O que é governança de TI?

Olá pessoal!

Estive vasculhando alguns sites referentes a Governança de TI e encontrei um artigo, no qual transcrevo abaixo, bem interessante no itweb.

O assunto Governança de TI estará cada vez mais em evidência, já que a TI é cada vez mais importante para o negócio das organizações, além disso, com a crise rondando, e empresas “maqueando” números, irá aumentar o número de corporações que terão que se adequar a normas nacionais e internacionais se quiserem continuar no mundo dos negócios.

Leia o artigo abaixo.

Esta é uma questão que muitos CIOs estão fazendo. Isto ocorre devido à diversidade de ferramentas e conceitos que são “despejados” no mercado, gerando dúvidas e definições incorretas sobre o tema.

Os grandes equívocos que ocorrem freqüentemente são de definição, onde se conceitua a Governança de TI (GTI) como um painel de indicadores, ou como um processo de gestão de portfólio dos projetos estratégicos.

Existem algumas frentes defensoras do conceito de que com a implementação de alguns processos baseados em apenas uma das melhores práticas (como Balanced Scoredcards (BSC), CobiT, ou ITIL) por si só, garantem a Governança, entretanto este conceito está incorreto.

A premissa mais importante da Governança de TI é o alinhamento entre as diretrizes e objetivos estratégicas da organização com as ações de TI. A definição do ilustre professor da FGV Sr. João R. Peres demonstra este conceito de forma abrangente, atribuindo os papéis e as responsabilidades conforme abaixo:

“Governança de TI é um conjunto de práticas, padrões e relacionamentos estruturados, assumidos por executivos, gestores, técnicos e usuários de TI de uma organização, com a finalidade de garantir controles efetivos, ampliar os processos de segurança, minimizar os riscos, ampliar o desempenho, otimizar a aplicação de recursos, reduzir os custos, suportar as melhores decisões e conseqüentemente alinhar TI aos negócios.”

Está definição deixa clara a importância da Governança de TI em organizações que almejam atender a crescente demanda por aumento de qualidade de produtos e processos, a alta competitividade do mercado globalizado e a busca por menores custos e maiores lucros.

Outra definição que se encaixa em Governança de TI é de considerá-la como “a Gestão da Gestão”, demonstrando seu papel principal que é de auxiliar o CIO (Governante de TI) a avaliar os rumos a serem tomados para o alcance dos objetivos da organização, onde um direcionamento errado pode levar a empresa ao fracasso em pouco tempo.

Casos de sucesso de um programa de Governança aplicados a uma organização não dão a garantia do mesmo sucesso à outra. Estes casos são muito instrutivos e importantes para auxiliar nos caminhos da elaboração de um programa próprio.

A implementação efetiva da Governança de TI só é possível com o desenvolvimento de um framework (modelo) organizacional específico. Para tanto, devem ser utilizadas, em conjunto, as melhores práticas existentes como o BSC, PMBok, CobiT, ITIL, CMMI e ISO 17.799, de onde devem ser extraídos os pontos que atinjam os objetivos do programa de Governança. Além disso, é imprescindível levar em conta os aspectos culturais e estruturais da empresa, devido à mudança dos paradigmas existentes.

O grande desafio do Governante de TI é o de transformar os processos em “engrenagens” que funcionem de forma sincronizada a ponto de demonstrar que a TI não é apenas uma área de suporte ao negócio e sim parte fundamental da estratégia das organizações.

O Autor
Carlos Augusto da Costa Carvalho é formado em Processamento de Dados, com pós-graduação em Gestão de TI (FIAP) e MBA em Governança de TI (USP-IPT). Atua a mais de 14 anos na área de TI em diversos segmentos. Possui certificação em CobiT Foundation e ITIL Foundation, além de ter participado da Compliance Week Conference 2007 em Washington D.C.

Atualmente é Compliance de uma das maiores instituições financeiras da América Latina, onde participou do projeto de estruturação e implementação de controles internos para atendimento a lei Sarbanes-Oxley, US-GAAP e BR-GAAP, bem como nos projetos de estruturação da área de Compliance.

Atua também como professor universitário do curso de Sistemas de Informação da FAAC.

Fonte: http://www.itweb.com.br/voce_informa/interna.asp?cod=180


Certificado em ITILv2 Foundation, Cobit v4.1 Foundation, Linux Professional Institute (LPI) Nível 1 e IBM Tivoli Monitoring Deployment V6.2 Professional. É graduado em Sistemas de Informação pela Uniasselvi Blumenau e pós-graduando em Governança de TI pelo Senac Florianópolis, e atua como Administrador de Sistemas Tivoli e suporte Linux/UNIX na Senior Sistemas na área de Infra-Estrutura. Estudioso de assuntos referentes Gestão de Serviços de TI e Governança de TI e tecnologia em geral.

15 Comentários

Wander
3

Bom esta é uma área que pretendo seguir …
já trabalho na área e consigo ver que a TI presta serviço
aos processos de negócio da organização!!!

Emerson Dorow
4

Olá Wander!
A idéia é organizar as atividades de TI em processos, processos e serviços de TI suportam processos de negócio. A organização em processos visa uma melhor coordenação das atividades e o mais importante: medir, medir e medir.

Gestão em TI é uma área vasta, vale a pela ir em frente.

Abs,

Emerson Dorow

Geasi Felipe
5

Olá bom dia, curti o texto muito bom

Só uma dica,

Os link que estão no site ou comentários abre na mesma janela dificultando a navegação interna, ao inves de abrir na mesma janela coloca para abrir em uma nova janela,

Texto

Que acha ?

nasser
6

Isso tudo é sempre TÃÃÃÃÃO bonito, mas na prática tudo vira gambiarra.

Engenharia -> silver tape
Tecnologia da Informação -> Go Horse Process
Medicina -> “Isso é só uma virose”
Política -> “Eu não sabia de nada”
Psicologia -> “A solução pra tudo está dentro de você mesmo”
Direito -> Habeas Corpus
Futebol -> Cavar falta

Marília
7

Como já falaram na teoria é tudo muito bonitinho!

Mas infelizmente poucas empresas utilizam o gerenciamento de processos..
a engenharia de software.. ou qualquer outro tipo de metodologia.

São pouquíssimas que realmente usam e tem profissionais capacitados para tal ação.

Sou adepta a engenharia de software e aplico na minha organização..
Mas a realidade ainda está longe de utilizar MESMO governança de TI.

Seu texto está muito bom.

André Zaiats @ Governança de TI
8

Tenho que concordar em partes com nosso amigo nasser. No fundo a teoria é sempre mais bonita. É aquele vislumbre que temos ao ingressar em uma universidade e ouvir maravilhas dos professores, mas quando você começa a defender uma causa percebe que está dando “murro em ponta de faca”.

Mas eu acredito que existam empresas competentes que estão conseguindo elaborar planos e estratégias realistas para as empresas. Vai muito do “ensinar a engatinhar” antes de querer “andar”.

Abraços.

Claudia Santos
9

Estou atuando na área de Governança de TI desde jan/2010 e sinto falta de trocar experiências com colegas que atuam na área. Vocês conhecem algum grupo, comunidade de Governança de TI?

Texto é muito bom

abraço

jordon
11

TI é uma grande parte do negócio de cada país. Eu diria mais de 40% das pessoas são dependentes de TI computador, software e etc

alexandre
12

estou na 4º fase em gestão da tecnologia da informação, me formo no fim deste ano, e estou meio perdido sobre emprego, não trabalho na areá mas sempre gostei de tecnologia adoro este curso, mas queria uma boa dica por onde começar a procurar emprego, desde já agradeço.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

*

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>