Criptomoedas: o que o futuro nos reserva?

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

O surgimento da criptomoeda não é tão recente como muitos pensam. Apesar de só ter “estourado” após 2015, com a chegada do Bitcoin, em meados de 1998 surgiu um sistema de pagamento eletrônico chamado de Bit Gold, desenvolvido por Nick Szabo. Essa solução se baseava em uma moeda eletrônica com dados computadorizados e publicados de forma criptográfica. 

Do embrionário Bit Gold para cá, são mais de 20 anos, e o mercado de criptomoedas – e financeiro, em geral – se desenvolveu exponencialmente, em vários sentidos, no mundo inteiro.

Hoje, existem inúmeras criptomoedas circulando na web. A principal delas é o Bitcoin, seguida, de perto, por outras como Bitcoin Cash; Ethereum; Ripple e Litecoin. A cada dia surgem novas criptomoedas e, com elas, as especulações de altos lucros.

Bitcoin-Money

O que é e para que serve a criptomoeda

A resposta mais prática sobre o que é criptomoeda é: dinheiro virtual. Entretanto, ela vai muito além disso. As criptomoedas contam com vários mecanismos de segurança fundamentados em criptografia: são códigos que garantem transações, em geral, seguras. Não vou me alongar no conceito, mas você pode dar uma googlada para saber mais ;)

Portanto, a criptomoeda consiste em um código virtual que se converte em valores reais, por meio de negociação pela Internet, sem intermediários, sistema monetário legalizado e sem se submeter a qualquer instituição financeira, como o Banco Central do Brasil (BACEN). Ela é comprada diretamente de uma pessoa ou empresa que a tenha, ou de um emissor.

E como a criptomoeda funciona?

Cotação, venda e compra de criptomoedas ocorrem na Internet e de modo anônimo. As criptomoedas são guardadas em carteiras, gerenciadas em um computador ou em um aparelho móvel.

O segredo da tecnologia da criptomoeda é o “protocolo de confiança” – blockchain. Dessa forma, há registros e informações compartilhadas com descentralização e medidas de segurança.

O que é Blockchain

Blockchain consiste em uma lista contínua de registros ou blocos protegidos por criptografia. O processo não é exatamente simples e envolve hashs que interligam blocos, data, hora e informações da negociação.

Trata-se de um livro aberto que mostra as moedas digitais que foram transacionadas e os dados das operações. É um sistema descentralizado e não exige um servidor. Assim, nenhuma instituição financeira ou lugar físico são utilizados para negociar ou resgatar criptomoedas, tudo ocorre em ambiente digital. 

E como conseguir produzir criptomoeda, então?

Com a chamada mineração. Existem milhares de computadores especialmente designados a essa tarefa, visto que ela exige alto desempenho da máquina.

Para negociar criptomoedas, você deve criar uma conta em uma empresa de negociação de moedas digitais. É um procedimento grátis, e basta informar quantos reais ou moedas virtuais você quer comprar ou vender.

Assim, a transação de criptomoeda é direta e prática, tendo as criptos a mesma função do dinheiro em espécie: negociações de venda e compra.

Hoje em dia, muitas grandes empresas aceitam pagamento em criptomoedas, especialmente em Bitcoin.

O futuro do mercado de criptomoedas

Muito vem sendo especulado sobre o futuro da criptomoeda no mercado. Alguns a consideram uma onda ilusória, uma bolha, como o famoso caso da Bolha das Tulipas, que ocorreu no século XVII, na Holanda. Na ocasião, os primeiros ganharam muito dinheiro e todos os outros apenas ganharam tulipas entulhadas, sem quase nenhum valor.

Entretanto, apesar da decaída do mercado de criptomoedas nos últimos 2 anos, inúmeros especialistas apostam que elas vieram para ficar. O Bitcoin, por exemplo, líder das moedas digitais e uma das precursoras desse tipo de dinheiro, chega a cotações recordes. Ela é a “estrela” dentre as criptomoedas, a mais célebre e mais transacionada, porém, outras moedas digitais vem se destacando nos últimos tempos. 

Portanto, os criptoativos são formas de investimento que continuam sacudindo o mercado financeiro, apesar dos riscos e das grandes oscilações. 

Além disso, a tecnologia das criptomoedas, especialmente do Bitcoin, continua se desenvolvendo. Satélites já transmitem a rede de Bitcoin para o planeta inteiro e de forma gratuita, por exemplo.

Bitcoin e suas perspectivas

Desde sua criação, a Bitcoin ainda domina o mercado de criptomoedas. É a mais promissora e aquela na qual mais se tem investido em termos de tecnologia.

Segundo a Bloomberg, empresa de tecnologia e dados voltada para o mercado financeiro, recentemente o Bitcoin ultrapassou 11 mil dólares e vem renovando sua participação no mercado. Ou seja, conseguiu recuperar metade do valor antes do “estouro da bolha” da criptomoeda em 2018.

O que muitos especialistas da área financeira comentam é que vem sendo crescente o interesse em blockchain e no mercado de criptomoedas. Para termos um exemplo disso, uma nova criptomoeda será lançada pelo Facebook, a chamada Libra, em parceria com a Uber Technologies, Visa e outras empresas. 

No entanto, as frequentes oscilações das criptomoedas tendem a continuar, ao passo que os governos têm se preocupado com a segurança e legitimidade das moedas digitais. 

Cenário e transformações

As criptomoedas ainda representam um mercado incipiente e cheio de incertezas mas, para muitos, representa um potencial revolucionário na Era Digital. Avanços têm ocorrido em todo o mundo. 

No Brasil, a Comissão de Valores Imobiliários (CVM), recentemente autorizou fundos brasileiros a comprar participação de fundos exteriores que sejam compostos, totalmente ou em parte, por criptomoedas. Por outro lado, a Receita Federal realizou uma audiência pública para tratar sobre os procedimentos das organizações que empregam criptoativos em relação às tributações.

Há desconfiança: ainda não é um mercado regulamentado e bolhas, pirâmides, fraudes na Internet e operações de lavagem de dinheiro rondam o universo do dinheiro via blockchain. Além disso, há preconceito por desconhecimento – “criptomoeda não é uma moeda verdadeira” – pelo fato de a criptomoeda não possuir lastro.

Seja como for, uma coisa é certa: independentemente do futuro do mercado de moedas digitais, a criptomoeda mudou e vem mudando o modo como as pessoas veem o dinheiro e o utilizam. É apenas uma das faces do mundo digital em que vivemos, em que as tecnologias se multiplicam continuamente.

O que vemos é um cenário claro de que as transações financeiras cada vez mais tendem a migrar para sistemas totalmente eletrônicos e mais protegidos, aperfeiçoados de forma contínua.

Não existem formas de saber, exatamente, o que vai ocorrer, mas especulações e investimentos não faltam no mercado de criptomoedas.

E você, o que acha das criptomoedas? Já investiu neste mercado? Deixe seu comentário ou sua dúvida abaixo! :)

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Dennis Ventapane

Mais artigos deste autor »

Profissional de Biofísica com foco em Bioinformática, passou 5 anos trabalhando na pesquisa biomédica. Mas, após isso, descobriu sua paixão: o Marketing Digital. Dennis Já tem 2 anos de experiência com Marketing de Conteúdo, SEO, Inbound Marketing, Copywriting e escrita criativa. Promete escrever os melhores conteúdos que você já viu na vida, sempre com muita proximidade.


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">