Os 7 Mitos Sobre Agile Que Você Sempre Ouviu Falar

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Olá amigos do PTI,

Hoje eu gostaria de falar sobre 7 mitos sobre Agile que são muito propagados na praça e fazem com que o Agile seja mal interpretado por uns e fortemente combatido por outros.

Vamos aos mitos:

1) Agilidade = Correria / Pressa

Uma vez li um comentário equivocado e infeliz no LinkedIn que dizia que agilidade era correr para entregar algo dentro de uma sprint para atender um determinado cronograma (?????).

Correria sempre resulta nisso:
beepbeep2

Agilidade tem mais a ver com um estado de mindset e um estado de arte do que sair correndo para entregar algo.

Leia sobre o que acredito ser a definição correta para agilidade neste artigo.

2) Processos ágeis não possuem e são contra planejamento e documentação

Outro equívoco. O Manifesto Ágil diz que devemos nos preocupar mais em entregar um software/produto funcional do que nos tornarmos reféns de documentação. Neste artigo abordo um pouco mais sobre este valor do Manifesto Ágil.

O planejamento ágil é feito de forma interativa, colaborativa e consensual entre equipe e cliente, é o chamado Planning Games do XP (Extreme Programming). Entretanto, este planejamento deve ser devidamente documentado, pois trata-se de um ativo da empresa que pode ser utilizado em outros projetos e por outras equipes.

O planejamento ágil também provoca uma mudança no mindset, pois geralmente uma longa documentação gera o planejamento. Na proposta do planejamento ágil, um planejamento interativo gera a documentação do projeto.

3) Processos ágeis correm soltos e não possuem compromisso com prazo

Que bom seria se todos os projetos fossem feitos no prazo que gostaríamos, uma vez que o importante filosoficamente é entregar valor para o cliente. Custo? Que nada! Vamos fazendo! Prazo? Coisa de “Gerente de Projeto do PMI”!

Claro que o comentário acima é pura utopia, pois todo projeto possui algum tipo de restrição (escopo, tempo, custo). No mindset ágil, a proposta é entender como entregar valor e qualidade dentro das restrições.

Entender a entrega do seu projeto ou release é date-driven (orientado a prazo) ou feature-driven (orientado a escopo). Neste artigo disseco bem a questão de projetos date-driven ou feature-driven usando Agile.

4) Processos ágeis seguem na contramão das boas práticas do PMBOK.

Mais um equívoco. Todo o projeto possui iniciação, planejamento, execução, monitoramento, controle e encerramento. Se utilizo uma abordagem ágil, todas as iterações/sprints possuem suas ferramentas e técnicas para iniciar, planejar, executar, monitorar, controlar e encerrar uma Sprint.

Em projetos ágeis fazemos gerenciamento de Stakeholders (talvez a área de conhecimento mais trabalhada), escopo (Construção e refinamento do Product Backlog), tempo (Release Planning), custo (Agile Earned Value), riscos (através das reuniões diárias, revisões, retrospectivas, refinamento do Producto Backlog), aquisições (através de contratos aderentes ao Agile descritos neste artigo), recursos humanos (teorias motivacionais, liderança situacional, inteligência emocional), qualidade (uso de TDD, ATDD, métricas de defeito) e comunicação (Kanban, gráficos BurnIn/BurnDown).

Em meu livro Gerenciamento Ágil de Projetos é possível entender com mais detalhes a linha de raciocínio exposta acima.

gagilp-editorabrasport

5) As metodologias ágeis servem somente para projetos de TI / desenvolvimento de software

Embora o Agile tenha nascido no mundo do software, pode ser aplicado para qualquer produto inovador que lide com riscos e incertezas com relação à tecnologia, requisitos e/ou recursos.

Um exemplo muito interessante está no livro “StartUp: Manual do Empreendedor” de autoria de Steve Blank e Bob Dorf, onde a metodologia ágil é aplicada de ponta-a-ponta na condução do nascimento de uma startup.

6) As metodologias ágeis são aplicáveis a todos os projetos

Como explicado no exemplo acima, com certeza não. Pense em projeto de construção de um prédio de 20 andares. Você não acha que uma longa fase de planejamento deve ser realizada para que o projeto comece com praticamente todos os seus riscos e incertezas eliminados ou mitigados? Ou você acha que basta ir subindo o prédio com um planejamento mínimo (MMF ou MVP) e caso o prédio fique torto basta “adaptar” e dar umas “marteladas” para voltar a ficar reto????
002

7) As metodologias ágeis por si só resolvem todos os problemas e crises de projetos, independente das pessoas envolvidas

O Agile é filosoficamente belo, mas continua sendo conduzido por pessoas. Pessoas erradas nos papéis errados é fracasso na certa. Relembrando uma matriz que publiquei neste artigo.
matriz

Espero ter contribuído para vocês desmistificarem estes pontos e pensarem sobre a essência do Agile.


Se você quiser continuar a debater e se aprofundar no tema, participe do Workshop Gerenciamento Ágil de Projetos a ser realizado nos dias 20 e 21 de Março/2015 em SP através do site www.hiflex.com.br/v1/2015/01/workshopagilepmi/. Utilize o código promocional PTI e ganhe 10% de desconto!

800x415_Hiflex

Espero por vocês no Workshop e até o próximo artigo ! :-)

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Vitor Massari

Mais artigos deste autor »

Profissional com mais de 15 anos de experiência em projetos de software. Sócio-proprietário da Hiflex Consultoria, profissional PMP e agilista, acredita no equilíbrio entre as várias metodologias e frameworks voltados para gerenciamento de projetos.
Lema: "Agilista convicto sempre, agilista obcecado jamais"


Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">