Criatividade Brasileira: Rede social promete unir vizinhos de uma forma bem inteligente

A criatividade brasileira é reconhecida no mundo inteiro e quando imaginamos que não existem mais formas de diferenciar criativamente e usualmente, uma rede social entra então em cena: o Cromaz (beta).

Mas afinal de contas o que faz essa rede social que a torna tão diferente?

Primeiro gostaria de informar que não tenho nada a ganhar fazendo menção a esse projeto, não conheço ninguém de lá e tão pouco tenho ligação com eles, mas faço questão de mostrar aqui essa nova proposta em redes sociais porque é uma idéia brasileira e eu amo a criatividade brasileira, e por isso apóio esse tipo de iniciativa.

A Cromaz vem com a proposta de unir vizinhos de uma forma bem inteligente. Simplesmente comparando atividades e gostos de pessoas da mesma rua, quarteirão, bairro e ai por diante. Talvez um basta naquelas relações com pessoas de outro estado que você nunca viu e simplesmente adicionou por adicionar e na verdade nem sequer comunica-se. Com o Cromaz, além do contato virtual, ele impulsiona o usuário a ter uma relação pessoal saudável no dia-a-dia, por exemplo: se eu tenho um vizinho no fim da rua que gosta de Tecnologia, porém nunca nos falamos, simplesmente passamos todos os dias um pelo outro e sequer percebemos que poderíamos ter uma amizade compatível e uma troca de informações de tecnologia bem interessante, com o Cromaz será fácil encontrar pessoas com o mesmo interesse e o melhor, pessoas que moram perto de mim! Isso fará que a vida social fora da rede seja eficaz e saudável – pelo menos essa é a proposta que creio que o Cromaz traz.

Tem gente que vai levar em consideração as possibilidades de encontrar o sexo oposto e aumentar suas chances de sucesso, outros procurar as possibilidades de negócio, outros para simplesmente completar o time de futebol do bairro e ai por diante, mas o que importa é que a proposta de unir as pessoas não somente virtualmente tenha sucesso, estamos precisando melhorar nossos relacionamentos além da web. Hoje nascemos sabendo nos relacionar na Internet e perdemos o melhor do ser humano – o contato real.

Aproveite e use da melhor forma possível. Na verdade como trabalho com Marketing Digital eu percebi aqui uma enorme possibilidade de captura de intenções para determinados segmentos do mercado, mas isso fica para outro dia – o melhor é cada um encontrar uma forma útil de utilizar essa ferramenta genuína criada por brasileiros.

Parabéns equipe Cromaz.

www.cromaz.com

Luiz Castro Junior

Mais artigos deste autor »

Diretor da Alpis Consultoria.
Consultor Certificado 8 Ps - Marketing Digital, Planejamento Estratégico digital, Gestor de Projetos.

5 Comentários

Reginaldo
1

Sei lá, precisa ver isso ai, o tiro pode sair pela culatra. Em vez de aproximar pelos interesses comuns, pode criar mais rivalidade pelos interesses conflitantes. Exemplos: descobrir que a pessoa torce para o time rival do seu ou que apoia o político que você odeia ou que é de uma religião que não gosta da sua religião (ou da falta dela)… e por ai vai…
Tô exagerando? Reflitão!*

*é, eu sei.

Luiz Castro Jr
2

Sim, você tem toda razão em zelar pela segurança dos usuários já que temos o exemplos Orkut e Facebook que já tiveram problemas… Ainda mais se tratando de algo que informara localizações, portanto como comentei, não tenho contato com ninguém do Cromaz, porém creio que de alguma forma eles também devem ter pensado nisso e devem ter uma solução para amenizar, já que esses casos não podem ser evitados totalmente, sempre vai ter alguem de má índole nas redes sociais querendo se aproveitar.. Mais creio que de alguma forma a versão Beta está sendo usada para melhorar o aspecto de segurança.

