Níveis profissionais Júnior, Pleno e Sênior na Carreira de Programador

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Você certamente já deve ter recebido oportunidades de vagas do tipo: “Procura-se programador PHP Júnior”, “Desenvolvedor Sênior” ou “Vaga para programador Pleno”, certo? 

Bem, como acontece em toda área de atuação, em programação também há diferenças de níveis de profissionais normalmente classificados em Júnior, Pleno e Sênior.

Neste artigo tentarei expor uma visão pessoal sobre estes níveis.

Imagem via Shutterstock

Imagem via Shutterstock

Júnior, Pleno e Sênior

Antes de falar sobre minha visão sobre este níveis, devemos nos lembrar que eles são utilizados no mercado há bastante tempo e que, independentemente do que acreditamos, existe uma certa lógica nisso tudo, além de representarem um “modelo padrão” a ser seguido por grande parte das empresas hoje em dia.

Com uma rápida pesquisa na internet você encontrará diversos artigos exemplificando qual é a diferença entre cada nível de profissional. Todos falam praticamente a mesma coisa, classificando os profissionais em cada um dos níveis de acordo com suas qualificações, tempo de experiência e postura profissional. Dentre os que encontrei em minha pesquisa o que mais gostei foi o artigo da Oficina da Net “Qual a diferença entre os cargos júnior, pleno, sênior, master e especialista“. O artigo vai além do falado aqui e explica também os níveis master e especialista. Eu recomendo a leitura deste artigo e aproveito para reproduzir aqui uma tabela com os níveis que retirei de lá.

Classificação “padrão”

Nível Tempo de experiência Formação Responsabilidades
Trainee 2 a 2 anos e meio Recém-graduado Tarefas de pequena ou média complexidade em área(s) específica(s). Elabora projetos (sob supervisão)
Junior (JR) até 5 anos Recém-graduado Funções de procedimentos simples ou que não exigem profundo conhecimento em um ramo de atuação
Pleno (PL) 6 a 9 anos Pós-graduado Atividades específicas, que exigem profundo conhecimento. Toma decisões endossadas por um superior.
Sênior (SR) a partir de 10 anos Pós-graduado + Gestor Toma decisões. Age de forma autônoma, com base no conhecimento e experiências adquiridos ao longo da carreira. Gere pessoas e projetos.
Master 15 anos ou mais Pós-graduado + Gestor + Certificações Atua fora do processo de supervisão ou por demandas. Gere projetos / negócios. Possui autonomia plena.

Tabela retirada de Oficina da Net

Se nos atentarmos a esta tabela perceberemos que há uma relação entre tempo de experiência e formação para cada um dos níveis apresentados. É claro que aqui não é um padrão de relação entre os dados e seus níveis, cada empresa pode ter suas características específicas para cada nível e os dados aqui apresentados são mais uma média do que um valor obrigatório. Mas, ainda olhando para a tabela te pergunto: Em desenvolvimento de sistemas, você acha que a tabela atende?

O que eu penso

É claro que não sou um especialista em recursos humanos e também tenho pouco tempo de atuação no mercado de trabalho para afirmar determinados comportamentos, mas ainda assim percebo na área de desenvolvimento de sistemas uma situação que foge à estrutura apresentada na tabela acima.

O que eu vejo acontecendo por aí é uma relação inversa entre formação e tempo de experiência. Sem ser uma verdade absoluta, mas frequentemente encontrada, vejo vagas de sênior ocupadas por profissionais recém formados e com algumas certificações, vagas de júnior ocupadas por profissionais experientes, porém, sem uma formação e até estagiários responsáveis por atividades além de sua capacitação atual.

Não sei dizer o motivo pelo qual isso acontece. Talvez seja um fator relacionado com a falta regulamentação da área. Analisando o que tem ocorrido por aí, eu reafirmo a posição de algumas empresas em aplicar testes verbais e práticos independentemente do tempo de experiência ou da formação de um profissional. Dessa forma, sim, é possível classificá-lo em júnior, pleno e sênior. Salvo em situações que a própria vaga exija alguns itens específicos.

Qual sua opinião acerca deste assunto? Deixe seu comentário abaixo!

