco deste grupo de processo é verificar a saúde do projeto fornecendo informações para que o gerente do projeto possa tomar as medidas necessárias. Neste grupo é onde o comitê de controle de mudança toma as decisões com relação as solicitações de mudanças realizadas no projeto
  5. Encerramento: Objetivo é encerrar o projeto formalmente, independente do seu sucesso ou não e coletar as informações para base de conhecimento como lições aprendidas.

Um Programa é definido como um grupo de projetos relacionados e gerenciados de modo coordenado para a obtenção de benefícios estratégicos e controle que não estariam disponíveis se eles fossem gerenciados individualmente. Um projeto pode ou não fazer parte de um programa, mas um programa sempre terá projetos. Um programa está relacionado ao nível tático ao negócio da organização.

Um Programa está voltado para a entrega de um benefício, pois trata-se da definição e formalização dos benefícios esperados de um programa, inclui benefícios tangíveis e intangíveis. O gerenciamento de benefícios inicia-se logo no começo do ciclo de vida do programa, a partir da elaboração de um Plano de Realização de Benefícios.

O ciclo de vida de um programa se divide em 5 fases:

  1. Set-up Pré-Programa: O objetivo fundamental dessa fase é instituir uma fundação firme de suporte e aprovação para o programa.
  2. Set-up do Programa: Nesta fase é dada seqüência ao processo de desenvolvimento das fundações do programa a partir da geração de um “roadmap” detalhado que irá direcionar o gerenciamento do programa e definir as suas entregas.
  3. Estabelecimento do Programa e Infra-estrutura Técnica: Nesta fase é determinada a infraestrutura que irá apoiar o programa e projetos associados
  4. Entrega de Benefícios Incrementais: Fase que absorver a maior parte do trabalho a ser realizado no programa. Uma atividade importante a ser desempenhada nessa fase é procurar garantir que atividades comuns e dependências entre projetos e outros programas no portfólio são coordenadas.
  5. Encerramento do Programa: O objetivo dessa fase é promover o encerramento controlado do programa. Devem ser desenvolvidas atividades que levem ao fechamento do programa, com liberação dos recursos e estrutura utilizados, assim como a transição de resultados do programa para outros grupos da organização.

 A grande relação entre projetos e programas é que o programa se relaciona ao benefício e os projetos são mensurados com relação ao impacto no benefício. Gostou? Então faça meu curso preparatório PMP/CAPM do PMI no Site Campus. 

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Flávio Costa

Mais artigos deste autor »

Gerente de projetos de T.I com mais de 15 anos de experiência desde desenvolvimento de software, gestão de portfólios, programas e projetos, formação de equipes de auto desempenho. Possuo as principais certificações internacionais como especialista em gestão de projetos: PMP e PMI-ACP pelo PMI (Project Management Institute), Prince2 Practitioner, Prince2 Agile Practitioner e MoP - Management of Portfólio pela Axelos (Abordagem britânica) entre outras certificações em Scrum Master e Product Owner (PSM e PSPO) além de ser oficialmente um PRINCE2® Accredited Trainer (Professor autorizado a ministrar curso de Prince2 Practitioner).

Gerenciou grandes projetos e programas de implantação de sistemas nos segmentos de comércio, varejo, engenharia, segurança pública e informações geográficas sempre com foco no relacionamento interpessoal, gestão de mudança com alto valor estratégico. Sempre engajado e comprometido em construir e liderar equipes para atingir as metas corporativas, entregar valores e benefícios a organização e clientes.

Atualmente é: Gerente de Projetos na Hexagon, Professor em gestão de projetos pelo Site Campus e colunista nos portais Projetos e TI e Profissionais TI.


1 Comentários

Valdirene Mendes do Amaral
1

Flávio, muito esclarecedor seu artigo… Você indicaria algum livro(s) sobre gerenciamento de projetos com foco em PMI? … É para um trabalho de conclusão de curso!

Obrigada pela ajuda,
Valdirene Mendes do Amaral

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">