Ferramentas de testes em Django – Parte 2

No post anterior, conhecemos as ferramentas default para construção de testes automatizados em Django. Acontece que você pode “sair um pouco da caixa” e usufruir de ferramentas “third-party“, que enriquecerão o seu ambiente de desenvolvimento e lhe trarão maior segurança em seus testes de software.

splinter – Testando a sua aplicação com um navegador

É perfeitamente possível criar testes de aceitação em Django com a TestClient e lxml. Mas vamos ser sinceros, é deveras trabalhoso “parsear” os resultados das suas views.

Com a Splinter, uma ferramenta para testes de aplicações web, você pode automatizar ações executadas por navegadores, como visitar uma página, preencher um formulário ou clicar em um link; tudo isso sem preocupar-se com parsing, nós, DOM, nem nada do tipo:

from splinter.browser import Browser
browser = Browser()
# Visitar uma URL
url = "http://search.twitter.com"
browser.visit(url)
browser.fill('q', "#cobrateam") 

# Procurar e clicar no botão 'search'
button = browser.find_by_css("#searchButton input").first 

# Interagir com os elementos
button.click()
if browser.is_text_present("No results for #cobrateam"):
    print "nobody likes us =("
else:
    print "we're popular =)"

O que eu acho mais bacana nesta ferramenta são os seletores, facilitam muito na hora de checar resultados e comportamentos.

A comunidade em volta desta ferramenta está em constante crescimento e atividade. Portanto, caso você queira contribuir com o projeto, vá agora mesmo para o repositório no GitHub e colabore.

nose – Caçando testes em seu projeto (Python)

E quando queremos fugir da regra? Aposto que chegará um momento em que a estrutura de diretórios padrão, necessária para a execução dos seus testes em Django, não te satisfará mais. O que fazer neste caso? Simples, recorra ao Nose!

O Nose estende os recursos da unittest e facilita a escrita e carregamento dos testes em projetos Python. De uma forma mais detalhada, ele percorre o seu projeto (ou uma determinada região de seu escolha) executando subclasses da unittest.TestCase ou funções que contenham “test”. Por exemplo:

# test_subclasse.py
import unittest

class SubclasseTest(unittest.TestCase):
    def test_um_eh_verdadeiro(self):
        self.assertTrue(1)

# test_funcao.py
def test_zero_eh_falso():
    assert 0 == False

Ao executar o comando nosetests o nose se encarregará de procurar e carregar os testes:

$ nosetests
..
----------------------------------------------------------------------
Ran 2 tests in 0.005s

OK

É claro que existe uma “mágica” aí. Na verdade o nose pesquisará por arquivos Python com “test” em seu nome, por funções com “test” em seu enunciado, e por classes com métodos “test” em sua declaração. Ele age mesmo como um “runner“, tendo a capacidade de lidar com testes escritos com unittest ou não.

Essa é só a ponta do iceberg. É possível construir plugins para o nose, permitindo melhorar ainda mais o seu ambiente de testes (como por exemplo, permitir que o nose funcione em subprocess separados).

Caçando testes em seu projeto (Django)

Para facilitar ainda mais a escrita de testes em Django existem plugins como o django-nose, que permite que você substitua o Test Runner padrão da framework por um específico que utiliza o nose, unindo assim a facilidade e “add-ons” do nose com o ambiente de testes do Django.

lettuceBDD em Django

E se você estava se perguntando sobre BDD em Django, eu apresento a Lettuce!

Esta ferramenta, baseada na Cucumber, permite com que você escreva estórias utilizando linguagem ubíqua, mais próxima da área de negócios do que da área técnica, e automatize a validação delas.

O mais bacana é que ela já vem preparada para o Django, permitindo que a gente execute os testes de comportamento de forma fácil e rápida:

Feature: Rocking with lettuce and django

    Scenario: Simple Hello World
        Given I access the url "/"
        Then I see the header "Hello World"

    Scenario: Hello + capitalized name
        Given I access the url "/some-name"
        Then I see the header "Hello Some Name"

Estória escrita, vamos escrever o script Python que validará se está tudo de acordo:

from lettuce import *
from lxml import html
from django.test.client import Client

@before.all
def set_browser():
    world.browser = Client()

@step(r'I access the url "(.*)"')
def access_url(step, url):
    response = world.browser.get(url)
    world.dom = html.fromstring(response.content)

@step(r'I see the header "(.*)"')
def see_header(step, text):
    header = world.dom.cssselect('h1')[0]
    assert header.text == text

Basta executá-lo da seguinte maneira:

$ python manage.py harvest

Confira mais informações sobre como utilizar o lettuce com Django.

fudge – Ajude o Python a mentir

O Fudge é um módulo Python que auxilia na construção de objetos “dublês” (mocks e stubs), que permitem escrever testes sem necessariamente possuir um serviço ativo ou um objeto construído.

Um caso comum: Você está construindo uma API que autentica via OAuth ao Twitter e está utilizando testes para guiar o seu desenvolvimento. Não é interessante que nossos testes sejam dependentes da disponibilidade do serviço do Twitter, portanto, escrevemos um “objeto mentiroso”, que simulará este serviço, aceitando uma entrada e gerando um saída:

import fudge
@fudge.patch('oauthtwitter.OAuthApi')
def test(FakeOAuthApi):
        (FakeOAuthApi.expects_call()
            .with_args('', '',
                         '', '')
            .returns_fake()
            .expects('UpdateStatus').with_arg_count(1))

post_msg_to_twitter("hey there fellow testing freaks!")

Pronto! Sabendo que valores serão passados, e quais os resultados, podemos simular o comportamento daquele serviço. Prático, não?

Considerações finais

Estas são as ferramentas que eu costumo utilizar em meus projetos Python/Django. É claro que existem outras, na verdade existem várias. Tenha em mente que a ferramenta é apenas um meio de garantir, através de testes, que você está guiando a sua aplicação para o lugar certo. Os testes automatizados no final servem para garantir que ela ainda segue este caminho, que contribuições realizadas tardiamente não “quebraram” o comportamento que você escreveu no início do desenvolvimento.

Tenho a intenção de escrever um post mais prático sobre testes e Django. Fiquem no aguardo ;)

E você? Tem alguma ferramenta para recomendar? Utilize os comentários abaixo para compartilhá-la.

Referências

Até a próxima…

Fonte: Klaus Laube

Klaus Peter Laube

Mais artigos deste autor »

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas pelo Centro Universitário de Jaraguá do Sul (UNERJ). Desenvolvedor Web defensor dos padrões Web. Usuário Linux, apaixonado por Python. Escreve quando pode no http://www.klauslaube.com.br.

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!


− 3 = cinco

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>