Projetos em TI – 50 Riscos Reutilizáveis

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Mais do que nunca a necessidade de monitorar riscos é enorme. Temos acompanhado diversos acontecimentos que nos fazem refletir o quão importante é exercer de forma sistemática a disciplina de riscos.

Vimos o triste rompimento da barragem em Mariana, acompanhamos estudantes resistindo ao projeto de restruturação das escolas em São Paulo, vimos também a grave falha de segurança no aeroporto do Egito com o avião Russo derrubado por terroristas e outras situações em que sérios riscos ocorreram e o processo para evitá-los ou tratá-los adequadamente parece ter falhado. É possível que o tempo de análise ou o monitoramento dessas importantes operações e projetos não tenha ocorrido satisfatoriamente. Ressalto, no entanto, que não é possível prever todos os riscos e que quanto mais complexo um projeto ou operação maior será a necessidade de análise, de detalhamento e de acompanhamento das atividades da gestão de riscos.

Na TI não é diferente, gestores e membros de equipe devem dedicar uma parcela do tempo para pensar em como evitar e tratar situações difíceis ou desafiadoras que podem vir a ocorrer através do exercício da análise de riscos. Esta é uma prática realizada para antecipar situações que, se ocorrerem, nos preparam para atuarmos com maior eficácia e assim minimizar possíveis impactos negativos no andamento do projeto ou operação.

Uma implementação básica para gerenciar riscos deve possuir as seguintes etapas e atividades. Veja abaixo as etapas macro:

  1. Identificar e Quantificar Riscos 
  2. Elaborar plano de Resposta aos Riscos
  3. Monitorar Riscos

No mapa abaixo detalho as atividades das etapas básicas para o gerenciamento de riscos:

Etapas e Atividades para Controlar Riscos

Etapas e Atividades para Exercitar a Disciplina de Riscos (*Clique na imagem para melhor visualização)

A fase de identificação de riscos é um exercício único para cada projeto ou operação, isso ocorre devido às particularidades de cada empreitada, contudo, é possível reutilizar riscos levantados em outros projetos ou operações de naturezas similares. Alguns riscos são recorrentes e podem ser recuperados de uma lista prévia de riscos mantida em uma base histórica de projetos, acelerando a etapa inicial de identificação de riscos.

Vejamos alguns exemplos de riscos recorrentes em projetos de software:

Exemplos de riscos reutilizáveis que podem afetar o custo do projeto:

  • Corte no orçamento do projeto devido a crise econômica
  • Flutuações de câmbio
  • Cancelamento/Suspensão do projeto

Exemplos de riscos reutilizáveis que podem afetar a comunicação no projeto:

  • Frágil plano de comunicação
  • Responsabilidades da equipe de projeto não delineadas
  • Falta de priorização das necessidades/características do produto

Exemplos de riscos reutilizáveis que podem afetar a qualidade dos produtos do projeto:

  • Defeitos no software (bugs) podem não ser detectados até a sua implementação
  • Qualidade dos produtos/subprodutos não atingem expectativa do cliente

Alerto que os riscos que estamos contemplando são eminentes em projetos de software, mas alguns deles podem ocorrer e afetar qualquer tipo de projeto, por exemplo: – Flutuação do câmbio,  – Frágil plano de comunicação ou – Cancelamento/Suspensão do projeto.

Diante do que foi apresentado, aproveito então para compartilhar uma lista com 50 riscos reutilizáveis que podem ser “pinçados”, adaptados e desenvolvidos conforme as atividades do processo de gestão de riscos do seu projeto. A lista pode ser utilizada como “entrada” na 1º etapa do processo “Identificar Priorizar e Quantificar” na atividade 1.1 “brainstorming” de riscos. No mapa acima eu destaquei o local para “pinçar” os riscos que você desejaria monitorar em seu projeto.

Ah! Lembro que a lista pode e deve ser melhorada! Melhoria contínua é um dos meus ideais.

É sempre bom ter em mente que ao tratar riscos com a devida atenção, pequenos ou grandes problemas podem ser minimizados ou até evitados. Para aprofundar o estudo sobre o gerenciamento de riscos eu sugiro a leitura do capítulo 11 do Guia para Gerenciamento de Projetos, o PMBOK 5. O prestigiado guia expõe com riqueza de detalhes as etapas do gerenciamento de riscos. 

Abaixo segue a lista de riscos reutilizáveis agrupados por categoria.

50 Riscos Reutilizáveis

50 Riscos Reutilizáveis

Bom, fico por aqui. Deixe um comentário, crítica ou sugestão. E como diz um amigo meu gerente de projetos: até a próxima e bons projetos! 

AGRADEÇA AO AUTOR COMPARTILHE!

Marco Rodrigues

Mais artigos deste autor »

PMP, PSM, ITIL

Profissional de TI com 15 anos de experiência, atuei como programador, analista de sistemas e gerente de projetos em instituições públicas e privadas. Filiado ao PMI - Project Management Institute e voluntário do PMI-Distrito Federal busco estar atualizado e alinhado as melhores práticas do mercado. Me interesso também por mídias sociais, comunicação, liderança, música, responsabilidade social e por um mundo mais sustentável.


2 Comentários

Renan Colebrusco
1

Com base nessa lista, é impressionante como o fator humano tem uma grande ligação com a gestão de riscos.

Marco Rodrigues Autor do Post
2

Prezado Renan,

Obrigado pelo seu comentário ele é muito pertinente. Sim o fator humano é realmente muito importante. É um aspecto indivisível da gestão de riscos. Este seria um ótimo tema para aprofundarmos a discussão da disciplina.

Abraço
Marco Rodrigues

Deixe seu comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos com * são obrigatórios!

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code class="" title="" data-url=""> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong> <pre class="" title="" data-url=""> <span class="" title="" data-url="">