Aplicando o Evernote na Preparação para Concursos Públicos

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Caros Alunos,

Hoje vou falar sobre a Aplicação do Evernote na preparação para Concursos Públicos. Para tanto, permitam-me descrever um pouco da minha história com essa ferramenta…

Não vou lembrar precisamente o dia em que tive o primeiro contato com o Evernote, tampouco vou lembrar por qual canal tomei conhecimento dele. Consultei a minha base mais antiga e ela é do primeiro semestre de 2007! Quanto ao canal, eu apostaria na revista infoexame, da qual eu era assinante à época.

evernote-logo-wide-estudos-organizacao

Naquele tempo, o Evernote não passava de um aplicativo “standalone” (não sincronizava a base na nuvem) e era zero social. Todavia, mesmo com todas as limitações, não pude deixar de notar nele um imenso potencial. Ora, por meio de um simples “WIN+A”, o usuário conseguia capturar notas a partir de (praticamente) qualquer aplicativo do computador para uma base centralizada, e já com tudo referenciado: arquivo de origem, data, hora, etc. Além disso, você poderia atribuir tags (nessa época ainda não existia o conceito de “Book”), o qual aceleravam ainda mais a busca que a ferramenta já oferecia.

Confesso que sempre o utilizei segundo os diversos papéis que desempenhei na vida, mas, sem sombra de dúvida, foi nos concursos que centrei meu foco desde o início. Assim, o Evernote aos poucos foi se tornando a minha principal ferramenta de estudos, na medida em que oferecia uma interface única de aprendizado. Explico: em vez de ter que me preocupar em pesquisar (sempre) nas mais diversas fontes, eu já contava com tudo (que interessava) na minha base centralizada, e o arremate se dava por meio das buscas praticamente instantânea. Exemplo: Precisava revisar ITIL para um certame da banca CESPE? Ora, eu apenas fazia uma pesquisa na minha base com esses termos-chave, e depois era só ir revisando as notas oferecidas. Simples?

É claro que no começo você não tem muitas notas, e as consultas praticamente não retornam nada. Só que com o tempo elas passam a jorrar “ouro” nos seus olhos. Para vocês terem uma ideia, hoje minha base está composta por em torno de 18.000 notas, cuja maciça maioria é sobre concursos, mais especificamente sobre as disciplinas que ministro: redes de computadores, gerenciamento de segurança da informação, gerenciamento de projetos, discursivas e Licitações e Contratos de TI.  Dado o tamanho e a aferição constante da minha base, costumo brincar em sala de aula de chamar o Evernote de “Oráculo”, já que ele responde praticamente tudo que “pergunto”.

Recentemente, passei a guardar também na ferramenta anotações sobre o meu processo de orientação a Concurseiros de TI.

Bom, não vou me delongar explicando cada funcionalidade do Evernote, por não ser escopo desse artigo. Para isso, você pode consultar direto o link : evernote.com/evernote/#

Terminada a história, vou ser bem objetivo e apenas contar como faço para organizar meu conhecimento sobre concursos usando o Evernote.

Seguem as dicas:

  • Guardo como notas no Evernote trechos teóricos e questões comentadas;
  • As minhas fontes são as mais diversas: livros, Sites de Artigos, fóruns, listas de discussão, Sites de Questões, etc;
  • O grande lance é apenas armazenar aquilo que é essencial, nem mais (prolixidade), nem menos (negligência);
  • No caso de questões, armazeno apenas as melhores respostas coletadas nas fontes, e, quando a questão é polêmica, documentos as correntes divergentes sobre o assunto;
  • Armazeno apenas uma questão por nota, sempre! É como se fosse a “ficha” da questão;
  • Como comentário, uso tudo que é preciso para o perfeito entendimento da questão: texto (padrão), figuras, fotos, mapas mentais, anotações cursivas, e tudo mais que a ferramenta permitir. Até hoje eu não usei os recursos de áudio;
  • Criei um caderno para Questões e outro para Teoria. Detalhe que alguns questões CERTAS são tão boas que acabo salvando seus enunciados como teoria também;
  • Claro que tenho outros cadernos, mas são para outras áreas da minha vida: Financeiro, Trabalho; Projetos Pessoais, Família, etc;
  • Ao capturar uma questão, não me preocupo muito com o título, aceitando o automático proposta pela ferramenta. Se você “firular” demais, vai perder tempo ao invés de poupar;
  • Critérios como banca, ano, órgão, disciplina, etc, coloco-os como tags. É só lembrar que uma questão pode pedir vários conceitos simultaneamente, e essa interseção não seria possível se você usasse “Books” para esse propósito;
  • Há pouco tempo passei a criptografar os comentários com uma senha padrão (ex. “teste”). Note que a ideia não é de segurança, mas apenas para tirar da vista imediata os comentários, de modo que seu cérebro tenha algum tempo para refletir sobre o assunto antes de ver a resposta;
  • Você pode também setar uma data para revisar novamente aquela questão por meio do recurso lembrete. É claro que isso é um gambiarra para simular a funcionalidade de revisão nativa ao anki;
  • E, como já falado, agora guardo também os “prontuários” dos meus orientados para Concurso;
  • Se eu for lembrando ou descobrindo mais dicas, vou postá-la na sequência aqui nesse mesmo post!

Vocês devem ter notado que estas dicas não são específicas para Concursos Públicos, mas servem também para qualquer exame, ou seja, elas teriam aplicação imediata na preparação para vestibulares, certificações, etc.

Vocês devem ter notado que não tem nada de muito complexo, é só questão de organização. Agora, é testar as dicas e confirmar se elas ajudam ou não, ok?

De modo a facilitar a prática, segue uma pequena amostra pública de como é a minha base: www.evernote.com/pub/cafarnaum/amostrapblica

Então é isso! Já conhecia o Evernote? Conhece outro aplicativo semelhante? Tem alguma outra dica? Compartilhe conosco nos comentários deste post! 

Bons Estudos!

P.S.: Não adianta ficar pedindo para eu compartilhar a minha base…

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

3 Comentários

AvatarPaolla
1

Como é essa funcionalidade “WIN+A”?
Explica pra mim isso “O grande lance é apenas armazenar aquilo que é essencial…”
porém depois você diz: “Como comentário, uso tudo que é preciso para o perfeito entendimento da questão: texto (padrão), figuras, fotos, mapas mentais, anotações cursivas, e tudo mais que a ferramenta permitir. Até hoje eu não usei os recursos de áudio;”
Fiquei na dúvida se o “essencial” seria o que está escrito no comentário ou a questão em si.

Walter CunhaWalter Cunha Autor do Post
2

Oi, Paolla!
O “WIN+A” era o atalho para jogar qualquer texto selecionado na tela do computador direto no evernote. Acho que nem funciona mais.
O essencial é o enunciado E o comentário da questão, e neste você deve colocar o que apenas o necessário e suficiente para elucidar a questão.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">