Gladstone
3

Tenho Orkut , MSN, FACEBOOK, BADOO, YOUTUBE, QUEPASA, e outros, até agora não tive nenhum problema, nem com eles e nem com usuários.agora mesmo me inscrevi na CROMAZ, so ainda não chegou a resposta se estou inscrito, mais gostei da proposta deles quando vi o comentário na TV.

Roney Alves
4

A rede social deve servir para colaboração e não competição, mas este conceito ainda esta muito fraco no brasil. No meio corporativo a sempre uma armadilha ou alguém querendo puxar pra traz , e lhe dar com isto não nada fácil, mexe com a vida e o cotidiano das pessoas sem falar na resistência na propia tecnologia.
como provar para todos que isto dever servir a seu favor?

Luiz Castro Jr
5

Ola Roney,

O sentido está correto “servir para colaboração e não competição”… Mas se levarmos para o lado comercial não tem como não ter a sensação de competição, não é mesmo?

Eu costumo dizer que se você não quer ter dificuldades torne-se eficaz em ciências exatas, ou seja, que não há relação direta com humanos, cálculos, por exemplo. Porém, se alguém quiser se aventurar em um ambiente de ciência humana, ou seja, completamente variável, que implica no clima, no ambiente, no momento, enfim, são tantos os fatores que nunca se sabe o resultado, esse alguém tem que ter certeza que é capaz de lidar com essas variações…

Talvez seja isso que me anima a estar nessa área, o processo de nunca saber ao certo o que vai acontecer – isso não quer dizer que não precise de planejamento, pelo contrário, ao invés de você ter 1 plano de ação, você precisa de 3 planos de ação.

1 – Comum, aquele que você que atingir o resultado.
2 – O plano negativo, aquele que você tentou atingir seus resultados porém algo saiu errado por causa das ferramentas e tecnologias.
3 – O plano Negativo-Social, aquele que lhe direciona se alguém for contrário ao seu objetivo final, por exemplo, uma conversa negativa, um cliente reclamando, qualquer coisa do tipo…

Não existe afirmar nada em Social Media, também sempre digo aos meus clientes que não existe realmente um especialista na área, e não existe mesmo, é uma área nova, em avaliação – uma área experimental… Só existe especialista real quando chegamos ao ponto de termo 30 ou 40 anos de um mercado completamente ativo onde diversos testes independentes de tecnologia foram aplicados e já se tem um traçado a percorrer, algo completamente direcional… Por isso, creio que no máximo que se consegue hoje são dicas e não soluções. Outra coisa que cuido e muito é em questão de ler somente textos que não são de ”gurus” tentando ‘chutar’ um futuro, pois na verdade, da mesma forma que não temos especialistas, não temos como prever algo que não é ciência exata, quer um exemplo bem bobo, porém válido?

Facebook no Brasil era motivo de Elite, começam a migrar do Orkut para o Facebook também outras classes sociais, junto a eles, de todas as classes sociais, os que fizeram o famoso termo Orkutização, ou seja, sujaram o Facebook no Brasil – Não tem nada com classes sociais, tem com educação e intelectualidade. Chegamos a receber o título mundial de praga da Internet, onde entramos somos responsáveis por grande parte do lixo incluído.

Nessa realidade muitos tentaram combater e excluem pessoas do seu circulo social da web, era uma realidade que todos acostumamos no Orkut e ninguém pensava que pudesse mudar… Por fim, aconteceu de que um pequeno movimento social tornar-se forte, começaram a publicar pessoas desaparecidas, crimes a ponto de provocar o ministério público para intervir, postar situações complexas sociais, enfim, começou um movimento em prol de um resultado positivo – algo realmente social… Quem diria que de praga passaríamos a revolucionários???

Mesmo assim, agora tem quem se levanta contra para dizer que rede social não é para isso, então para o que é? Postar piadas? Denegrir a imagem alheia? Enviar vírus?

São os momentos de ordem e desordem social mostrados dentro de uma rede popular na web, isso prova que não se pode ter controle total quando se trata de ser humano… O que se pode fazer é planejar a ponto de ter todas as possibilidade cobertas por esse plano, assim podendo aplicar mais efetivamente em prol de um resultado.

Abraço.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!


7 × um =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>