Limitação do consumo de internet banda larga fixa e o impacto para as empresas

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Para entender a atual polêmica sobre o uso limitado das franquias de banda larga fixa, é necessário retornarmos ao ano de 2014, época em que foi aprovado o Marco Civil da Internet, tido como uma grande conquista para todos os brasileiros.

Ele é bem claro sobre a questão do uso da rede: todas as pessoas e empresas podem utilizar a internet para qualquer finalidade.

Segundo o Marco Civil, a única situação que é possível a interrupção do serviço é a falta de pagamento. Esse é o ponto que as operadoras estão usando como brecha legal para reduzir a velocidade da internet ou cancelar o serviço após ser excedido o limite de tráfego mensal previamente estabelecido, o qual consta na maioria dos contratos de adesão, muitas vezes sem destaque e com letras miúdas.

Imagem via Shutterstock

Imagem via Shutterstock

Atualmente no Brasil, o serviço de internet é cobrado de acordo com a velocidade de navegação contratada, sem considerar o consumo de tráfego. Já o sistema que limita a quantidade de dados baixados, ou seja, que fixa uma franquia, já funciona na internet móvel, dos celulares. Ao reduzir a velocidade de acesso após o esgotamento da franquia, as operadoras alegam que não estão cortando o serviço.

O uso de franquia de tráfego é previsto na regulamentação, mas só pode ser praticado dentro de determinadas regras, segundo a Anatel, que são:

  1. disponibilizar página na internet de acesso reservado ao consumidor;
  2. fornecer ferramenta de acompanhamento de consumo;
  3. informar ao consumidor que sua franquia se aproxima do limite contratado;

Nesse empasse, algumas entidades defendem a possibilidade de limitação do tráfego de internet e outras, como o Procon e OAB, consideram que essa limitação inflige o Código de Direito do Consumidor. Devido a grande repercussão e debate acerca do tema, a Anatel publicou uma liminar proibindo as operadoras de limitar a banda larga de seus clientes pelos próximos 90 dias, até que cumpra uma série de determinações.

Ou seja, a polêmica vai longe e estaremos atentos aos desdobramentos. Mas, como uma das melhores práticas de gestão nas empresas é o planejamento, resolvemos auxiliar os gestores a avaliar qual será o impacto da limitação do tráfego de internet nas empresas. Vejamos alguns pontos de impacto que devem ser avaliados e considerados na sua empresa:

Controle e monitoramento do acesso a internet

Todos sabemos que é comum os colaboradores acessarem as redes sociais, e-mail pessoal, visitar sites de entretenimento ou compras, ver vídeos ou ouvir rádio durante o trabalho. Esses sites costumam ser pesados e podem consumir uma parcela significativa da internet na sua empresa.

As empresas que já utilizam algum mecanismo de gerenciamento do acesso a internet, que permitem restringir o que pode ser acessado pelos colaboradores, terão de priorizar e otimizar esse monitoramento, avaliando quais sites ou serviços mais consomem tráfego da internet, quais sites são prioridade para as atividades corporativas, quais não devem ser acessados e quais os usuários ou equipamentos estão consumindo mais recursos. Esse acompanhamento deve ser constante e servir como base para melhorias contínuas na política de acesso a internet na empresa, visando sempre otimizar o uso dos recursos em atividades relevantes ao negócio e evitar o desperdício de internet e recursos.

Já as empresas que não possuem nenhum gerenciamento no uso da internet, terão de implementar alguma solução. O ideal é buscar soluções modernas que facilitem esse gerenciamento, tendo o melhor custo benefício para a empresa. Existem no mercado muitas alternativas para o controle do aceso a internet, desde soluções complexas de firewall/proxy, que exigem alto investimento e envolvimento técnico, soluções de appliance, como Dell SonicWall, Fortinet FortiGate, Websense e inúmeras outras, até soluções em nuvem, que são mais acessíveis e modernas, como o Lumiun Tecnologia, que é de fácil implementação/gerenciamento e valor mais acessível.

Impacto no desempenho de sistemas e atividades

Envio e recebimento de e-mail, sistemas em nuvem, ERPs, atendimento via internet, videoconferências, etc. Todos esses recursos e sistemas fazem parte do cotidiano das empresas, utilizam a internet e dependem de uma rede de alta velocidade para o seu funcionamento, além de serem prioridade em relação a outros serviços.

Em um cenário com limitação do tráfego de internet e possível redução da velocidade, as empresas precisam priorizar os recursos relevantes ao negócio, evitando queda no desempenho desses sistemas e por consequência redução da produtividade.

Por exemplo, é possível que boa parte do tráfego esteja sendo consumido por colaboradores assistindo vídeos ou ouvindo rádio na internet, enquanto sistemas prioritários sofrem limitação e reduzem seu desempenho. Imagine ter sua velocidade reduzida de 20 Mbps para 2 Mbps em um escritório com 10 colaboradores. É necessário evitar esse tipo de situação na sua empresa.

Produtividade da equipe e educação dos colaboradores

Nesse contexto, a internet impacta de duas formas na produtividade da equipe: primeiro em relação ao desperdício de tempo na internet e segundo, no caso de redução da velocidade de internet, o impacto no desempenho das atividades, com sistemas mais lentos e por consequência redução na produtividade.

Portanto, é necessário educar os colaboradores quanto ao uso da internet, para que utilizem a rede de forma consciente, priorizando serviços relacionados às suas atividades corporativas e evitando download de arquivos pesados, acesso a sites de vídeos ou rádios ou outros serviços que consomem muito tráfego.

Menos competitividade e queda nos resultados

Sabemos que um dos principais fatores que contribuem na competitividade de uma empresa, é o uso estratégico e inteligente da tecnologia. Com internet mais lenta, sistemas com desempenho limitado, equipe desperdiçando tempo ou ociosa, com certeza os gestores verão uma queda na qualidade dos serviços ou produtos, com isso clientes ficarão cada vez menos satisfeitos e naturalmente os resultados da empresa irão ser prejudicados.

Usar a tecnologia de forma consciente consiste em otimizar e priorizar recursos, no caso da internet não é diferente. Portanto, você gestor de equipe ou de TI na sua empresa, não deixe de buscar continuamente evitar o desperdício de recursos e melhorar o uso de internet e da tecnologia.

Compartilhe conosco o que sua empresa faz ou pretende fazer para melhorar o uso da rede e evitar suspensão ou redução da velocidade da internet, no caso de essas restrições serem implementadas pelas operadoras e provedores.

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Cledison Fritzen

Mais artigos deste autor »

Formado em Sistemas de Informação, com experiência em desenvolvimento de sistemas e gestão de TI. MBA em Marketing e Vendas pela FGV e diretor de marketing e vendas no Lumiun Tecnologia.


1 Comentários

Gustavo K. De Rocco
1

Uma alternativa seria fugir das empresas (que fornecem internet) que controlam o limite de banda.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">