* Texto originalmente publicado em Fernando Bagno.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

8 Comentários

Felipe
1

Bom eu trabalhei no UOL durante um tempo e lá tinha muitos programadores sem formação acadêmica formal porém com um conhecimento esplendido inclusive alguns na época eram palestrantes em grandes eventos, Já trabalhei em empresas também onde tinham profissionais com excelente formação acadêmica porem conhecimento prático limitadíssimo ou seja falavam muita teoria mas na hora prática nem tudo acontecia como a teoria mandava.
Como foi dito vai de acordo com a experiência do profissional ,vamos supor que teu ramo de atuação seja por exemplo saúde você para um hospital será considerado um programador Master já em uma empresa de contabilidade um Pleno uma vez que compreender algumas das regras de negócios ajudam na tomada de decisão.
Não considero a questão de formação um item determinante, apenas um pequeno diferencial limitado uma vez que a formação somente ajuda o cara a chegar mais rápido do ponto A ao ponto B considero o conhecimento prático (experiência) muito mais eficaz e relevante.

Fernando Bagno Autor do Post
2

Olá Felipe, tranquilo?

É exatamente esta questão que pontuei neste trecho do texto: “[…] vejo vagas de sênior ocupadas por profissionais recém formados e com algumas certificações, vagas de júnior ocupadas por profissionais experientes, porém, sem uma formação e até estagiários responsáveis por atividades além de sua capacitação atual. […]”

Também considero a experiência profissional por vezes mais importante do que a formação acadêmica – também afirmo no texto isso quando falo sobre a aplicação de testes -, é por isso mesmo que fico um tanto quanto pensativo sobre tudo isso a todo instante. O que me fez escrever este artigo.

João Victor
3

Concordo que a experiência é o ponto determinante para o bom Desenvolvedor, porém acho que hoje em dia é essencial um ensino superior. Já vi muitas vezes pessoas falando e até já usei a seguinte frase: Faculdade só serve para diploma, experiência que te faz um bom profissional. Temos que concordar em partes, pois pelo fato de em uma graduação você conhecer diversas áreas, pode-se fazer com que você não seja apenas um desenvolvedor, você poderá conhecer várias áreas de atuação ( análise de requisitos, infra, BD etc… ). Dito isto, não quero falar que um Desenvolvedor tenha que conhecer isso, até porque sua principal função é programar, porém um cara que pelo menos conhece o básico de cada uma dessas áreas citadas, poderá se sair melhor que uma pessoa que apenas desenvolve ( lembrando que toda regra há uma exceção, é claro). Não acho que há um certo ou um errado, mas não me assusta que hoje pessoas com ensino superior, mesmo que menos experiente, tenham cargos melhores que pessoas que não optaram por fazer graduação e não são reconhecidos pela sua experiência.

Fernando Bagno Autor do Post
4

Olá João, tranquilo por ai? Concordo com sua visão, há os dois lados da moeda. E concordo também que um programador deva conhecer outras áreas, afinal, ele é programador, mesmo sua função ser “apenas” programar, é necessário conhecer o que estará programando e de que forma, então vale a pena sim ter conhecimentos – mesmo que básicos – de outras áreas.

Forte abraço!

Bruno
5

Eu tenho 13 anos de experiência em redes, sei que não é a área citada aqui, não tenho faculdade, pós-graduação, tecnólogo e nem nada disso, ao logo da minha carreira adquiri experiência que pode me colocar na posição que estou hoje como Administrador de Redes Sênior de uma empresa com mais de 2mil funcionários. Tenho certificações, que na verdade só tirei para incluir no currículo, porque todos sabem que certificação não prova que você sabe, só prova que você estudou para uma prova.
Concordo com os testes que algumas empresas aplicam nas entrevistas, concordo plenamente, já trabalhei com profissionais que tinham faculdade, pós e várias certificações e mesmo depois disso tudo, um conhecimento muito restrito.

flavio
6

Boa noite.
Gostei do artigo.

Só um detalhe. na sua apresentação( fim do artigo) está escrito
“Brasileiro, brasiliense, casado, pai, programador, ‘AMANDE’ de psicologia e, recententemente, de literatura também.”
Como está no rodapé do artigo, provavelmente vai se repetir sempre em todos os artigos

Fernando Bagno Autor do Post
7

Exatamente Bruno. Essa é a ideia. Se conseguirmos mesclar as duas situações, ensino superior e testes práticos, acho que chegaremos a melhores resultados. Obrigado por seu relato.

PS.: Flávio, obrigado pela atenção. Já corrigi.

Abraços!

Lucas Pivetta Mendes
8

Olá Pessoal!
Eu acho que uma graduação é mt importante pra pessoa que busca ter realmente conhecimentos específicos na área de ti, mas não adianta a pessoa ser graduada em ti só pra ter um certificado e na prática n demonstrar nada. Prefiro um Tecnico dedicado do que um graduado que só tem um mero certificado.
Abraçoo.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">