Inovação: a chave do crescimento

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Nos últimos meses, uma das grandes discussões que tem ganhado força refere-se aos crescentes indícios de um novo processo de desindustrialização no Brasil. Dois fatores são apontados por economistas e especialistas dos mais diferentes segmentos como os principais impulsionadores deste movimento: o dólar desvalorizado e o alto custo de produção.

Com a taxa de câmbio oscilando na casa de R$ 1,60, concorrer com produtos importados acaba tornando-se algo questionável.  O cenário atual do empresário brasileiro conta ainda com a forte carga tributária, juros altos e elevadíssimos custos internos, como logística, energia etc. Diante de tantos pontos negativos, torna-se muito mais vantajoso para as indústrias arcar com os impostos sobre importação e trazer produtos e equipamentos produzidos em outros países.

Os chamados segmentos de média-alta e alta tecnologia são os que mais sofrem com todo este cenário, uma vez que precisam e dependem de inovações.  Como representantes do setor de Tecnologia da Informação, estamos atentos a este processo e trabalhando principalmente em alternativas para desoneração o setor.

Investir em pesquisa e desenvolvimento é a chave para que possamos ter uma indústria forte e competitiva.  Mesmo em momentos difíceis como o atual, buscar manter os projetos voltados para a inovação é a única alternativa para que, no futuro, a nossa indústria não fique novamente ultrapassada e em uma corrida interminável para tentar manter certa competitividade.  Somente com P&D conseguiremos criar, desenvolver e produzir produtos e serviços realmente inovadores e competitivos. No mundo globalizado, as empresas de TI que não inovam acabam condenadas a prestar serviços, cuja demanda foi gerada pelas inovações produzidas por outras empresas. Enquanto analisamos e assistimos um novo processo de desindustrialização interna, acompanhando o forte avanço tecnológico em outros países, com incentivos à pesquisa e à produção local. Precisamos reverter este processo. E há medidas possíveis!

Há alguns anos existem inclusive programas de subsídio à inovação, seja em nível nacional, ou mesmo em cooperação internacional. Esta última tem a vantagem de gerar produtos que já nascem prontos para mais de um mercado.

Em 2005, por exemplo, para incentivar a produção e o desenvolvimento da indústria de hardware no Brasil, o governo promoveu um verdadeiro processo de desoneração.  A chamada MP do Bem, que foi prorrogada até 2014, isenta muitos produtos de informática de impostos como PIS e Cofins. Com isso, computadores, impressoras, roteadores e outros produtos de informática tiveram o seu processo produtivo barateado e incentivaram a inclusão digital.

Em um momento delicado como este, no qual a desindustrialização começa a assumir um caráter iminente, outros segmentos precisam de medidas semelhantes. Não necessariamente com a redução de impostos como PIS e Cofins, mas ações que contribuam para desonerar a produção e incentivar o investimento em pesquisa e desenvolvimento.

Para as empresas de TI, uma boa alternativa é buscar os programas de subsídio à inovação, sejam nacionais ou internacionais. Internamente, há os recursos disponíveis em instituições como o Finep. Já no mercado externo, é possível aproveitar as iniciativas de cooperação para pesquisa e desenvolvimento, como as chamadas “Plataformas Tecnológicas”. Esta metodologia determina a formação de um grupo de líderes para cada plataforma, grupos de trabalho temáticos, encontros regulares entre todos os participantes, entre várias outras atividades. Neste contexto, podemos ressaltar a Plataforma Tecnológica Ibero-Brasileira (que visa projetos de inovação entre empresas brasileiras e espanholas) e a BraFIP (Brazilian Future Internet Platform) (focada em projetos entre empresas, institutos de pesquisa e universidades brasileiras, em conjunto com instituições equivalentes de qualquer país da União Européia).

Os projetos de Inovação das nossas empresas são a garantia de um futuro mais competitivo e promissor.  É preciso mantê-los e buscar apoio para conseguirmos superar estes períodos mais delicados para a nossa indústria.

*Marcos Sakamoto é presidente da Assespro-SP

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Profissionais TI

Mais artigos deste autor »

Eventos, cursos, livros, certificações, empregos, notícias e muito mais do mundo da TI (Tecnologia da Informação).


1 Comentários

EDSON VICTOR
1

Com esta taxa de câmbio oscilando, com tributos muitos altos, esta ameaça de desindustrialização das empresas Brasileiras, vc não acha que o governo não deveria ter tomado medidas mais contudentes?

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">